ASMR: a Internet pode gostar de gatinhos, mas adormece com estes vídeos

Desde 2015 que os vídeos de ASMR têm vindo a ganhar popularidade no YouTube e em comunidades online. Foram adormecendo cada vez mais pessoas e, entretanto, tornaram-se virais. Quem vê estes vídeos diz sentir-se menos ansioso, mas alguns especialistas alertam: embora ainda seja "muito cedo para falar das aplicações práticas", podemos estar perante uma "pseudociência".

Daqui a nada o despertador toca. Os olhos estão fechados, mas o cérebro não descansa. Mais uma volta pelas redes sociais e uma visita rápida ao YouTube. Vídeos com paisagens idílicas a acompanhar o som da chuva a cair em loop? É uma boa sugestão, mas há uma sigla desconhecida na tabela de recomendações. Os títulos dizem que esses vídeos prometem relaxamento e uma boa noite de sono — ou até mais. Há uma pessoa a falar baixinho e a tratar cordialmente o espectador, saudando-o, com sussurros e gestos suaves: “Olá! Sê bem-vindo ao meu canal de ASMR.”

As quatro letras representam a sigla em inglês de Autonomous Sensory Meridian Response, ou seja, Resposta Autónoma do Meridiano Sensorial em português. Diz quem a sente que se traduz numa espécie de formigueiro na zona da nuca e no couro cabeludo — e que pode ainda estender-se a outras partes do corpo. Essa sensação é desencadeada por gatilhos (os chamados triggers) como sussurros, batimentos em objectos diversos, gesticulação suave e até mensagens de carinho para os utilizadores (os chamados “vídeos de atenção pessoal”). No meio disto tudo, há quem prefira escutar pickles a serem mastigados, slimes a escorregar pelas mãos e até o folhear das páginas de um livro.

PÚBLICO -
Foto
Ana Landum é Madame Butterfly no YouTube Miguel Manso

E de onde veio o nome ASMR? A resposta pode ser encontrada neste vídeo explicativo do portal Polygon. Não há nada de científico na origem do termo: em 2010, um grupo de pessoas começou a falar desta sensação, que teve outras denominações, como Attention Inducted Head Orgasm. A comunidade que se começava a formar preferiu afastar-se dessa conotação sexual (um tema ainda sensível). A discussão continuou a decorrer no blog The Unnamed Feeling, onde uma internauta utilizou, pela primeira vez, o termo. Segundo o Polygon, a intenção foi fazer o nome soar "mais científico".

Há quem sinta a ASMR desde há muito, como Helena Soares, de 26 anos. Sentia e achava estranha aquela sensação de cócegas no cérebro, “principalmente com pessoas a limpar”. Deu com os canais de ASMR por acaso: “Descobri-a a ver uns vídeos sobre massagens de drenagem linfática, e depois tinha ASMR nos relacionados. Reparei que nesses vídeos de massagens ficava relaxada ao ouvi-los falar sobre as técnicas, por exemplo”, recorda. Hoje, Helena ouve-a principalmente para se acalmar “no final do dia e adormecer”. Para Inês Martins, de 23 anos, tanto resulta “no trabalho como ao fim do dia”, apesar de recorrer a esta ajuda “só uma vez por semana, mais ou menos”. No entanto, é algo exigente nas escolhas: “Tem de ser algo muito específico, mas gosto daqueles de massagens no cabelo.”

Ana Landum, de 33 anos, adormecia e relaxava com os mesmos vídeos. Ainda hoje o faz: para si e para os outros. Primeiro, descobriu “um vídeo muito relaxante de maquilhagem da Jessica Alba”; depois, a curiosidade levou-a à tendência — para descansar e “por necessidade”. “Via vídeos de maquilhagem para relaxar, porque tinha ataques de pânico e de ansiedade à noite. Comecei depois a recorrer à ASMR e era tiro e queda, adormecia logo.” Agora, Ana ajuda os que se encontram na mesma situação — ou que procuram apenas “uma ajuda à concentração” — sussurrando para a câmara: é a Madame Butterfly, nome do único canal de ASMR em Portugal em actividade. Existe ainda o canal ASMR Portugal (iniciado em 2015, mas sem vídeos novos há cinco meses) e a Captain Cocas, cuja voz serena não ouvimos há um ano.

Madame Butterfly tem mil ofícios. Num dia pode ser dentista, no outro já é fotógrafa; ou então interpreta a Noiva Cadáver ou a destemida Eleven, de Stranger Things. Tem já publicados 107 vídeos e mais de 20 mil subscritores. Ao todo, os seus vídeos foram visualizados mais de 1,6 milhões de vezes. “Fiz os meus primeiros dois vídeos três meses antes de lançar o canal. Senti-me horrível a fazer aquilo”, conta, soltando uma gargalhada. “Era o que eu achava quando descobri a ASMR. Era muito estranho!”

