Insultos racistas valem dois jogos à porta fechada ao Inter de Milão

Internacional senegalês do Nápoles, Kalidou Koulibaly, foi alvo de insultos racistas na partida de quarta-feira.

Foto
Defesa acabaria por ser expulso por protestos Reuters/ALBERTO LINGRIA

Os barulhos de macaco dirigidos a Kalidou Koulibaly, defesa do Nápoles, valeram ao Inter de Milão dois jogos à porta fechada no campeonato italiano, avançam os jornais desportivos italianos La Gazzetta dello Sport e o Corriere dello Sport. Na partida que opôs os napolitanos aos milaneses, o internacional senegalês foi vítima de insultos racistas vindos dos adeptos do Inter. À margem da partida, um adepto da formação de Milão morreu atropelado por uma carrinha, depois de ter estado envolvido em confrontos com adeptos do Nápoles ainda antes do apito inicial. O Inter jogará, ainda, uma partida sem espectadores no segundo anel. 

Apesar dos repetidos pedidos da equipa visitante para o jogo ser interrompido, o árbitro entendeu que o encontro não deveria ser suspenso, decisão que irritou Carlo Ancelotti, treinador dos napolitanos: "Pedimos três vezes que alguma coisa fosse feita, mas a partida continuou. Estão-nos sempre a dizer que o encontro​ pode ser interrompido​, mas quando? Depois de quatro ou cinco avisos? Se calhar temos de resolver o assunto pelas próprias mãos e deixar de jogar na próxima vez que aconteça. Provavelmente vão-nos dar a derrota se sairmos, mas estamos preparados para isso. Ver isto não é bom para o futebol italiano”.

Também o autarca de Milão mostrou desagrado pelos acontecimentos que tiveram lugar na cidade italiana. Giuseppe Sala admitiu estar "envergonhado" com os incidentes da noite de quarta-feira, afirmando que foram "um acto vergonhoso que visou um atleta que tem orgulho na cor da sua pele".

Também Cristiano Ronaldo, jogador da Juventus, saiu em defesa do internacional senegalês, publicando no Instagram uma foto tirada durante uma partida que opôs os dois emblemas. Na legenda, o capitão da selecção nacional escreveu "não ao racismo e a qualquer ofensa e discriminação". 

O próprio Kalidou Koulibaly já tinha recorrido às redes sociais para comentar o caso. No Twitter, após o apito final, mostrou-se orgulhoso das suas origens. “Estou orgulhoso da minha cor de pele. Orgulhoso de ser francês, senegalês, napolitano: um homem”, escreveu na legenda da foto. O jogador do Nápoles receberia o segundo cartão amarelo após ter aplaudido sarcasticamente o árbitro do encontro aos 80'.

Sugerir correcção