As Termas da Ferraria querem ser mais do que um spa

O Spa Termal na ilha de São Miguel, Açores, destina-se ao bem-estar. Mas está a ser feito um estudo para que as águas sejam reconhecidas pelas suas qualidades medicinais.

Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

Para trás fica uma paisagem de cortar a respiração com as piscinas naturais de água quente, o mar de um azul transparente que bate nas rochas vulcânicas da praia de areia escura quase preta, em São Miguel, Açores. O agradável aroma das velas acompanha a descida das escadas que conduzem à recepção do spa das Termas da Ferraria, que fizeram grande furor nos anos 1950 quando ali funcionava um hospital termal e os doentes desciam de burro a íngreme estrada e, três semanas depois, saíam a andar pelo seu próprio pé.

Foi por isso que “o povo começou a chamar de 'milagrosas' as águas salgadas termais que têm um teor de enxofre muito elevado”, conta o engenheiro Bruno Oliveira, responsável pelo actual espaço Spa Termal Termas da Ferraria que abriu há oito anos e “está, desde 1 de Abril deste ano, inscrito nas Termas de Portugal como tendo termalismo de bem-estar”.

No início de 2019, Bruno Oliveira espera ter um corpo clínico com médico hidrologista e fisioterapeuta com especialidade em termalismo na equipa. “O objectivo é ter programas terapêuticos com supervisão médica”, elucida. Antes disso, é preciso proceder à certificação das termas com classificação médico-hidrológica e legal da água para doenças de pele e músculo-esqueléticas.

No primeiro trimestre de 2019, o Inovação Tecnológica dos Açores (Inova), a entidade que analisa mensalmente 30 das 48 nascentes de água termal existentes nos Açores, deverá, então, começar um estudo à aplicabilidade das águas da Ferraria. João Carlos Nunes, do Inova, disse recentemente ao PÚBLICO que, apesar de o saber empírico afirmar que a água amarelada cura doenças de pele, tal só pode ser garantido depois de um estudo médico-hidrológico aplicado a utentes com doenças de pele. Um estudo monitorizado por um médico hidrologista que comprove a cura. “Consiste em registar evidência terapêuticas para fins medicinais”, referiu o também geólogo e professor universitário de vulcanologia. “Fazemos análises químicas e microbiológicas de controlo para assegurar que têm condições para serem usadas pelo público”, explica.

Bruno Oliveira acrescenta que já foram, entretanto, recolhidas e analisadas as águas, durante três anos. Enquanto espera pela certificação das águas, as termas funcionam como espaço de spa de bem-estar, onde “a água do mar, que é aquecida pelo vulcão, chega a uma temperatura de 62 graus centígrados que depois é misturada com água do mar fria até descer aos 37 graus”, descreve Bruno Oliveira. “Medimos a temperatura da água de hora a hora”, garante enquanto explica que o lugar da Ferraria tem duas nascentes de águas termais de origem vulcânica que aquecem as piscinas naturais e abastecem o seu complexo termal. 

“Temos pessoas que nos procuram para o termalismo, nomeadamente através da talassoterapia, com banhos, sessões de relaxamento dentro de água, aproveitando todos os benefícios destas águas impares, que combinam da melhor forma as componentes de origem marinha e geotérmica”, descreve o responsável. Por aqui há vários tipos de massagens como a Jazz Massage (77 euros) e Azorean Stone Massage (80 euros). Ou ainda o envolvimento com algas e argila; massagem de relaxamento, relaxamento em água. “Nos packs de dia completo, o que tem mais sucesso é a 'Princesa por um dia', onde tentamos proporcionar um dia completo de relaxamento, sendo o relógio proibido”, realça. 

Mas voltemos à recepção onde os passos seguem para a zona de descanso e jacuzzi com água termal arrefecida com água do mar entre os 37 e os 38,5 graus centígrados. E de seguida para a sauna, banho turco e depois para o corredor de contraste com água do mar fria. Depois, o convite é para dar umas braçadas na piscina interior, também com água termal arrefecida com água do mar, mas desta vez a uma temperatura entre os 36,5 e os 38 graus. “Temos uma bomba com cerca de 20 metros que extrai a água do mar”, elucida Daniela Estrela, técnica do spa. Lá fora a piscina exterior, igualmente com água do mar e água termal, convida a um momento de relaxamento mesmo nos dias mais cinzentos. 

Se o apetite apertar, podemos sempre dar um salto ao restaurante com gastronomia típica, onde se pode experimentar Alcatra Regional e Polvo da Ilha Terceira. 

“As termas contribuem para o desenvolvimento do turismo de saúde e de bem-estar na região”, elucida Bruno Oliveira. Assim como empregam dezenas de pessoas, acrescenta. “Somos, provavelmente, o maior empregador da freguesia que utiliza praticamente só recursos locais”, informa. “Temos famílias completas a trabalhar connosco.” 

O PÚBLICO viajou até São Miguel a convite do Turismo dos Açores.