O jogo do teu clube não passa na TV? Talvez esteja na Mycujoo

Empresa portuguesa permite aos clubes de escalões inferiores transmitirem os próprios encontros. Financial Times distinguiu a startup pela inovação e o PÚBLICO chegou à fala com os criadores.

Foto
João e Pedro são os fundadores da empresa DR

A grande maioria dos adeptos de futebol conhece a frustração de não conseguir assistir a uma partida, pelo simples facto de esta não ser transmitida na televisão. A Mycujoo, startup portuguesa sediada na Suíça pretende, exactamente, divulgar os jogos demasiado pequenos para receberem cobertura das grandes cadeias televisivas. A ideia valeu a nomeação da empresa como uma das 100 “campeãs digitais” para o diário económico Financial Times.

Foi a necessidade para encontrar uma solução para o problema que levou Pedro Rodrigues, fundador da empresa, a criar a startup em 2014. “Na altura, o Boavista estava na III Divisão e os jogos não passavam na televisão. Vi aí uma oportunidade”, relembra ao PÚBLICO.

O modelo de negócio é simples: o clube filma a partida, que é transmitida em tempo real na plataforma. As receitas — provenientes da publicidade e acordos comerciais — são, depois, repartidos pelos clubes e parceiros. O primeiro emblema a aderir à Mycujoo foi a equipa feminina do FC Zurique. Os clubes — e federações — foram-se juntando e, actualmente, a plataforma abrange mais de 100 países e junta mais de dois milhões de utilizadores. 

Foto
Hóquei em campo será aposta em 2019 REUTERS

“Ao início foi muito complicado motivar os clubes a juntarem-se. O João e o Pedro tinham de explicar o conceito de live streaming que, em 2014, ainda era relativamente desconhecido”, assume Ricardo Presa Rodrigues, director do escritório em Portugal e irmão dos fundadores da empresa, Pedro e João. Ricardo — que completou o triângulo da família Rodrigues na empresa — explica que a Mycujoo ainda está em processo de crescimento: "Neste momento somos uma startup em fase de scale-up. Trabalhamos com mais de 100 federações e temos 80 trabalhadores nos quatro escritórios. O nosso plano é dobrar esse valor e ficar com perto de 200 trabalhadores". 

“O mercado português é dos maiores”

Os portugueses decidiram olhar para o futebol como uma economia de escala. “Quando olhamos para a pirâmide das principais Ligas, percebemos que estas não eram assim tão representativas e que existiam muitas competições pequenas com espaço para crescer. Os consumidores não precisam que o jogo seja com o Real Madrid para se sentirem atraídos. Se for o conteúdo de uma comunidade que seguem, que lhes é próxima, certamente acharão isso interessante”, explica Pedro Rodrigues.

Enquanto director em Portugal, o irmão, Ricardo, tem, melhor do que ninguém, noção da dimensão do mercado português que, garante ao PÚBLICO, assume um peso fundamental no modelo global da Mycujoo: “O mercado português é um dos maiores, tanto a nível de conteúdos como de utilizadores. Transmitimos jogos de muitos sítios: para ter uma ideia possuímos mais de 200 canais de clubes, para além das associações de futebol regional”.

“Os clubes é que fazem as produções. Somos uma plataforma livre: qualquer pessoa que tenha acesso a um telemóvel pode transmitir jogos”. Para Ricardo, os clubes beneficiam sobremaneira da ligação com a Mycujoo, conseguindo recuperar fãs sem outra forma de visionar os encontros: “Os clubes pequenos conseguiram perceber que ao terem a transmissão vão conseguir atrair patrocinadores, marcas e adeptos”.

“Os adeptos mostram-se agradados”

Vários clubes que percorrem os escalões inferiores aderiram à Mycujoo: um desses emblemas foi o Caldas SC, formação das Caldas da Rainha, que disputa o Campeonato de Portugal. “A ideia de nos associarmos à plataforma partiu de uma proposta da Associação de Futebol de Leiria, que motivou os clubes a começarem a transmitir as partidas”, conta Joaquim Marques, secretário da equipa.

Foto
Plataforma transmite jogos de clubes pequenos e respectivos escalões de formação PAULO PIMENTA / PÚBLICO

O funcionário do clube confirma ao PÚBLICO que o emblema recebeu “formação” na transmissão das partidas e que o equipamento de filmagem foi disponibilizado pela Associação de Futebol. Apesar de não entrar em valores, Joaquim explica como funciona a parceria no que toca a receitas: “O acordo que assinamos permite aos clubes colocar três espaços publicitários na transmissão. Uma pequena receita vai, depois, para a plataforma”. Com 213 vídeos e mais de 31 mil visualizações, o canal do Caldas na Mycujoo é dos mais activos, algo que agrada aos adeptos que não conseguem assistir às partidas in loco: “Os adeptos mostraram agrado. Os que não conseguem vir ao estádio ou estão no estrangeiro mostraram-se felizes por conseguirem acompanhar a equipa”.

20 milhões de utilizadores para 2019

O próximo ano vai ser o nosso boom!”, garante Ricardo Rodrigues. Para 2019, a Mycujoo passará a transmitir conteúdo da Federação Internacional de Hóquei (FIH), com quem assinaram contrato com uma duração de cinco anos. Hóquei em campo será o principal alvo, desporto que conta com cerca de dois mil milhões de adeptos no planeta. A empresa tenciona aumentar os cerca de três milhões de utilizadores para 20, nos próximos 12 meses e continuar com sucesso o percurso iniciado em 2014 pelo boavisteiro Pedro Rodrigues.