"Coletes amarelos" portugueses querem "amplificar descontentamento" da população, diz porta-voz

Organização dos protestos agendados para sexta-feira reforçam o objectivo de diminuir preços, mas garantem manifestação "pacífica".

Imagem dos recentes protestos dos "coletes amarelos" em França
Foto
Imagem dos recentes protestos dos "coletes amarelos" em França Reuters/STEPHANE MAHE

A porta-voz do Movimento Coletes Amarelos Portugal (MCAP), Ana Vieira, disse esta quarta-feira esperar o máximo de pessoas possível no protesto nacional marcado para esta sexta-feira, de modo a "amplificar o descontentamento" que considera existir entre a população.

"Queremos juntar todas as vozes portuguesas. O que nós pretendemos com a nossa página é juntar o máximo de pessoas possível, para que todas tenham a sua voz. Amplificar o descontentamento da população que é real", referiu Ana Vieira, em declarações à agência Lusa.

Ana Vieira explicou que o objectivo principal do protesto é fazer com que os cidadãos portugueses sejam ouvidos pelos governantes, relatando que o MCAP ainda não foi contactado por qualquer membro do Governo.

A declaração da porta-voz surge após uma actualização do manifesto divulgado na manhã desta terça-feira, em que foram retirados os dados quantitativos das reivindicações, como o aumento do salário mínimo, uma decisão que, segundo Ana Vieira, foi tomada por unanimidade dos membros do movimento.

De momento, vários movimentos estão a convocar os cidadãos através da redes sociais para saírem à rua em vários pontos do país na próxima sexta-feira, tentando imitar o movimento dos "coletes amarelos" de França, mas sem violência. "As nossas intenções é que tudo corra pacificamente e harmoniosamente. Vamos fazer de tudo para preservar essa intenção", contou.

Ana Vieira disse ainda que o Movimento Coletes Amarelos Portugal pretende fazer uma marcha entre o Marquês de Pombal e a Assembleia da República, em Lisboa, além das outras manifestações promovidas nas redes sociais. "A concentração no Marquês de Pombal está marcada para às 7h. A intenção é iniciar o passeio às 15h, para dar tempo às pessoas que vêm de fora", disse.

No manifesto, o grupo propõe uma redução de impostos na electricidade, com incidência nas taxas de audiovisual e emissão de dióxido de carbono, uma diminuição do IVA e do IRC para as micro e pequenas empresas, bem como o fim do imposto sobre produtos petrolíferos e redução para metade do IVA sobre combustíveis.

Não tolerando qualquer acto de violência ou vandalismo, o movimento, que se intitula como "pacífico e apartidário", defende também o combate contra a corrupção. A lista de reivindicações termina com a reforma do Serviço Nacional de Saúde, a revitalização dos sectores primário e secundário e o direito à habitação e fim da crise imobiliária.

Os apelos aos protestos começaram a ser feitos por cidadãos anónimos da zona Oeste do país nas redes sociais, principalmente no Facebook, há cerca de três semanas.

Na terça-feira, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sublinhou que "a situação em Portugal é diferente da situação em França". Aquele país, vincou, "teve sempre revoluções sangrentas". "Portugal teve uma Revolução dos Cravos", contrapôs. "Portanto, em Portugal, sabemos compreender que as razões de queixa e indignação e protesto devem ser expressas pacificamente".

"Uma coisa é a manifestação pacífica, que é timbre de Portugal, outra coisa é a violência que assistimos noutros países", acrescentou.

No início da semana, a GNR e PSP disseram à Lusa que estão a acompanhar o processo através de recolha de informação no terreno, pelas redes sociais e com os promotores das iniciativas para ter pessoal operacional caso seja necessário.