Entrevista

Reitores: “Passamos o ano a pedir dinheiro para cumprir obrigações”

Fontainhas Fernandes lembra que "o financiamento do Estado não é suficiente para o pagamento de salários, muito menos para o funcionamento das instituições e, portanto, está fortemente dependente de receitas próprias, onde as propinas têm um peso bastante significativo".

Foto
Nelson Garrido

António Fontainhas Fernandes, 56 anos, fez parte da equipa que levou a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) à I divisão do râguebi nacional, no final da década de 80 do século passado. Quando começou a praticar a modalidade, ainda não havia terreno relvado e as tarefas de marcação dos campos ou a lavagem dos equipamentos eram partilhadas pelos atletas. No râguebi aprendeu um lema: “Ou estamos todos alinhados na estratégia, ou então não ganhamos.”

É essa ideia que, enquanto presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP), quer apresentar ao país com a Convenção Nacional do Ensino Superior com a qual os reitores querem, ao longo do próximo ano, discutir com a sociedade uma agenda para a década seguinte no sector. Mas, antes disso, ainda há problemas para resolver. O presidente do CRUP entra cheio de dúvidas no novo ano: com que Governo vai ser negociado o impacto da diminuição das propinas prevista no novo Orçamento do Estado (OE)? Quanto custa o programa de contratação dos precários do Estado e os aumentos salariais dos professores que vão progredir na carreira? Tem sido, assim todos os anos, queixa-se.

Reitor da UTAD desde 2013, onde é catedrático de Bioquímica Ambiental, Fontainhas Fernandes fez toda a carreira académica em Vila Real. Chegou ali “por engano” para estudar Agronomia. Um erro na candidatura afastou-o da primeira opção, mas este minhoto nascido em Guimarães e com raízes em Monção acabou por encontrar na cidade transmontana a sua casa.

A avaliação da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), pedida pelo Governo no início deste ano, sobre o ensino superior nacional, identificou a necessidade de aumentar em 100 milhões de euros o investimento no sector até 2030 para convergir com a Europa. Como se pode falar em valores desta grandeza, quando os reitores continuam a discutir todos os anos com o Governo por causa de reforços de 7 ou 8 milhões?
Os futuros governantes terão que definir claras opções para o país. Se a estratégia do país é qualificar a população portuguesa, tem que, forçosamente, ser criado um plano de investimento e uma garantia de maior estabilidade, até plurianual, no financiamento das instituições.

Um orçamento plurianual para o superior já era um dos pressupostos para estes quatro anos quando as universidades e o Governo assinaram um acordo de confiança para a legislatura.
E que não foi atingido. Em cada ano, em Agosto, é atribuído pelo Governo um plafond às instituições, mediante o qual fazemos um orçamento. Depois, passamos o ano a pedir dinheiro para cumprir as nossas obrigações, em função das alterações legislativas entretanto aprovadas pelo Governo ou na negociação do OE. Isto não dá estabilidade às instituições.

O país está preparado para pôr mais dinheiro no ensino superior?
O país tem que fazer opções. Tem que dizer o que quer. Se quisermos apostar no ensino superior, o Orçamento do Estado tem que ter dotação para fazer face ao investimento que é necessário, sem recorrer sistematicamente a fundos comunitários.​

Arrepende-se de ter assinado o acordo para a legislatura?
Não, o contrato para a legislatura deu um sinal de confiança ao sistema. Permitiu evitar que estivéssemos sujeitos a cativações. Enquanto um professor do secundário, um polícia, um juiz ou um médico recebem da dotação do OE a globalidade do seu vencimento, no superior, a instituição que acolhe os professores tem que pôr uma parte do dinheiro para pagar salários.

Qual é esse valor?
No caso da UTAD, o OE chega apenas para 80% dos salários. E há instituições onde esse valor ainda é menor. As instituições têm que recorrer a outros mecanismos de captação de receitas próprias para pagar os salários e assegurar todo o funcionamento da instituição. Se quisermos dar mais estabilidade ao sistema e o quisermos modernizar, tem que existir uma dotação que nos aproxime da média europeia de investimento no ensino superior. O subfinanciamento crónico vai levar a pontos de ruptura. Vamos ter de lidar com o envelhecimento não apenas dos docentes, mas dos próprios funcionários, e com a necessidade de modernização das infra-estruturas e do parque laboratorial.

As universidades ainda estão a exigir reforços orçamentais para encerrar as contas de 2018, como aconteceu ano passado?
Isso está a ser visto caso a caso, tal como no passado. Existem instituições que reclamam ainda verbas para terminar o ano. Não é a maioria. A minha grande preocupação enquanto presidente do CRUP é saber como é que em 2019 vamos resolver dar resposta a uma questão que é premente que é a precariedade.

Deixe-me primeiro voltar a 2018. Quanto dinheiro é que ainda é reclamado pelas instituições para fechar o ano?
São questões pontuais. São duas ou três universidades que estão ainda a reclamar esse montante.

Para 2019, há alguma estimativa da verba que será necessária para fazer face às contratações por via do programa de integração dos precários do Estado, o Prevpap?
Nos casos que já estão encerrados os processos de análise das situações dos trabalhadores há um diferencial entre aquilo que é pago actualmente – e que é suportado pelas instituições – e o que passará a ser o custo dos novos contratos que vão ser celebrados. Esse diferencial devia estar claramente inscrito no OE.

E não está?
No OE, ainda não o vi.

E de quanto dinheiro estaríamos a falar?
Não lhe sei dizer.

Tem alguma estimativa na UTAD?
São cerca de 400 mil euros. Há universidades como o Porto e Lisboa onde o processo está bastante atrasado. Era preciso fazer aqui um cálculo entre as diferentes instituições. No caso da UTAD, nós temos todo o interesse em abrir os concursos para contratar os precários, mas necessitamos desse dinheiro para ter cabimentação financeira. Depois há a questão da redução do valor das propinas em 2019. O OE tem um articulado que diz que as universidades vão receber uma compensação.

Mas as propinas na verdade só têm impacto em Setembro de 2019.
A minha dúvida é qual será o interlocutor. Nessa altura devemos ter um Governo de gestão. Faria todo o sentido que antes ficasse esclarecido. A redução aprovada este ano terá um impacto na casa dos 40 a 50 milhões de euros.

Qual lhe parece ser o caminho ideal em termos de propinas? É acabar com elas de todo, como chegou a admitir o próprio ministro?
É um problema político e os partidos têm que colocar claramente em cima da mesa na próxima legislatura. O financiamento do Estado não é suficiente para o pagamento de salários, muito menos para o funcionamento das instituições e, portanto, está fortemente dependente de receitas próprias, onde as propinas neste momento têm um peso bastante significativo. Chega a atingir 10% a 20%. Se for entendimento de um futuro Governo fomentar o aumento do número de estudantes do ensino superior através da redução das propinas, têm que ter noção de que tem que existir compensação financeira. 

Portanto, o presidente do CRUP entra em 2019 cheio de dúvidas.
As dúvidas são todas estas que apresentei. Estas questões estão fora do OE. E há ainda a questão das valorizações salariais [em consequência do descongelamento das carreiras nas funções públicas]. O plafond que foi atribuído no OE apenas considera uma verba parcial. Em algumas instituições, no final de 2018, termina um ciclo de avaliação e haverá mais docentes que vão ser aumentados.