Tiros, perseguição policial e álcool. A noite louca de um deputado do PSD-Madeira

Deputado social-democrata no parlamento madeirense foi apanhado a conduzir com excesso de álcool. Antes de ser detido, terá tentado fugir.

Deputado do PSD na assembleia legislativa da Madeira debaixo de fogo
Foto
Deputado do PSD na assembleia legislativa da Madeira debaixo de fogo Rui Gaudencio

Perseguição policial. Tiros disparados para o ar. Muito álcool. Um deputado detido no Funchal. O caso que envolve Luís Miguel Calaça, deputado do PSD na Assembleia Legislativa da Madeira, aconteceu no início do mês (2 de Dezembro), mas só foi conhecido, com estrondo, nesta terça-feira, primeiro dia do debate do Orçamento Regional para 2019.

A notícia da detenção do parlamentar, avançada durante a tarde pelo DN-Madeira, agitou a bancada social-democrata, ao ponto dos deputados não conseguirem disfarçar o incómodo, numa altura em que defendiam o último orçamento da legislatura do governo de Miguel Albuquerque.

O chefe do executivo madeirense foi mesmo à bancada do partido pedir explicações a Luís Miguel Calaça e trocar impressões com José Prada, jurista e futuro secretário-geral do PSD-Madeira. De semblante fechado, Albuquerque questionou o deputado sobre a veracidade da notícia e não escondeu o desagrado com a situação.

Em causa está uma rotineira operação de fiscalização de trânsito montada num dos acessos à cidade do Funchal, na madrugada de domingo, 2 de Dezembro. O automóvel conduzido pelo deputado social-democrata de 39 anos, a cumprir o primeiro mandato no parlamento madeirense, foi mandado parar por uma brigada de trânsito da PSP, mas não respeitou a ordem.

Em vez de parar, Luís Miguel Calaça acelerou a viatura para fugir do local. Pelo caminho, quase terá abalroado um agente policial, que terá depois disparado dois tiros para o ar, na tentativa de dissuadir a fuga.

O deputado viria a ser interceptado ainda nessa madrugada, depois de uma perseguição policial na baixa do Funchal, em que foram mobilizados reforços da PSP. Detido e levado para a esquadra, foi libertado depois com termo de identidade e residência. 

Além do crime de condução sob efeito de álcool (foi registada uma taxa de alcoolemia de 1,87 g/l), o parlamentar incorre num crime de desobediência e outro de tentativa de atropelamento do agente policial. Em comunicado, o deputado refere-se às notícias vindas a público e assegurou estar "totalmente disponível para colaborar com a justiça", inclusivamente para que lhe seja levantada a imunidade parlamentar.