Sindicatos dos professores disponíveis para negociar “desde já” com o Governo

Organizações sindicais querem voltar à mesa das negociações já em Janeiro. Atrasar esse processo, afirmam, “seria perigoso para a tranquilidade que é necessária às escolas nesses períodos.”

Foto
Sindicatos acusam Governo de "ter decidido "apagar mais de 6,5 anos de tempo de serviço cumprido pelos professores" Miguel Manso

As dez organizações sindicais de professores que têm exigido a recuperação total do tempo de serviço congelado dizem-se disponíveis para “iniciar, desde já, a negociação” com o Governo, após o veto do Presidente da República. Apontam para Janeiro, para não perturbar “a tranquilidade” das escolas no resto do ano.

Na próxima quinta-feira, 3 de Janeiro, às 12h, esta plataforma sindical, em que se integram as duas federações de docentes, vai à residência do primeiro-ministro dar-lhe conta desta disponibilidade para “no curtíssimo prazo, se iniciar a negociação, do modo e do prazo de recuperar os 9 anos, 4 meses e 2 dias em que as carreiras estiveram congeladas”, informa em comunicado. Os sindicatos pretendem também entregar a António Costa, a quem pediram uma audiência, “uma proposta conjunta que assumiram no passado dia 18 de Dezembro e que reflecte a sua abertura negocial em todo este processo”.

Em comunicado, os sindicatos frisam que têm todas as condições para voltar à mesa das negociações com o Ministério da Educação já no próximo mês. Atrasar esse processo para uma altura mais adiantada do ano lectivo, afirmam, “seria perigoso para a tranquilidade que é necessária às escolas nesses períodos.”

O repto foi lançado por Marcelo Rebelo de Sousa que, esta quarta-feira, vetou o diploma do Governo que apenas previa a contabilização de cerca de três dos mais de nove anos em que o tempo de serviço dos professores esteve congelado, com o argumento de que o executivo está obrigado a cumprir o que está determinado no Orçamento do Estado para 2019 e abrir novas negociações com os sindicatos.

Estes escudam-se na posição do Presidente da República: “Tal processo negocial decorre do disposto no artigo 17.º da Lei do Orçamento do Estado para 2019 e só terá de se realizar por o Governo, em 2018, contrariando o disposto na respectiva lei do Orçamento do Estado, ter decidido apagar mais de 6,5 anos de tempo de serviço cumprido pelos professores”, lê-se no comunicado assinado pelas dez estruturas sindicais.

Também na quinta-feira vão divulgar um abaixo-assinado “que irá circular em todas as escolas” sobre a recuperação do tempo de serviço.