Ano novo, novas aplicações

O PÚBLICO sugere algumas aplicações que podem tornar 2019 mais fácil e produtivo.

Fotogaleria
Quase todos temos telemóveis com aplicações. Algumas podem salvar vidas Robert Galbraith/Reuters
Fotogaleria
A ICE permite listar alergias e contactos de emergência no ecrã do telemóvel

Em todo o mundo, as pessoas gastaram cerca de 76 mil milhões de dólares este ano em aplicações para o telemóvel. É mais 20% do que no ano passado, de acordo com dados da consultora especializada App Annie. O Netflix, o Tinder e a Tencent (dona do serviço de mensagens chinês WeChat) são as aplicações – além dos videojogos – em que as pessoas mais gastaram dinheiro. O Facebook Messenger, o Instagram e o WhatsApp (todas da família Facebook) estão entre as mais descarregadas.

Mas há aplicações para muito além das redes sociais e programas para ouvir música ou ver vídeos online. Muitas são grátis. Algumas podem salvar vidas, outras ajudam mesmo a passar menos tempo agarrado ao telemóvel.

ICE. Em caso de emergência

A ICE é uma aplicação disponível para Android que permite definir um perfil médico que fique sempre disponível no ecrã do telemóvel, mesmo quando este está bloqueado, de forma semelhante a uma nova notificação. O objectivo é ter informação como o tipo de sangue, alergias e contacto de emergência acessível a qualquer altura, desde que se tenha o telemóvel por perto. Há uma versão gratuita e outra paga que permite incluir mais detalhes.

PÚBLICO -
Foto

O iPhone tem este serviço disponível na aplicação pré-instalada do Apple Health.

MySNS Carteira. Ter as receitas do médico no bolso

Apesar do nome parcialmente em inglês, esta é uma aplicação do Serviço Nacional de Saúde que junta de forma cómoda todas as receitas do utente, boletim de vacinas, e inclui um cartão de actividade física pessoal com o número de passos dados ao longo do tempo. O registo é feito com os dados do cartão do cidadão (ou com chave móvel digital, uma funcionalidade de autenticação nos serviços públicos) e o utilizador pode depois adicionar à carteira as receitas que lhe tenham sido prescritas, seja no Serviço Nacional de Saúde ou no sector privado.

PÚBLICO -
Foto

Uma actualização recente veio resolver alguns dos problemas da aplicação, que frequentemente parava de funcionar ou não permitia um novo registo – o que levou a muitas críticas negativas nas lojas de aplicações. Ainda assim, há muito por resolver e há funcionalidades que podem ser melhoradas: por exemplo, a secção no menu para mostrar os tempos de espera em unidades de saúde simplesmente remete para uma outra aplicação do SNS.

Para gerir o tempo em frente ao ecrã

Forest é uma aplicação para Android e iOS que ajuda as pessoas a passar menos tempo a desbloquear o telemóvel, ou a consultar actualizações sistematicamente em redes sociais. Funciona como um jogo: quando se quer fazer uma pausa, abre-se a aplicação para “plantar uma árvore” virtual que vai crescendo durante a pausa do utilizador. A árvore morre quando o utilizador decide voltar a usar o telemóvel (mesmo que seja só para o desbloquear).

PÚBLICO -
Foto

Ao acumular pausas, o utilizador vai construindo uma floresta digital e ganhando moedas virtuais. São usadas para plantar árvores no mundo real, graças a uma parceria com a organização Trees for the Future.

Be my eyes. Para ajudar os outros

Aplicação grátis para ajudar pessoas cegas ou com problemas de visão. Pode “emprestar os seus olhos”, através de uma conexão de vídeo, ou ser assistido pela rede de utilizadores voluntários. O conceito é simples: instala-se a aplicação, definem-se as línguas que se consegue falar, e quando alguém com problemas de visão pede ajuda, recebe-se uma notificação. Faz parte de uma tendência de microvoluntariado em que as pessoas podem aceder a sites ou instalar aplicações móveis, para dedicar alguns minutos a ajudar os outros.

Sleep Cycle. Para dormir melhor

Despertador que monitoriza o padrão de sono dos utilizadores e decide quando é que é a melhor altura para acordar alguém de forma natural. Funciona com um período “janela” que é definido pelo utilizador e pode ir até 90 minutos antes da hora de alarme pré-definida. Por exemplo, se alguém precisa de acordar às 7h da manhã, o despertador escolhe o melhor momento a partir das 5h30.

A aplicação funciona a partir do microfone do telemóvel, que serve para analisar os movimentos do utilizador quando está a dormir. A aplicação explica que, para isto, é preciso colocar o telemóvel no sítio certo: deitado na horizontal, na mesa-de-cabeceira do lado da cama onde alguém dorme. Também pode ser colocado por cima do colchão, na horizontal, ao lado da almofada. 

PÚBLICO -
Foto

No site, pode-se ver um mapa com o número de horas de sono que os utilizadores da aplicação dormem em média.

Tabata Timer. Para fazer exercício em qualquer local

Para quem é fã de exercício mas nem sempre tem tempo para ir ao ginásio, o Tabata Timer (disponível para Android e iOS) permite organizar sessões de treino de alta intensidade em quatro minutos. Segue o método de Tabata, que foi desenvolvido no Japão por Izumi Tabata, que se baseia em 20 segundos de treino muito intenso (por exemplo, corridas, agachamentos, extensões de braços) seguidos de dez segundos de descanso, durante quatro minutos. A aplicação permite cronometrar os exercícios e inclui várias sugestões para diferentes partes do corpo.

Memrise. Para aprender outras línguas

A aplicação transforma a aprendizagem de novas línguas num processo divertido através de vários jogos (por exemplo, jogos para descobrir o significado de palavras difíceis, tarefas de compreensão oral, e desafios de revisão). Permite definir objectivos diários para ultrapassar, aprender através de vídeos de pessoas nativas, e inclui um guia de pronúncia.