“Quem escolhe as notícias é o jornalista, não é o público das redes sociais”

Miguel Sousa Tavares passou a ser o editor por um dia, todas as semanas, do Jornal das 8 da TVI. Um noticiário à sua medida, onde escolhe as notícias e o seu enquadramento e depois as comenta. Fomos espreitar uma segunda-feira típica em Queluz de Baixo.

Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS

“Jornal das 8 de segunda-feira. Apresentação de Pedro Pinto; edição e comentários de Miguel Sousa Tavares”, diz a voz off no início da emissão quando o relógio digital na régie marca 19h57m07s. As diferenças entre o noticiário principal da TVI de segunda-feira e das outras noites começam aqui: o nome do responsável pela escolha e alinhamento das notícias é anunciado, existe um comentador em estúdio para as notícias que ele também escolheu, há menos peças no noticiário e mais análise. É um jornal “de autor”, diz-se na direcção de Informação; é um jornal “editorializado”, prefere Miguel Sousa Tavares que há dois meses voltou a ser jornalista encartado para o poder editar, recuperando a carteira profissional que entregara há 18 anos, quando deixou a revista Grande Reportagem.

Na mesa do estúdio que parece um boomerang, separados da redacção por paredes de vidro, estão o jornalista Pedro Pinto ao centro, Miguel Sousa Tavares à sua esquerda e o antigo ministro Armando Vara, à direita. A partir do dia seguinte, Vara pode ser preso para cumprir a pena de cinco anos de prisão por crimes de tráfico de influência no Face Oculta. O tema é a aposta da TVI para bater a concorrência e vai colocar a entrevista em cima do comentário da “Procuradora” Manuela Moura Guedes no Jornal da Noite da SIC.

Depois de uma peça de resumo, Vara responde por 30 segundos à pergunta de Pedro Pinto se está preparado para ser preso. Um rebuçado para que os espectadores não fujam, mas só o voltarão a ver 50 minutos depois. O suficiente para que na SIC soem alarmes e haja conversa por SMS entre as chefias da Informação. De Carnaxide avisa-se que vão “picar” as declarações de Vara e elogia-se a “boa malha” do dia da TVI. Tão boa que depois de Vara atacar o juiz Carlos Alexandre, a entrevista é esticada para o 21ª Hora, na TVI24, contra a vontade de Sousa Tavares que no final haveria de sair do estúdio desagradado.

Mas até lá, na régie controlam-se os alinhamentos do Jornal de Noite (SIC) e do Telejornal (RTP1). Sousa Tavares alarga-se nos comentários sobre as greves e o pagamento antecipado ao FMI e a chefe de redacção faz contas às peças que vai apagando do alinhamento no ecrã do computador - Khashoggi e o cientista chinês que desapareceu, o digest de notícias do dia. É o seu jornal e Sousa Tavares não aprecia que o pressionem com o tempo, gosta de desenvolver o raciocínio, anotado em folhas brancas A4 escritas à mão. Na reunião da manhã abrira os olhos de susto aos 19 minutos da reportagem de Judite de Sousa sobre uma das famílias dos jovens mortos no Meco. Uma eternidade em televisão e, no estúdio, não resiste a roer as unhas durante a emissão da peça. Entretanto, a reportagem da SIC é muito mais curta e a “Procuradora” entra no Jornal da Noite. “Epá, vai ser o Vara em cima da Manela…”, ouve-se na régie. Isso não é grande problema, “qualquer coisa ganha à procuradora”, desvalorizara Sousa Tavares, várias vezes, na reunião da manhã.

É isto a guerra de audiências? Para o espectador será decerto, e para quem faz televisão também. O director de Informação da TVI Sérgio Figueiredo diz que Sousa Tavares “não gosta de perder nem a berlindes”, e este admite que lhe dá um gosto especial tomar o pequeno-almoço à terça-feira já a saber os números da noite anterior. E sobretudo que venceu à SIC, como voltou a acontecer nesta segunda-feira, dia 10. Do departamento de audimetria e estudos de mercado saem os dados ao minuto da véspera que a direcção de Informação da TVI analisa sabendo o que estava no ar. É isso que lhe permite saber que uma fatia dos espectadores tende a fugir da SIC quando Moura Guedes entra em cena e que têm que ter um conteúdo que agarre quem anda no zapping.

Voltemos aos números: em 11 semanas, desde que se estreou no horário nobre das segundas-feiras, o jornal de Miguel Sousa Tavares (MST) ganhou nove vezes à SIC. Este dia, a par do domingo, são os mais fortes em espectadores nos três canais generalistas. Há uma folha com gráficos amarelos que circula nas mesas da direcção e que compara o número de noticiários que cada canal já ganhou este ano por comparação com 2017. A TVI continua na frente com 286 até anteontem, e é já certo que não conseguirá os 322 do ano passado; seguida ao longe pela SIC com 47. O problema em Queluz é que a concorrente de Carnaxide está a ganhar mais desde Outubro – Novembro, por exemplo, fechou com 17 a 12 com vantagem da TVI. Carlos Barata, director de audimetria admite que o programa de acesso ao horário nobre da TVI – o concurso apresentado por Cristina Ferreira que já estava gravado - está “mais frágil”, numa hora a que a SIC coloca o reality show dos casamentos. Apostado na sazonalidade do maior consumo de Inverno, é até meados de Abril (assim a chuva deixe) que se vai ver quem ganha a batalha das 20h.

