Ministério Público investiga queda de helicóptero de emergência

Inquérito foi aberto pelo Departamento de Investigação e Acção Penal do Porto.

Fotogaleria
Um popular exibe uma peça do helicóptero, depois de violar o perímetro de segurança Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

O Ministério Público já abriu um inquérito para investigar a queda de um helicóptero de emergência médica, em Valongo, no sábado passado, um acidente que vitimou as quatro pessoas que seguiam a bordo da aeronave. 

"Foi instaurado um inquérito para apurar as circunstâncias que rodearam a ocorrência. As investigações são dirigidas pelo Ministério Público do Departamento de Investigação e Acção Penal do Porto", respondeu a Procuradoria-Geral da República a uma pergunta do PÚBLICO.

A abertura de um inquérito-crime é habitual sempre que ocorre uma morte violenta e visa despistar a existência de qualquer tipo de ilícito penal associado a essa morte. Para esta investigação serão relevantes os relatórios das autópsias aos corpos dos dois pilotos, do médico e da enfermeira que seguiam na aeronave e que devem ter sido realizados esta segunda-feira na delegação Norte do Instituto Nacional de Medicina Legal, no Porto.

Igualmente importantes serão as conclusões do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e Acidentes Ferroviários (GPIAAF) que numa avaliação preliminar dos destroços adiantou que "a queda da aeronave aconteceu na sequência da colisão com uma antena emissora existente na zona". Numa nota, divulgada este domingo, o GPIAAF afirma que essa colisão pode ter origem "em diversas causas" e que só após reunir toda a informação tal será devidamente esclarecido.