Ferido grave enviado de Lisboa para Gaia por avaria. Levou 13 horas a ser atendido

Homem tinha trauma grave numa mão que necessitava de cirurgia. Entrou no S. José às 18h de quarta-feira e só foi admitido no bloco operatório de Gaia já depois das 7h desta quinta-feira.

Foto
Paulo Pimenta/Arquivo

Um doente com uma lesão grave numa mão, resultado de um acidente de trabalho com uma rebarbadora, foi enviado do hospital S. José, Lisboa, para Gaia por avaria de um microscópio e por indisponibilidade de outros dois hospitais na capital. Foram precisas 13 horas até conseguir entrar no bloco operatório. O Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, que integra o S. José, anunciou que vai comprar um microscópio.

Segundo documentos a que a agência Lusa teve acesso, o caso aconteceu na quarta-feira com um homem de 38 anos, com um trauma grave na mão direita que necessitava de cirurgia.

O homem foi enviado do hospital de Setúbal para o hospital de São José, onde deu entrada cerca das 18h.

A equipa de cirurgia plástica e reconstrutiva considerou que "dada a avaria do microscópio CPR e necessidade de meios de grande ampliação para sucesso cirúrgico" não existiu "capacidade para intervenção" no hospital S. José, "à semelhança [do que aconteceu] desta semana e semanas anteriores".

De acordo com os documentos a que a Lusa teve acesso, o caso foi discutido com o chefe de equipa de urgência e com a direcção clínica e foi decidida a transferência do doente "para outra instituição com capacidade para a intervenção".

O hospital de S. José tentou transferir o doente para o hospital de Santa Maria (Centro Hospitalar Lisboa Norte), que recusou. Depois, foi feita nova tentativa para o Centro Hospitalar Lisboa Ocidental (hospital S. Francisco Xavier), mas esta unidade tinha uma intervenção a decorrer e não pôde também receber o doente.

Pelas 21h, três horas depois de ter dado entrada em S. José, o serviço de cirurgia plástica e reconstrutiva de Vila Nova de Gaia aceitou receber o doente.

O processo do doente indica que a alta foi decidida às 22h35, ou seja, quatro horas depois de ter dado entrada no S. José, tendo sido determinada a sua transferência para Gaia.

Um profissional de saúde do hospital de Vila Nova de Gaia disse à Lusa que o doente acabou por entrar no bloco operatório em Gaia já depois das 7h desta quinta-feira.

Hospital compra novo microscópio

Já ao final da tarde desta quinta-feira, o Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central anunciou que deu indicações para a compra de um microscópio cirúrgico.

Questionado pela agência Lusa, o conselho de administração do centro hospitalar disse que, tendo tomado conhecimento da inviabilidade de reparação do microscópio cirúrgico, deu "de imediato" indicações para o início do processo de aquisição de um novo equipamento.

O centro hospitalar "tem em curso medidas para uma célere disponibilização do novo equipamento (microscópio cirúrgico)", lê-se na resposta enviada à Lusa. De acordo com a mesma fonte, o doente foi transferido para o Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho durante a noite, "em articulação com a equipa cirúrgica de Cirurgia Plástica do hospital de destino".

A administração justifica ainda que as transferências do tipo de doentes em causa, quando necessárias, são "equacionadas entre hospitais com serviços de urgência de Cirurgia Plástica idóneos e com a capacidade de resposta que a complexidade da situação clínica exige".

Notícia actualizada às 19h22. O Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central anunciou que deu indicações para a compra de um microscópio cirúrgico