Trump: "Ainda acreditas no Pai Natal? É que aos sete anos já é raro, não?"

Na Casa Branca cumpriu-se a tradição de passar algumas horas da véspera de Natal a atender chamadas de crianças que querem saber onde está o Pai Natal. Mas este ano, Trump teve um deslize.

Fotogaleria
LUSA/JIM LO SCALZO
Fotogaleria
LUSA/JIM LO SCALZO

Como é que Donald Trump passa a véspera de Natal? Ao lado da primeira-dama, Melania, a atender chamadas de crianças que ligam para a Casa Branca para saber onde está o Pai Natal. Mas apesar de estar a falar com crianças, Trump não evitou uma nova gafe.

“Feliz Natal. Como te chamas?” Do outro lado da linha estava Coleman, de sete anos. “Acreditas no Pai Natal?”, pergunta Trump. Depois da reposta, Trump disse: “É que aos sete anos, já é raro [acreditar no Pai Natal], não?”

Todas as crianças que ligaram para aquele número queriam falar com um dos voluntários do NORAD (Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte), que todos os anos cumpre a tradição de "monitorizar" os movimentos do Pai Natal, numa pequena brincadeira festiva. O NORAD prometeu que ia manter a tradição este ano, apesar de a actividade do Governo estar encerrada (o shutdown).

Donald e Melania Trump fazem parte do grupo de 1500 pessoas – todos voluntários – que atendem chamadas de crianças, durante este dia. Para a primeira-dama, ajudar as crianças a localizar o Pai Natal está a "tornar-se numa das suas tradições preferidas”.

Ligar para o NORAD é tradição desde 1955, na sequência de um anúncio falhado dos armazéns Sears, que pedia às crianças que ligassem para um número para saber onde estava o Pai Natal. Um engano num dos números de telefone pôs as crianças a ligar não para a Sears mas para o NORAD.

Quem atendeu foi o coronel Harry Shoup, então à frente do Comando. Ao longo da noite, Shoup e uma equipa do NORAD responderam a centenas de chamadas, dando informação sobre a localização do Pai Natal.

Actualmente, essa informação está disponível para todo o mundo na Internet.