Editorial

Bom Natal e muitas novidades do PÚBLICO para 2019

Ano novo é vida nova e preparámos para 2019 uma série de novidades e de iniciativas que pretendem reforçar os laços que mantemos com os nossos leitores

A imprensa vive dias difíceis, todos o sabemos, mas, apesar de tantos constrangimentos, 2018 foi um ano bom para nós. Para o PÚBLICO e para os seus leitores. Contrariando a tendência nacional e internacional, aumentámos a circulação da nossa edição impressa. E no segundo semestre registámos um significativo crescimento do número de visitas e de páginas visitadas na edição online, fazendo com que o site do Público esteja hoje no segundo lugar no indicador Bareme da Marktest.

Não queremos, no entanto, ficar por aqui. Ano novo é vida nova e preparámos para 2019 uma série de novidades e de iniciativas que pretendem reforçar os laços que mantemos com os nossos leitores e, ao mesmo tempo, abrir as portas a todos os que procuram informação de qualidade.

Como sabemos que o espaço de opinião é de primordial importância para quem nos lê, vamos reformular a edição impressa para trazermos essas páginas para uma zona mais nobre do jornal. E queremos diversificar a oferta de opinião relevante com novos colunistas. António Barreto, Luis Aguiar-Conraria, Nuno Severiano Teixeira, Paula Teixeira da Cruz e Vasco Pulido Valente passarão a escrever no Público a partir de Janeiro próximo. 

Como sabemos que o jornalismo se reforça com abertura e transparência, vamos criar um Conselho de Leitores para certificar os nossos processos e de escrutinar a profundidade, relevância, isenção e pluralismo da nossa informação. Como sabemos que, nesta era da pós-verdade e das fake news, é fundamental promover a leitura crítica dos jornais, vamos recuperar o Projecto Público na Escola, em parceria com o Ministério da Educação. Acreditamos que é junto dos jovens que se promove um espaço de reflexão e de cidadania resistente à manipulação e à desinformação.

Como sabemos que o futuro do jornalismo se faz cada vez mais na internet, vamos reforçar a nossa edição online, porque é aí que podemos aumentar o número de assinantes, condição fundamental para garantir a sustentabilidade do PÚBLICO no futuro. Esta prioridade, porém, não implica a desvalorização da importância que o jornal impresso tem para nós e para os nossos leitores. O PÚBLICO é e continuará a ser um jornal multiplataforma.

Todas estas apostas têm na sua definição e na sua essência um objectivo primordial: reforçar os laços com os nossos leitores e consolidar o PÚBLICO como a marca de referência do jornalismo de qualidade em Portugal.

Em nome dos que fazem diariamente o seu jornal, queria desejar a todos Boas Festas e um Ano Novo cheio de tudo o que desejam e merecem.