A 27 de Março do ano passado ganhou coragem para dar o clique final que iniciaria o seu percurso no YouTube numa data que lhe diz muito: é o Dia Mundial do Teatro, e Ana é também actriz. Além disso, é licenciada em Pintura. No Teatroesfera, em Queluz, onde trabalha, faz alguns figurinos e ajuda na execução dos cenários. A soma de todas as valências reflecte-se nos vídeos de roleplay, um “sub-género” que consiste na interpretação de profissionais de qualquer área profissional ou de personagens acarinhadas pelo youtuber (e pela audiência). “Tenho muita facilidade em fazer vídeos do género, dá-me muito gosto e é uma terapia para mim.”

Faltam estudos

Apesar da ajuda dos vídeos, a “ASMRartist” (assim são chamados os produtores de conteúdo ASMR para o YouTube) não vê neles uma solução: “Não pode nem é nenhum substituto em tratamentos, mas pode ser um complemento. Eu deixei de tomar ansiolíticos à noite quando comecei a ver ASMR”, explica. A psicoterapeuta Nádia Neiva, da Clínica da Mente, em Braga, esclarece que se “tem revelado a utilidade do relaxamento no tratamento das perturbações emocionais”. Acredita que “estes vídeos, devidamente validados para o efeito, poderão surgir como meio para atingir o propósito de relaxar”. Por isso, aponta que há uma certa responsabilidade a ser atribuída aos produtores deste tipo de conteúdo: “Alguém com ataques de pânico, ansiedade e insónias sofre genuinamente, pelo que não pode ser tratado sem conhecimento das perturbações em causa, correndo-se o risco da descrença numa ajuda especializada.”

A sensação que Ana, Helena e muitas outras pessoas sentem “pode ser uma forma de sinestesia de toque sonoro, onde os gatilhos de ASMR provocam uma sensação de tacto e emoção”. Quem o diz é Giulia Poerio, investigadora na Universidade de Sheffield, Inglaterra, que liderou o primeiro estudo sobre os benefícios da ASMR. “Eu sinto ASMR desde criança, mas não sabia que isto tinha um nome ou que era algo que outras pessoas sentiam até 2013, quando descobri a comunidade ASMR e os vídeos”, recorda. A investigação inspirou-se na sensação de arrepio que algumas pessoas dizem sentir ao ouvir certas canções e teve como objectivo “testar cientificamente se a ASMR era ou não um fenómeno nas pessoas que o sentem”. “Algumas pesquisas sugerem que nas pessoas que sentem arrepios com música há maior conectividade de matéria branca entre as zonas auditiva e emocional do cérebro”, acrescenta a investigadora. “Contudo, precisamos de mais estudos de imagens cerebrais para testar a ideia na ASMR.”  

Ao todo, mais de mil questionários online foram respondidos e 112 pessoas viram vídeos com a investigadora, que apontou as sensações dos voluntários. A maior conclusão foi “a conjunção do aumento da condutância eléctrica da pele [uma medida para a excitação] com a diminuição da frequência cardíaca” em quem sente os formigueiros. Ou seja, os participantes ficaram mais excitados, mas também mais relaxados. O mesmo aconteceu com quem não sente os arrepios, mas em menor escala. “Pode parecer contraditório, mas suspeitamos que isto aponta para a complexidade emocional da experiência ASMR.” Além disso, a investigadora relembra que “há quem o sinta em níveis diferentes”, algo a estudar futuramente.

Serão estas conclusões suficientes para legitimar os benefícios da ASMR? “O facto de [o estudo] passar por um processo de revisão não lhe garante credibilidade. O que acontece é que diminui a possibilidade de haver falhas, e por isso é importante replicar os estudos”, esclarece João Monteiro, da plataforma Comcept (Comunidade Céptica Portuguesa). A investigadora britânica reconhece-o, acautelando: “Ainda é muito cedo para falar das aplicações práticas da ASMR” no âmbito dos distúrbios mentais e psicológicos.

O biólogo da Comcept acrescenta que, apesar do “interesse crescente no tema por parte da comunidade científica”, não lhe parece “que se consigam ainda tirar grandes conclusões”. Isto porque, para além do estudo da investigadora britânica, existem apenas mais quatro investigações. O primeiro estudo é de 2013, mas o interesse da academia só começou a ser mais frequente e aprofundado a partir de 2015  — com os estudos da Universidade de Swansea, no Reino Unido, de três investigadores de Winnipeg, no Canadá, e da Universidade do Connecticut, nos EUA.

