Governo defende gestos políticos para “abrir caminho à saída do conflito” na Catalunha

Oposição de direita acusa Sánchez de “traição”. Um dia depois do encontro com o líder da Generalitat onde se prometeu “diálogo”, Conselho de Ministros decorreu no meio de acesos protestos em Barcelona.

Foto
Foto de família no final do Conselho de Ministros realizado em Barcelona Sergio Perez/Reuters

Nem o comunicado conjunto que saiu do encontro entre o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, e o presidente do governo catalão, o independentista Quim Torra, foi suficiente para diminuir os protestos previstos para esta sexta-feira, dia em que o executivo socialista se reuniu em Barcelona e aproveitou para votar medidas dirigidas à Catalunha – desde o investimento em estradas às mais simbólicas decisões de passar a chamar Josep Tarradellas Barcelona-El Pratt ao aeroporto da cidade e condenar o conselho de guerra que sentenciou à morte Lluis Companys.

Aliás, a porta-voz da Generalitat, Elsa Artadi, fidelíssima a Carles Puigdemont (o president deposto em Outubro de 2017 e desde então a viver na Europa para evitar a prisão), fez questão de comentar o que saiu do Conselho de Ministros (o segundo fora de Madrid, depois do que se realizou na Andaluzia), minimizando os anúncios como “menores” e “medidas estéticas”. Para isto, disse, o govern “não entende a necessidade de celebrar uma reunião do Conselho em Barcelona”.

Com a mudança de nome do aeroporto, Madrid reconhece aquele que foi presidente da Catalunha no exílio entre 1954 e 1977, e depois da Generalitat provisória, até 1980. Companys, outro presidente catalão, foi condenado à morte pelo franquismo, em 1940 – a anulação do conselho de guerra e a restituição da sua “dignidade” responde a um pedido da família.

Artadi criticou ainda que a mudança de nome do aeroporto se tenha feito “de forma unilateral”, sublinhando que “o aeroporto tem desafios e problemas que não têm nada a ver com o nome” e lembrando que a Generalitat quer poder assumir a sua gestão para que este se possa tornar num “hub [centro] internacional”.

Quanto aos 112 milhões de euros de investimentos em infra-estruturas rodoviárias em quatro províncias catalãs, o govern recorda que “já se tinham anunciado várias vezes” – o mesmo admitiu a porta-voz do executivo espanhol, Isabel Celaá, mas para notar que o que que noutra altura foram promessas, este Governo “está a materializar”. Para Celaá, os gestos do Governo de Madrid visam promover um diálogo que permita “abrir caminho à saída do conflito” na Catalunha.

Os protestos em várias zonas da cidade e junto à Llotja de Mar, o edifício perto do porto que é sede da Câmara de Comércio de Barcelona, onde se celebrou o Conselho de Ministros, deixaram 52 feridos sem gravidade e levaram à detenção de 12 pessoas.

PÚBLICO -
Foto
Protesto contra a reunião do Governo de Sánchez em Barcelona Albert Gea/Reuters

As distâncias impostas esta sexta-feira por Artadi – a que se somam as declarações dos partidos independentistas ERC (Esquerda Republicana da Catalunha) e PDeCAT (de Puigdemont), avisando que continuam à espera de mais para avaliar se aprovam o Orçamento para 2019 (depois de votarem a seu lado para subir o limite do défice) – não invalidam nem a conversa da véspera entre Torra e Sánchez no Palácio de Pedralbes (a segunda desde que ambos assumiram o poder, mais ou menos na mesma altura) nem o facto de terem conseguido concordar num comunicado conjunto.

Uma nova etapa?

No texto, ambos reconhecem a existência de “um conflito sobre o futuro da Catalunha” e afirmam que, apesar de terem “diferenças importantes” sobre “a origem, natureza ou vias de resolução” desse conflito, estão empenhados “em apostar num diálogo efectivo que conduza a uma proposta política que conte com um amplo apoio na sociedade catalã”. Por isso, acrescenta-se, “devem continuar a promover-se os espaços de diálogo que permitam responder às necessidades da sociedade e avançar numa resposta democrática às reivindicações dos cidadãos da Catalunha, no quadro da segurança jurídica”.

Em concreto, ficou decidido que os dois governos voltarão a encontrar-se em Janeiro – altura em que Sánchez estará a tentar fazer aprovar o Orçamento e a Catalunha voltará a sair à rua com o começo dos julgamentos dos líderes independentistas acusados por “rebelião” e “desvio de fundos”. Pouco para uns, tanto para outros: para o líder do PP e chefe da oposição, Pablo Casado, por exemplo, Sánchez “cedeu perante os que querem sequestrar Espanha sequestrando a Catalunha” e cometeu "um acto de traição a Espanha".

PÚBLICO -
Foto
A foto depois do encontro, com Sánchez e Torra estão os vices de ambos, Carmen Calvo e Pere Aragonès Albert Gea/Reuters

Num jantar organizado pela associação patronal da região, Sánchez defendeu que cabe “a todos abrir uma nova etapa, uma etapa em que o confronto dê lugar ao entendimento”. Perante Torra, também pediu autocrítica: “Todos devemos aprender com os nossos erros”. Já o presidente da Generalitat agradeceu ao primeiro-ministro “que tenha querido escutar o govern da Catalunha”, sublinhando que “na essência” do comunicado conjunto está o acordo para procurar “uma resposta democrática” às "exigências catalãs”.