Morreu a actriz Manuela Cassola

A actriz faleceu aos 93 anos. Iniciou carreira como cantora lírica, seguiu pelo teatro de Lorca e Ibsen. Nos últimos anos era conhecida pela participação na série televisiva Inspector Max.

Foto
A actriz estreou-se nos palcos em 1961, numa revista de Carnaval levada a cena no Teatro Nacional D. Maria II DR

A actriz Manuela Cassola, que morreu esta quarta-feira, em Portalegre, aos 93 anos, iniciou carreira como cantora lírica, seguiu pelo teatro de Lorca e Ibsen, e ficou conhecida na televisão, aos 80 anos, como criada Justina, na série Inspector Max.

A estreia nos palcos aconteceu em Fevereiro de 1961, quando contava 34 anos, numa revista de Carnaval levada a cena pela companhia Rey Colaço-Robles Monteiro, no Teatro Nacional D. Maria II, segundo a base de dados do Centro de Estudos de Teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Cassola somava anos de formação em canto lírico, com a professora Maria Antónia Palhares, e em teatro, no Conservatório Nacional, curso que a levou ao D. Maria II, onde contracenou com Amélia Rey Colaço e Mariana Rey Monteiro. Seguir-se-iam quatro temporadas como cantora do Teatro Nacional de São Carlos, primeiro no coro, depois com algumas intervenções dramáticas em óperas como Orfeu em Lisboa e Tá mar, de Ruy Coelho. Só depois a entrega ao teatro, numa base regular, primeiro na rádio, com Chambel Dinis e Assis Pacheco, na antiga Emissora Nacional, e, depois, a partir de 1965, com o Teatro Estúdio de Lisboa.

Nesta companhia dirigida por Luzia Maria Martins, Manuela Cassola, ao longo de quase uma década, interpretou autores como Terence Rattigan (Mesas separadas), Jean Anouilh (Pobre Bitô), Thornton Wilder (A nossa Cidade), Jean Giraudoux (A Louca de Chaillot), Fernando Luso Soares (A Outra Morte de Inês) e Václav Havel (O Escritório). A presença nos palcos prosseguiria, numa base mais ou menos regular, até 2011, quando fez O Teatro Cómico, de Carlo Goldoni, com a Companhia de Teatro de Almada.

Trabalhou com o Teatro Popular, de Francisco Ribeiro, em Leonor, Rainha maravilhosamente, de Alice Sampaio, com o Novo Grupo/Teatro Aberto, onde entrou em A Boa Pessoa de Setzuan, de Bertolt Brecht, e em A Dama do Maxim, de Georges Feydeau. No Teatro Ibérico interpretou García Lorca (Bodas de Sangue) e Calderón de la Barca (A Vida é Sonho), entre outros autores.

Regressou ao Nacional D. Maria II em 1987, para fazer Romance de Lobos, de Valle-Inclán, e em 1996, para entrar em O Crime da Aldeia Velha, de Bernardo Santareno. No seu percurso, surgiu ainda a Companhia de Teatro de Almada, com a qual trabalhou ao longo das décadas de 1980/1990, em autores como Gil Vicente (Velho da Horta, Quem Tem Farelos), Garcia Lorca (Dona Rosinha, a Solteira), Fonseca Lobo (As Suplicantes), Jaroslav Hasek (O Valente Soldado Schveik), Almeida Garrett (Viagens na Minha Terra), Calderón de la Barca (O Príncipe Constante), antes da entrega à Companhia Teatral do Chiado, fundada por Mário Viegas, onde surgiu em produções dirigidas pelo actor e por Juvenal Garcês.

Ali trabalhou de 1991 a 2003, em produções como Napoli Milionaria, de Eduardo de Filippo, Uma Comédia às Escuras, de Peter Shaffer, Hedda Gabler e A Casa da Boneca, de Henrik Ibsen. Em 2010, participou em Amor com Amor se Paga (Um Acto Teatral para Mário Viegas), homenagem ao fundador da Companhia Teatral do Chiado, a partir de textos de Anton Tchékhov. Ligações Perigosas, de Cristopher Hampton, sobre o original de Choderlos de Laclos, levou-a ao Teatro da Trindade, em 2003.

Nos Estados Unidos, interpretou a peça Celestina, de Fernando de Rojas, tendo conquistado o prémio de interpretação do Festival El Siglo de Oro, de Teatro Clássico Espanhol, com o Teatro Ibérico. Na televisão, a actriz participou em séries e telenovelas, como Passerelle (1988, RTP), A Banqueira do Povo (1993, RTP), Camilo & Filho (1996, SIC), Jardins Proibidos (2000, TVI) e Super Pai (2001, TVI).

Desempenhou o papel de criada Justina, na série Inspector Max, da TVI, de 2004 a 2006. A telenovela da SIC Rainha das Flores (2016) foi o seu último desempenho, antes de regressar a Portalegre, onde nasceu em 19 de Junho de 1925.