Em greve de fome há 14 dias, independentista catalão Jordi Turull foi internado

Jordi Turull foi transferido para a enfermaria da prisão Lledoners. Os serviços prisionais dizem que o estado de saúde do deputado do partido Juntos pela Catalunha está a agravar-se.

Foto
Jordi Turull está em prisão preventiva desde Março SUSANA VERA/Reuters

Jordi Turull é um dos deputados do partido Juntos pela Catalunha que está em greve de fome desde dia 1 de Dezembro. O deputado independentista, que já fez parte da Generalitat (o governo autonómico), foi transferido nesta sexta-feira para a enfermaria da prisão Lledoners, onde está em prisão preventiva desde Março. 

Os serviços prisionais, diz o jornal El País, dizem que a decisão foi tomada devido ao deterioramento do estado de saúde de Turull.

Jaume Padrós, presidente do Colégio Oficial de Médicos da Catalunha (equivalente à Ordem dos Médicos) e médico dos presos independentistas, alertou no Twitter que “apesar de estável, o tempo decorrido e a situação individual" tornaram "aconselhável" a transferência para a enfermaria do centro penitenciário”. 

Além de Jordi Turull, Jordi Sànchez, deputado do partido Juntos por Catalunha e ex-presidente da Assembleia Nacional Catalã (ANC), está também há duas semanas em greve de fome. Os deputados independentistas catalães presos criticam os tribunais por bloquearem sistematicamente os seus recursos, impedindo que sigam para o Tribunal Europeu de Direitos Humanos, em Estrasburgo.

Esta forma de protesto foi impulsionado pela ANC. A presidente, Elisenda Paluzie, pediu a Sànchez que iniciasse a greve de fome para reforçar a denúncia contra os tribunais. Jordi Turull juntou-se, ao contrário dos restantes presos políticos em  Lledoners – Oriol Junqueras, Quim Forn, Jordi Cuixart, Jesep Rull e Raül Romeva. A greve de fome teve também o aval de Carles Puigdemont, ex-presidente da Generalitat, que está auto-exilado na Bélgica.

A situação dos independentistas em greve de fome está a preocupar o Supremo Tribunal, que levantou a possibilidade de os transferir para Madrid.

Jordi Turull está preso desde Março pelo seu envolvimento no processo independentista na Catalunha e na organização do referendo soberanista de 1 de Outubro de 2017.