Antes de brilhar em França, Emiliano Sala já marcava golos em Portalegre

O avançado argentino do Nantes e actual melhor marcador da Liga francesa começou a carreira profissional no FC Crato. Por lá, nunca se tinha visto um jogador assim.

Foto
Sala volta hoje a defrontar o PSG Benoit Tessier/Reuters

Natural de Cululú, na região de Santa Fé, Argentina, Emiliano Sala é um dos jogadores em destaque no campeonato francês de futebol. Actualmente a jogar no Nantes, leva 12 golos na Ligue 1, os mesmos do melhor marcador Kylian Mbappé, mais um que Neymar e dois que Edinson Cavani, todos eles atacantes do líder todo-poderoso Paris Saint-Germain. Neste sábado, pelas 20h, os dois emblemas medem forças, na capital.

Curiosamente, Sala não tem registos oficiais de que alguma vez tenha jogado num clube argentino. Quem o confirma é o emblema português Futebol Clube (FC) do Crato, que disputa o campeonato distrital da Associação Futebol de Portalegre. Por lá, o jogador fez apenas um jogo oficial, em 2009, e marcou dois golos, naquele que foi o seu primeiro clube profissional. Tinha 18 anos.
José Curado, na altura motorista e agora presidente do FC Crato, foi buscar Emiliano Sala a conselho de outro José, Correia da Luz, que era o presidente da Câmara. O avançado vivia então na localidade de Ascona, em Málaga, no sul de Espanha. O jogador, lembra o antigo autarca, estava “encostado” enquanto agenciado pelo Proyecto Crescer, uma escola de jogadores sediada em Santa Fé.

Após 500km feitos das 5h até às 20h, José Curado conta ao PÚBLICO que só parou uma vez, ao regressar a Portalegre, para comer “um bifezinho”: “Parei só em Cáceres porque já ia dormente de tantas horas a conduzir”. Sala, que já o esperava em Málaga com uma “malinha”, quando chegou “saltou da carrinha, foi para o balneário, equipou-se e fez um treino espectacular”, desfia. Tinha 18 anos.

PÚBLICO -
Foto
Emiliano Sala contra Ricardo Pereira, quando ainda estava no Nice em 2015/16 Stephane Mahe / REUTERS

Quem treinava o Crato há cerca de nove anos era Luís Leandro, conhecido como “Índio”. Não o surpreende o actual momento de Sala, porque o descreve como “uma máquina”. “Era muito bom fisicamente, na área não dava bolas por perdidas, batia-se muito bem com os centrais”. Dotado de velocidade, “nunca baixava a cabeça, ia a todas, tinha uma finta muito curta e rápida”. Luís recorda o único jogo que Sala fez no FC Crato, num derby local. “Aos 20 minutos tínhamos menos um, por expulsão minha porque era treinador e jogador, e com ele não se notou. Abriu o livro, marcou dois golos e não houve hipótese. Ficámos de boca aberta”.

Uma das vozes da experiência do Crato, o avançado Fábio Martins, também admitiu que nunca tinha actuado ao lado de um jogador como Sala. “Um dos defesas centrais do Ponte de Sôr, com muitos anos disto, tinha de se pôr às cavalitas [de Sala]”. Na época 2009-10, o FC Crato ganhou todas as competições nas quais estava inserido. Emiliano Sala só surgiu numa partida oficial. Se tivesse jogado a época toda, “teria sido uma grande ajuda”, aponta Martins. “Quem percebesse algo de futebol, ia perceber que ele ia dar grande jogador, com 19 anos”, acrescenta.

FC Crato reclama direitos de formação

Entre treinos e um jogo oficial pelo FC Crato, Sala deixou Portalegre dois meses após a chegada. O campeonato da AF Portalegre ia fazer uma pausa no Inverno e o avançado viajou para a Argentina. “Tinha um amigo argentino cá. Fez aqui um grande jogo, mas na semana a seguir disse que tinha uma namorada e ia ter com ela. Mas depois não voltou”, descreveu o ex-técnico Luís Leandro.

José Curado explica, porém, que o FC Crato pediu o certificado internacional à federação argentina — “custou caríssimo”. “Temos aqui o cartão dele quando o inscrevemos na AF Portalegre. Não regressou e entretanto foi para França. É aquilo que se vê agora, uma máquina”, reconhece. “Gostámos muito de tê-lo cá, mas sacou o visto e foi-se embora”, confessam alguns dos membros da estrutura do Crato com quem o PÚBLICO falou.

O clube, com o apoio da Câmara Municipal, recrutava na altura alguns jogadores brasileiros e argentinos. "Acho que nos especializámos em fazer certificados com a nossa humildade de clube pequeno", revela José Correia da Luz, que lembra como alguns desses estrangeiros falavam do amigo Sala. "Num jogo contra o Portimonense, para a Taça de Portugal, estávamos a ganhar 2-1 e acabámos por perder 2-3 porque um outro avançado argentino se lesionou. No final, ele suplicou para ir buscar o Sala, que estava em Espanha sem poder jogar, mas era muito bom. Consegui contactar o Julio Cesar Di Meola [presidente do Proyecto Crecer] e trouxemos esse rapaz encantador e algo tímido", conta o ex-autarca.

Sobre os motivos da saída do avançado, Correia da Luz, que após as eleições de 2008 deixou a Câmara Municipal do Crato, apresenta uma versão distinta. "Não continuou no clube porque deixou de se rever no projecto. Os meus sucessores não entenderam que se devia ter continuado a investir no futebol na região. O Crato perdeu apoios. Ao resto, eu sou alheio", rematou.

Sala mudou-se mesmo para França em 2010, para a equipa B do Bordéus. Fez ainda alguns jogos pela equipa principal na época seguinte, mas em 2012-13 foi emprestado ao Orléans, da III divisão, apontando 19 golos. Depois, em 2014, novo empréstimo, mas para o Chamois Niortais, da Ligue 2, na qual facturou os mesmos 19 golos. De volta ao clube de origem em 2014-15, foi cedido em Janeiro ao Caen, pelo qual apontou cinco golos, já na I Liga. É nessa altura que o Nantes o contrata e Sala começa a ganhar preponderância no plantel em 2016, com Sérgio Conceição no comando técnico.

O FC Crato, por ter acolhido Sala ainda com 18 anos, exige receber as verbas decorrentes dos direitos de formação, no seguimento das transferências do avançado, mas lamenta a falta de ajuda da Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Num documento a que o PÚBLICO tivesse acesso, pode ler-se que a FPF aconselha o clube a consultar a “congénere francesa”. “Como é que um clube como o Crato consegue ter influência na federação francesa?”, questionou o actual treinador e vice-presidente do emblema portalegrense, Tiago Botelho.

“Se fosse um clube maior… Nós sobrevivemos e vivemos destas situações. Abro um jornal a dizer que o Benfica vai buscar milhões por um jogador que nem jogava, o Sporting também, até pelo Ronaldo recebeu qualquer coisa. Há mais casos como este, de certeza”, desabafa o presidente José Curado, que não deixa de abordar o tema com uma nota de humor. "Podia receber alguma coisa pelos quilómetros que fiz”, atira, entre gargalhadas.