Entre a calma de Beja e a busca de um sonho

Futura doutorada em Ciências Musicais troca a terra onde nasceu por Lisboa, enquanto uma jovem minhota se fixou na cidade alentejana pela qualidade de vida de que passou a desfrutar.

Marina Lima deixou-se cativar por Beja
Fotogaleria
Marina Lima deixou-se cativar por Beja
Fotogaleria

Este é o terceiro de uma série de artigos sobre pessoas que chegaram e saíram de cidades portuguesas durante o ano de 2018. Acompanhe o dossier O que chega e o que vai.

Marina Lima é funcionária forense num escritório de solicitador na cidade de Beja. Nasceu em Póvoa de Lanhoso, há 33 anos, terra que testemunhou a revolução da Maria da Fonte, efeméride que a jovem vinda do Minho realça com orgulho, cerrando os punhos. Quanto a semelhanças entre as duas terras, apenas o facto de ambas terem orgulho no seu castelo medieval. E já agora no foral que D. Manuel I, filho de Beja, atribuiu aos dois concelhos.

Um “acidente de percurso, fruto do acaso” transportou Marina Lima até Beja. Ficou uns tempos para conhecer a cidade com as suas características peculiares e acabou bafejada pela sorte. Conseguiu um emprego que a radica no Alentejo, mas no seu horizonte permanece a vontade de um dia, não sabe quando, poder regressar às suas raízes.  

Chegam uns, partem outros. Isabel Pina tem 26 anos e já não preserva o sotaque cheio de gerúndios. Depois de ter aprendido o bê-à-bá da linguagem das fusas e semifusas, no Conservatório Regional de Música do Baixo Alentejo, rumou a Lisboa para prosseguir o seu percurso académico em Ciências Musicais na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Nova de Lisboa. “Agora, estou afecta à universidade por três anos [até obter o doutoramento]”, assinala. É bolseira, carreira que “infelizmente não é reconhecida e está marcada pela precariedade”. Guarda de Beja, sobretudo, a memória dos amigos de escola, que o sentimento gregário cimentou, ainda mais, quando foi necessário superar o infortúnio de uma colega do secundário com uma doença grave. “A coesão então posta à prova vai manter-se por toda a vida”, acredita Isabel Pina.

A incerteza que marca o seu futuro, para além do percurso académico, leva-a a considerar a possibilidade de partir para outro país, se a oportunidade surgir, apesar de “gostar muito de Lisboa”. Regressar a Beja não está nos seus planos de vida.

A jovem que veio do Minho não aparenta preocupação em relação ao seu futuro profissional na cidade alentejana. Já granjeou amigos no desempenho da sua profissão. “Atende-nos sempre com um sorriso nos lábios”, confessa quem encara a Justiça como um “papão insensível e castigador” e encontra em Marina apenas afabilidade. Outro testemunho realça a “simpatia e o tom de voz que tranquiliza”. Mas ainda lança alguma confusão quando atende uma chamada telefónica. Por vezes, as pessoas julgam ter-se enganado na marcação do número. O sotaque não bate certo. “De certeza que estou a ligar para Beja?” é pergunta que persiste, mas que Marina supera recorrendo ao humor.

De início, tornava-se complicado lidar com as diferenças que há entre a mentalidade nortenha e a alentejana: “Foi um choque, mas habituei-me. Hoje, tenho amigos fantásticos e sinto que estou integrada.”

Também Isabel Pina, que os amigos tratam por “Isa”, não teve problemas de integração. Quando decidiu viver em Lisboa, sabia que podia contar com familiares que residiam na capital, pormenor que ajudou a criar um grupo de amigos. “Com eles convivo, janto, danço e vou a festas e concertos.” Há ainda o grupo de Beja que nas vésperas de Natal se reúne em Lisboa ou na terra natal para fazer o balanço do ano que termina. Chegam de todo o lado. É o Nuno, que vem da Arábia Saudita, onde aprofunda os seus conhecimentos em Matemática, o Gaspar, que dá um salto da Holanda, onde estagia na Agência Espacial Europeia, a Adriana, que frequenta em Londres o mestrado em Física de partículas, o Carlos, que terminou o mestrado em Ciências da Comunicação, e a Teresa, que optou por Engenharia do Ambiente em Lisboa. 

É também no Natal que Marina se reencontra com a família e os amigos em Póvoa de Lanhoso. “Agora está tudo bem, mas no início a família tinha dificuldade em perceber como é que eu tinha optado por trabalhar tão longe.” Hoje reconhecem que Beja “é uma cidade calma, que dá qualidade de vida e onde não se é atormentado pelo stress das cidades grandes.” Mas como o sossego não é tudo, Marina admite que sente a “falta de muita coisa”, sem especificar, para não ferir susceptibilidades.

Beja, que continua a ser terra de partida de alentejanos para a emigração, é, em simultâneo, ponto de chegada para dezenas de milhares de homens e mulheres vindos sobretudo do centro da Europa, da Península do Indostão (Índia, Paquistão e Nepal) e da região subsariana. Vêm substituir a mão-de-obra que a região não disponibiliza por duas razões: o declínio demográfico e a recusa em aceitar relações laborais baseadas no trabalho sem direitos.

A Associação Solidariedade Imigrante tem uma estimativa: na campanha de recolha de azeitona que está a decorrer no Alentejo, sobretudo nos olivais do Alqueva, estarão a trabalhar quase 30 mil imigrantes.