Câmara do Porto reforça segurança e transportes no fim do ano

Apesar de não haver registo de qualquer ameaça terrorista, foram reforçadas medidas de segurança a pensar na noite de passagem de ano.

Foto
Pedro Abrunhosa vai actuar na Avenida dos Aliados depois do fogo-de-artifício Paulo Pimenta

Na passagem de ano no Porto são esperadas cerca de 200 mil pessoas e, a pensar nisso, as autoridades e a autarquia traçaram um plano de mobilidade e segurança para pôr em prática já a partir de sábado. Apesar de não haver registo de qualquer ameaça, a segurança contra actos terroristas será reforçada, divulgou o superintendente-chefe da PSP do Porto, Pereira Lucas, falando de “duas ou três” medidas adicionais, que acompanham a evolução dos modos de actuação de grupos terroristas, não especificando o que está em causa.

"Há algumas ameaças normalmente identificadas para este tipo de eventos, nomeadamente eventos que comportam grandes multidões. Elas foram identificadas. Em termos de Plano de Segurança estão previstas medidas para mitigar as ameaças. A nível global, em termos dos serviços de inteligência, não temos elementos adicionais que nos mereçam alguma preocupação adicional em relação a eventos de anos anteriores, nomeadamente a questão da ameaça terrorista", explicou.

A colocação de torniquetes de revista de pessoas na entrada do epicentro dos festejos, na Avenida dos Aliados, não será uma dessas medidas, admitiu. Tal só acontecerá se as forças policiais encontrarem um “perfil de risco”.

Numa conferência de imprensa de apresentação do plano, Rui Moreira sublinhou que as medidas de segurança foram adaptadas ao crescente número de pessoas que escolhem o Porto para a noite de ano novo. Mas sem exageros. “Hoje temos muito mais pessoas, temos uma exigência maior daquilo que são as infra-estruturas da cidade e temos vindo a fazer essa adequação permanente. Estamos convencidos de que as pessoas, dentro dos riscos inerentes a qualquer evento desta natureza, poderão estar tranquilas”, disse. “A cidade não está habituada a torniquetes, aliás temos um metro que não tem torniquetes", lembrou.

PÚBLICO -
Foto
Haverá reforço da segurança e câmara aconselha população a usar transportes públicos Paulo Pimenta

Já no sábado, dia 29, os Aliados vão receber um concerto de Diogo Piçarra (22h30). No dia seguinte, a Corrida de São Silvestre, que contará com 15 mil pessoas de 37 países, vai condicionar o trânsito, com a zona entre a Trindade, Cordoaria e ruas de Sá da Bandeira e Almada a serem interditadas e algumas áreas envolventes afectadas, também.

A melhor solução para quem quer ir para o centro da cidade serão os transportes públicos, já que os condicionamentos de trânsito serão muitos​. A STCP, a Metro do Porto e a CP verão os seus serviços reforçados para responder à procura e a plataforma MyTáxi vai também associar-se ao plano de mobilidade para a passagem de ano com vários pontos de rebatimento junto aos Aliados.

A autarquia aconselha a utilização de parques mais periféricos (Casa da Música, Campo Alegre e Estádio do Dragão) para quem quiser, ainda assim, usar viatura própria. Nestes locais, mediante a apresentação do título de viagem Andante já validado, o valor a pagar será de 95 cêntimos por 12 horas. 

PÚBLICO -
Aumentar

O palco principal da festa ficará nos Aliados, onde Pedro Abrunhosa dará um concerto depois do fogo-de-artifício lançado à meia-noite. Também na Cordoaria, nos Leões e na Praça dos Poveiros haverá festa.