O Sado encontrou as suas guardiãs

Cidália Nunes é pescadora desde que se recorda. Quase nasceu no mar, mas foi pela mão de uma bióloga marinha que começou a retribuir ao mar o tanto que ele lhe dá. O estuário encontrou as suas guardiãs.

Fotogaleria
Cândido Nunes e Joaquim Bravo são pescadores. Apesar de não fazerem parte do prjecto, ajudam sempre que podem na limpeza do estuário
Fotogaleria
Os quilos de redes têm de ser cortadas com facas. São depois postas em sacos
Fotogaleria
Cidália vive na aldeia de Possanco, a uns quilómetros da Carrasqueira
Fotogaleria
Os campos fazem fronteira com o porto
Fotogaleria
Os armazéns no porto palafítico são alguns dos locais usados para guardar redes e outros utensílios da faina
Fotogaleria
O lixo deixado pelos pescadores acumula-se nas margens e torna-se visível quando as marés vazam
Fotogaleria
Cidália Nunes tem 62 anos e é pescadora desde que se lembra
Fotogaleria
Cidália é uma das guardiãs que protegem o estuário
Fotogaleria
As redes deixadas por pescadores ficam presas ao lodo e não se decompõem

É pela manhã bem cedo que se ganha o dia no mar. Mas, na Carrasqueira, a faina está parada e as redes recolhidas no interior das embarcações e dos armazéns do cais, construído sobre estacas de madeira, esperam ser devolvidas à água. A maré baixa desvela os cascos das bateiras e barcas varadas no estuário do Sado. Mas nem por isso o corrupio é menor naquele porto.

Ao longe, ecoa o tilintar de um martelo contra a madeira de um barco. Cidália Nunes, 62 anos, é pescadora desde que se lembra. Aguarda com a filha, Helena, a oportunidade de arregaçar as mangas ao trabalho que, naquele dia, é diferente do que costuma fazer na água. “Eu sirvo-me do mar, mas também lhe retribuo alguma coisa”, atira.

É nas marés que “vazam bem” que as guardiãs do mar entram em acção. Quando se vai a água, o lixo envolto em lodo emerge no cais e conta a jornada dos pescadores. Cidália é uma das mulheres sadinas que, duas ou três vezes por semana, devolve ao oceano algo de si. E chama a comunidade a participar, mostrando como se pode cuidar das pradarias marinhas (a vegetação que se encontra debaixo de água).


“Nós somos pescadores, mas nunca olhamos para as margens nem vemos a sujidade que se acumula”, considera. As guardiãs do mar, como ficaram conhecidas, são fruto de um projecto levado a cabo pela Ocean Alive, a primeira associação em Portugal dedicada à protecção do oceano.

A bióloga marinha Raquel Gaspar, de 49 anos, é um dos rostos da cooperativa e do projecto. Há muito que se apaixonou pela região, mas cedo se apercebeu que teria de a proteger. A forma que encontrou de o fazer foi envolver as mulheres pescadoras no processo, através de programas de educação, de sensibilização e monitorização das pradarias marinhas.

Foto

A iniciativa, que arrancou em 2016, pretende capacitar as pescadoras para serem guias marinhas em visitas de escolas ou de turistas, e serem agentes de sensibilização junto da população de pescadores e de locais que frequentam a zona.

Em tempos em que já não se traz tanto peixe para terra, esta é também uma forma de dar outra fonte de rendimento a estas mulheres. Segundo diz Raquel, em três anos, estas pescadoras irão receber, no total, cerca de 20 mil euros. No fundo, Raquel quer valorizar o conhecimento que estas mulheres, algumas desempregadas, têm sobre o mar.

Tal como acontece com Cidália, o objectivo é que elas sejam líderes de boas práticas nas suas comunidades. “As guardiãs têm dois tipos de compromisso com o projecto”, elucida a bióloga. “Há voluntárias que, basicamente, são simpatizantes e ajudam passivamente no dia-a-dia a transmitir boas práticas. Outras têm uma profissão no nosso programa”. Cidália é uma das guardiãs que recebe pelo seu trabalho na Ocean Alive.
Em breve será lançado um projecto-piloto com duas pescadoras da Carrasqueira, graças a um financiamento que conseguiram. “Vão ajudar-nos a mapear as zonas onde há pradarias para podermos avaliar o impacto do projecto”, explica Raquel.