Tentar fazer diferente

Na segunda-feira passada, quando o PÚBLICO acompanhou o dia de Sousa Tavares, este voltou a ganhar por 50 mil espectadores, uma diferença pequena quando se trata de uma fasquia superior a um milhão de pessoas (1,084). “Sabe o que me dá mais gozo nestes dois meses? Que o jornal da SIC esteja muito melhor…” Sobre Moura Guedes, não se sente seu “concorrente”.

O que o fez então sair da sua zona de conforto? “Uma tentativa de fazer diferente, embora já nada haja por inventar”, diz ao PÚBLICO, sobre o novo desafio com um contrato de dois anos. “Pelo menos tentar fazer um jornal que eu gostasse de ver enquanto espectador, com os meios, os espectadores e as notícias que temos.”

A ideia de um jornal editorializado foi apresentada à SIC há anos, mas ficou sem resposta, conta Sousa Tavares. “A grande aposta é que o editor do noticiário, quem escolhe as notícias, é o jornalista, não é o público. E sobretudo não é o público das redes sociais. No dia em que isso acontecer definitivamente - e já está a acontecer em grande parte - o jornalista demitiu-se e o jornalismo está morto. Deixou de haver intermediário.” Irrita-o a referência de que algo “se tornou viral nas redes sociais”. “São elas como fonte de informação, quando devia ser ao contrário.”

“Nós não vamos dar as notícias que o público quer, mas o que entendemos que lhe devemos dar”, insiste. Para logo a seguir admitir que bateu de frente na parede no dia da derrocada em Borba: deu apenas sete minutos ao tema, um curto directo enquanto a SIC esteve em directo 35 minutos. “Foi o primeiro jornal que me ganhou. No dia seguinte a SIC abriu com 49 minutos, com directos repetitivos, sem notícia. Eu não quero fazer isso.” Mas não ficou provado que é isso que o público quer? Os directos são uma forma barata de fazer TV, “mas isso não é fazer jornalismo, é ter o ecrã ocupado”, argumenta. “É puro voyeurismo, é como quando vêem programas com pessoas fechadas numa casa.”

Sérgio Figueiredo diz que MST “ajuda a ver o outro lado da notícia” e as experiências de segunda-feira “servem de inspiração para tentar mudar a estrutura dos outros jornais da TVI”, que vem do tempo em que não havia alertas de última hora nos telefones e onlines tão activos nos jornais em papel.

A rotina para o noticiário de Sousa Tavares começa a meio da semana anterior: há que pensar em reportagens ou abordagens diferentes de assuntos que previsivelmente vão estar na actualidade no início da semana. Na segunda-feira, o jornalista chega à TVI pelas 10h, reúne com a equipa uma hora depois – na sala com mesas dispostas em quadrado estão Sérgio Figueiredo e António Prata (director e director-adjunto de Informação), Pedro Pinto, Constança Cunha e Sá, a chefe de redacção Maria João Figueiredo, os editores de Política e Economia Paula Costa Simões e Vasco Rosendo, o responsável pelo grafismo David Pinto e a jornalista de Desporto Cláudia Lopes. Os directores e Sousa Tavares estão de costas para os quatro ecrãs que emitem a TVI24, a SIC Notícias e a TVI.

“Quero os números da greve; quero saber o que está em causa”, pede Sousa Tavares sobre a catadupa de paralisações; diz que quer também uma peça a explicar as diferenças entre bombeiros voluntários e sapadores – “quando oiço o Marta Soares dizer que quer autonomia orçamental eu saco logo da pistola”, diz o jornalista, para justificar o comentário que quer fazer no alinhamento sobre o braço-de-ferro entre os bombeiros e o Governo.

Na lista segue-se uma discussão sobre o que dizer de novo sobre os carros da Autoeuropa que não podem embarcar por causa do boqueio em Setúbal. Depois, Armando Vara. É preciso dar Macron, que fala às 19h, e não se pode falhar May e o Brexit, a “bomba da semana”. E a conferência de Mário Centeno sobre o FMI, “vamos lá”, decide MST. E para fechar? A final da Taça dos Libertadores, no dia anterior, em Madrid. Que vale pena pela confusão: “Temos cenas de pancadaria? São boas? Podemos pôr um tango por cima?”, quer saber o editor.

Falta o principal: “Vamos abrir com quê?” Sousa Tavares insiste em Vara. Isso é uma falsa abertura, dizem-lhe – ou seja, não é com uma notícia. “É o símbolo da corrupção e da vigarice, está o país a dizer, vai para a cadeia amanhã e não vale uma abertura???” Valeu a abertura e a batalha das audiências nesse dia.