Editorial

Trump e Edith

A própria eleição de Trump e o que está a acontecer na Casa Branca inscrevem-se na mesma tradição que levou a América a ter sido um dia comandada por Edith.

Em 1919, o presidente americano Woodrow Wilson teve um AVC. E foi assim que a sua mulher, Edith, passou então a governar o país, o que aconteceu até ao fim do mandato, em 1921. O estado de debilidade do Presidente foi escondido por Edith, embora fosse do conhecimento do núcleo político de Washington, incluindo do vice-presidente, que nunca pôde ocupar o lugar, porque Wilson e Edith nunca deixaram.

Sempre aconteceram coisas estranhas na América. O recente telefonema entre Trump e Erdogan que teve como conclusão a retirada das tropas americanas da Síria — onde o Daesh ainda não está derrotado — é provavelmente mais um episódio de uma linhagem que levou a que há 100 anos o país tenha efectivamente sido governado pela mulher de um presidente incapacitado. Aliás, a própria eleição de Trump e o que está a acontecer na Casa Branca inscrevem-se na mesma tradição que levou a América a ter sido um dia comandada por Edith. “Ok, vou retirar, fiquem vocês com isso”, disse Trump a Erdogan — que lhe pediu que os Estados Unidos saíssem da Síria, mas não estava à espera de tanta prontidão —, segundo o relato publicado tanto na agência Associated Press como no Washington Post.

A decisão de retirada da Síria levou a que o último adulto na sala pedisse a demissão. Jim Mattis entregou a carta de resignação, Trump aceitou-a e elogiou muito o ex-secretário da Defesa. Ontem, finalmente, o Presidente percebeu o alcance das críticas ao seu mandato que o secretário da Defesa demissionário fez e decidiu despedi-lo mais cedo. Mattis tem de sair da Casa Branca já — entre birras, impulsos infantis e um crescente isolamento de tudo, Trump governa os Estados Unidos da América do Norte. Num texto extraordinário ontem publicado no New York Times, escrevia-se que o Presidente passa os dias cada vez mais isolado (considerando-se vítima do seu próprio staff, no qual as baixas se sucedem umas atrás das outras) e ocupa a maior parte do seu tempo na parte residencial da Casa Branca a ver televisão. Não estando na situação de fragilidade física de Woodrow Wilson, Trump é cada vez mais um caso de inadequação grave ao job description a que se candidatou — e foi eleito. Haverá um dia em que a situação se vai colocar formalmente. Afinal, já não estamos no tempo em que Edith podia governar a América sem grande escândalo.