João Monteiro expressa, no entanto, que “ainda não se pode dizer” que os efeitos da ASMR sejam “uma pseudociência”. Por um lado, as pessoas que “defendem a utilidade da ASMR reconhecem que se baseiam em relatos pessoais e subjectivos, portanto sem validade científica”; por outro, “a investigação feita não é conclusiva, os resultados são ainda preliminares e reconhece-se a necessidade de se fazer mais investigação”, explica. Contudo, adverte que, brevemente, o fenómeno possa ser apropriado para “alegações pseudocientíficas”: “Estão reunidas três condições essenciais para o efeito: o crescente interesse pelo tema que se começa a tornar mainstream, a ainda pouca investigação científica feita, que permite a especulação, e o potencial lucrativo [canais do YouTube].” O investigador prevê ainda que serão feitas “alegações associadas à saúde ou à espiritualidade”.

Sussurrar como trabalho

Essas alegações pairam pelos canais do género, recheados de vídeos que afiançam ajudar em casos de ataques de pânico ou ansiedade — promessa que os “consumidores” comentam ser cumprida. Mariane Carolina Rossi, 25 anos, conseguiu superar “o bullying e a depressão” desabafando através do seu canal. Num dia de 2015, um seguidor sugeriu-lhe que fizesse vídeos de ASMR porque a sua voz “era suave”. “O canal tinha 16 mil inscritos, e então fiz o primeiro vídeo e nem sabia que título dar, então coloquei a sensação que me dava: ‘ASMR vídeo para dar soninho'.”

PÚBLICO -
Foto
Sweet Carol tem quase um milhão de subscritores no YouTube DR

O resto é história: Mariane é hoje Sweet Carol, tida como “uma das pioneiras da técnica no Brasil” e com quase um milhão de subscritores no YouTube. A ex-enfermeira de São Paulo fez dos vídeos de ASMR a sua profissão e assume-se como “responsável” pelas pessoas que visitam o seu canal: “Gosto de me envolver na emoção, de pensar em quem está do outro lado, no que gostaria de ouvir. É como um cantinho que a pessoa vem para se refugiar.”

Por isso, não descura a qualidade e apresenta uma vasta gama de aparelhos de captação de som (para além dos adereços necessários para as personagens que vai interpretando): é normal ler-se nas descrições palavras como “binaural, e isto significa que, naquele vídeo, diferentes sons podem ser direccionados para cada um dos ouvidos. Um dos microfones mais conhecidos, o 3Dio Free Space, custa mais de 400 euros. “São sempre investimentos, mas fazem parte do trabalho. O próximo passo é ter um estúdio na minha futura casa”, aponta.

Na volta, isto torna-se num negócio. Gibi, como é conhecida uma das maiores “ASMRartists da Internet, inicia muitos dos seus vídeos com menções a marcas que patrocinam os vídeos. Tem quase 1,5 milhões de subscritores, tantos como o canal Gentle Whispering, que já fez um vídeo ASMR com um Tesla Model X. Já o canal ASMR Zeitgeist fez um vídeo de promoção paga ao Renault Zoe. O trono é mesmo de SAS ASMR, a passar os 3,5 milhões de subscritores. Nos seus vídeos, para além de relaxamento, estão garantidos os sons da degustação de diversos pratos de comida e para todos os gostos: fast food, vegetais, sushi, marisco e até aloe vera. Longe do pódio, mas com uma audiência selectiva, estão aqueles que provocam arrepios através de gemidos, suspiros intensos e contos eróticos — o que é que não há para ver no mundo ASMR?

PÚBLICO -
Foto
Ana Landum ainda não vive da ASMR, mas gostava Miguel Manso

Quem também viu os seus conteúdos tornarem-se virais foi Makena Kelly, ou Life with MaK – a Teen Vogue incluiu-a na lista 21 Under 21. Aos 13 anos, a adolescente do Colorado, EUA, já angariou mais de um milhão de subscritores e tem sido um dos memes de eleição para os lados do Twitter. Ao mesmo tempo, começa-se a debater o perigo da sexualização dos vídeos de Makena e de outros menores produtores deste tipo de conteúdo. E se há gente de todas as idades a fazer ASMR, o público é igualmente diverso — do adolescente que se acalma antes do exame ao adulto que quer esquecer o dia de trabalho.

Para Ana Landum, o objectivo é continuar a actividade do canal e “comprar uns auriculares muito bons”, mas não é fácil. Grava na “casa de banho minúscula onde cabem dois tripés, a luz, os adereços e a mesa”. Financeiramente, ainda não faz vida disto: “Há um investimento, mas não tenho retorno. Tive três pagamentos mínimos do YouTube, que são de 70 euros”, conta, sem perder a esperança que, um dia, pode dar certo. “Se não der… paciência!”, atira. Nos últimos segundos destes vídeos, a palavra que se repete sempre (e em muitas línguas) é “obrigado”. Já alguém adormeceu?