Portagens da rede IP vão aumentar em 22% dos casos

Atravessar a A25, entre Aveiro e Vilar Formoso, ficará 0,25 euros mais caro e passará a custar 11,90 euros em 2019. Este é o caso de maior agravamento dos 111 casos em que vai haver actualização de tarifas a partir de Janeiro.

Foto
Paulo Pimenta

A Infra-estruturas de Portugal (IP) já deu a conhecer como vai ser feita a actualização dos preços de portagens na rede que lhe está concessionada a partir de 1 de Janeiro de 2019, e revela que, de um total de 500 tarifas que tem em vigor, só haverá actualização em 111 casos – ou seja em 22% das tarifas.

De acordo com a informação que foi enviada às redacções, na maioria das auto-estradas cuja receita é da IP, não haverá aumentos de portagens da Classe 1 na maioria das auto-estradas. Mas também há casos, como na Concessão interior Norte, em que atravessar a totalidade da auto-estrada A24 vai ficar mais caro 0,15 euros para a classe 1 (passa a custar 10,75 euros) e 0,20 euros para a classe 4 (passa a ser cobrado 26,95 euros). Ou no caso da A22, no Algarve, que passa dos actuais 8,85 euros para 9 euros (um aumento de 0,15 euros na classe 1).

A concessão Beira Litoral e Alta (A25) é aquela que sofre um maior agravamento, já que os veículos da Classe 1 passam a gastar mais 25 cêntimos para atravessar toda a auto-estrada: ir de Aveiro a Vilar Formoso passará a custar 11,90 euros contra os actuais 11,65 euros.

Estas são as concessões em que o valor de portagem para a Classe 1 se mantém igual ao praticado em 2018:

- A4 - Túnel do Marão,

- A4 –  Autoestrada Transmontana,

- A23 entre Torres Novas e Abrantes,

- A21 - Ericeira-Venda do Pinheiro,

- A13 e A13-1 – Pinhal Interior

- A16 –Grande Lisboa

- A4, A41 e A42 - Grande Porto

Atravessar o Túnel do Marão vai continuar a custar os mesmos 2,05 euros na Classe 1, havendo aumentos de cinco cêntimos nas restantes três classes. Na Concessão da Grande Lisboa, a actualização será de 0,10 euros, a aplicar aos veículos da Classe 2.

Estes aumentos são calculados com base no valor do Índice de Preços do Consumidor, sem o valor de habitação, conhecido até 15 de Novembro, apurado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Para o ano de 2019, o INE apurou uma média de 0,88%.

A legislação (decreto-lei n.º 294/97 de 24 de Outubro) impõe que a actualização seja feita em valores múltiplos de cinco cêntimos – o que implica o arredondamento das taxas de portagem para o múltiplo de cinco cêntimos mais próximo. É com base neste valor que as concessionárias das auto-estradas enviam ao Governo uma proposta de actualização das tarifas de portagem que é feita troço a troço. Na próxima segunda-feira, também a Brisa deverá dar a conhecer os aumentos a aplicar na sua rede.

Em 2018 as portagens nas auto-estradas aumentaram 1,42%, depois de uma subida de 0,84% em 2017 e de 0,62% em 2016.