"Eu nasci no mar”

Cidália e o mar pertencem um ao outro. À mesa de sua casa, na aldeia de Possanco, a uns quilómetros da Carrasqueira, a pescadora não esconde como veio ao mundo. Ao lume, aquece a água para cozer o peixe por si pescado. “Os meus pais trabalhavam no mar e a minha mãe estava grávida de mim e começou a sentir contracções no barco”. Ao regressar do mar, a mãe terá apenas tido tempo “de pôr os pés em casa” e de dar à luz a menina que um dia também seria filha do mar.

Cidália seguiu destino idêntico. Já grávida, e durante a faina nocturna, começou a sentir contracções por volta das 22h30. Os filhos nasceram-lhe praticamente no mar. “Foi voltar do mar e tê-los”, confessa.

Foto

Sobre as guardiãs do mar diz que, há uns anos, nunca pensaria em juntar-se à campanha. Foi a filha Helena que a puxou. Quando está em acções de recolha de lixo vai encontrando de tudo. “Plásticos, vidros e de tudo um pouco”.

Passado uns tempos ganhou-lhe o gosto e já não quer outra coisa. “É um projecto que tem muito que se lhe diga. E muito cansativo. Às vezes encontramos pessoas que são um bocadinho avessas, e nessas alturas temos que trabalhar essas pessoas. Alguns já vão aceitando”. No fim, Cidália sente que realmente exerce um papel de mudança e consciencialização nas pessoas com quem se cruza.

Com o esforço, garante, “já se sente muita diferença. Muitas reconhecem o que está certo e errado e temos o gosto de ver a compreensão das pessoas e ver que tudo está a melhorar”, concluiu, não sem antes esboçar um sorriso.O marido, que também é pescador, não tem pudor em ajudar. Cândido Nunes, de 68 anos, corta redes de pesca ali deixadas nas margens do cais, por colegas de profissão, como se fossem manteiga. Ele e um amigo da família, Joaquim Bravo, de 58 anos, de facas em riste, enchem sacos do lixo com essas redes e todos os artefactos poluentes que vão encontrando.

A diferença faz-se no mar

Raquel transborda afecto pelo estuário e pela sua vida marinha. Ao caminhar no passadiço de madeira que tem como pano de fundo a Lisnave e a outra margem de Setúbal, inspira e contempla o ambiente em seu redor. Sente que é ali que tem de estar, ainda que as circunstâncias do seu trabalho nem sempre lhe permitam envolver-se em todas as etapas.

Foto

Os programas de educação e sensibilização marinhas geram rendimento para a Ocean Alive, mas esse não é o único aspecto positivo que sai desta iniciativa. Tem-se assistido a uma transformação: “O que eu tenho visto é, sobretudo, o que elas transmitem às outras pescadoras”, admite Raquel Gaspar. De momento, existem 15 guardiãs em diferentes zonas do Estuário do Sado, mas o plano é alargar o número de pescadoras e a área de actuação.

“Numa próxima fase queremos actuar sobre outras ameaças marinhas”. As âncoras das embarcações, que destroem a vegetação marinha e a pesca destrutiva são prioridades para o futuro, mas para isso é necessário conseguir financiamento que sustente a execução das medidas.

Em 2017, Raquel recebeu o prémio Terre de Femmes, da Fundação Yves Rocher, que todos os anos distingue mulheres com projectos na área do ambiente. O prémio permitiu-lhe avançar com as ideias, mas nada está assegurado. Para a bióloga, há que continuar a trabalhar sempre com vista a preservar um habitat tão fundamental como as pradarias marinhas.

Futuramente quer criar “mensageiros para os grandes valores das pradarias enquanto mitigadoras das alterações climáticas” envolvendo alunos e professores de vários níveis de instituições de ensino. Enquanto o projecto vai crescendo, as guardiãs do mar assumem o compromisso de limpar o estuário todos os meses. Das areias retiram-se metais e plásticos, vidros esquecidos e detritos libertados por turistas e locais que ainda não estão consciencializados para importância de cuidar do mar e do que está ao seu redor.

“O tempo passa para trás das nossas costas”, afirma Cidália perspicazmente mas, por outro lado, o seu dever para com o mar está a ser cumprido. Do tanto que ele lhe dá, Cidália ensina as gentes a tratá-lo um pouco melhor.

Foto