Aldeia Natal de Cabeça está ainda mais amiga do ambiente

A preocupação com a pegada ecológica aparece mais vincada na edição deste ano. Visitantes são desafiados a entrar no espírito de sustentabilidade desta festa de montanha, que arranca este sábado.

Fotogaleria
Nos últimos dias, os habitantes de Cabeça finalizaram as decorações para a festa que arranca este sábado Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
, Adriano Miranda,Adriano Miranda
Fotogaleria
Cabeça é uma aldeia onde vivem cerca de 170 pessoas Adriano Miranda

Na aldeia de Cabeça, concelho de Seia, a decoração de Natal é feita, única e exclusivamente, a partir de materiais 100% naturais - na sua grande maioria resultantes de limpezas e desbastes florestais. As estrelas, por exemplo, são feitas a partir de cana de milho e as bolas são moldadas com folhas de fetos. Neste recanto da serra da Estrela, a festa de Natal pretende ser o mais ecológica possível – além de genuína – e, nesta que é já a sexta edição, a organização convida todos os visitantes a seguirem esse exemplo. A partir deste sábado e até dia 6 de Janeiro, todos os caminhos vão dar à Aldeia Natal de Cabeça, com o mínimo de carros possível – há um convite à partilha de carro – e outras preocupações ambientais.

“Os nossos visitantes são pessoas muito conectadas com este conceito e percebem que a essência da Aldeia Natal passa, precisamente, por esse respeito pelo meio ambiente”, destaca Célia Gonçalves, da Associação de Desenvolvimento Integrado da Rede Aldeias de Montanha (ADIRAM), uma das entidades promotoras do evento de animação natalícia. Outros dos conselhos já deixado aos visitantes passa por transportarem, na medida do possível, o lixo que produzirem na visita à Aldeia Natal para o ecoponto urbano mais próximo. Tudo para evitar que a pequena aldeia de Cabeça, onde o serviço de recolha de resíduos está ajustado a um número de habitantes reduzido, fique com as suas papeleiras atulhadas de lixo.

A par da sustentabilidade, outra das grandes particularidades desta festa de aldeia de montanha reside no facto de ela resultar do esforço e trabalho de cada um dos cerca de 170 habitantes de Cabeça. “São eles que concebem cada elemento, cada detalhe da Aldeia Natal com as suas próprias mãos. Aqui, não há uma empresa a organizar a festa, são os próprios habitantes”, realça ainda Célia Gonçalves, a propósito do evento que se apresenta como “uma festa genuína, pelas mãos de gente genuína” - sem lugar para o Pai Natal e outras propostas importadas.

Foto
Adriano Miranda

Festa rija até dia 6 de Janeiro

O programa da edição deste ano volta a apostar num conjunto variado de actividades de animação: concertos, exibição de documentários, passeios e um mercado de Natal estão entre as propostas. Na noite de Consoada, por exemplo, irá cumprir-se a tradição da Fogueira de Natal (18h30), e, no dia 31, há festa de Passagem de Ano Tradicional na Aldeia (22h30).

Previstas estão, também, algumas oficinas gastronómicas: haverá uma dedicada à confecção de pão no forno comunitário da aldeia (dias 16 e 23), outra centrada no Queijo Serra da Estrela (dia 28) e uma para ensinar a cozinhar sonhos de Ano Novo (dia 29, com o chef António Batista).

O mercado de Natal da aldeia funciona, todos os dias, entre as 14 e as 20h, e a iluminação é ligada, diariamente, às 17h. Nos dias 16, 23 e 31 de Dezembro e 1, 5 e 6 de Janeiro haverá sempre um presépio vivo (15h) e no dia 22 (14h15) um dos destaques do programa residirá numa acção de reflorestação.