Dormir no Maxime, no quarto de Carmen e Lola

Foi cabaret, dancing, boite, recebeu a “sociedade elegante”, apresentou bailarinas espanholas, Raul Solnado, Julio Iglesias, José Cid. Teve altos e baixos. Hoje, o Maxime é um hotel, onde dormimos com as memórias de uma Lisboa de outros tempos.

Fotogaleria
Um dos cinco quartos temáticos do Maxime Nuno Ferreira
Fotogaleria
Decoração do quarto bondage Nuno Ferreira
Fotogaleria
Nuno Ferreira

“Hoje à noite, o acontecimento de que todos falam! Uma data festiva para a sociedade elegante." Era assim que um anúncio publicado nos jornais nos últimos dias do mês de Novembro de 1949 dava conta da grande novidade da vida nocturna da capital: a abertura do Maxime Dancing, na Praça da Alegria, Lisboa.

O edifício, novo em folha e da autoria do arquitecto João Simões, ocupava uma das esquinas da praça. Um texto no Diário de Lisboa, citado no blogue Restos de Colecção (que inclui também várias imagens que contam a história do Maxime ao longo do tempo), referia o “moderno luxo” do novo dancing e descrevia como no “vasto salão inaugurado” se faziam ouvir “duas orquestras em dois palcos”, enquanto na pista se sucediam “números coreográficos”.

Os anos voaram e muita coisa passou pelo Maxime. Os tempos de glória e luxo deram lugar a alguma decadência e depois a decadência tornou-se interessante. O dancing atravessou momentos menos bons, mas, bem ou mal, a cidade nunca o esqueceu. Já lá iremos, à história do icónico clube. Mas antes paremos um pouco na actualidade. Estamos, hoje, no final de Novembro de 2018, 69 anos depois da noite da inauguração, à porta do Maxime, com uma mala na mão.

PÚBLICO -
Foto
O restaurante do Maxime Nuno Ferreira

O edifício é o mesmo, agora recuperado, a entrada continua a fazer-se pela esquina e reconhecemos até o nicho do antigo bengaleiro. O velho Maxime é agora um hotel, propriedade do grupo Hotéis Real, mas não quer esquecer o que foi. Entremos, então.

O antigo balcão continua lá, elegante como sempre, assim como as grelhas de metal trabalhadas que separam os espaços. É aí o bar, frente ao salão agora transformado em sala de jantar mas onde, todas as sextas e sábados entre as 20h30 e as 23h30, acontece o espectáculo Madame Liz Bonne, uma criação de Roger Mor, que inclui um jantar pelo chef do Maxime, Luca Bordino (jantar e espectáculo 65€ por pessoa, já esgotado até ao final do ano).

Na sua versão hotel, o Maxime cresceu e ocupa agora todo o edifício na esquina da Praça da Alegria. Subimos até ao nosso quarto – um dos cinco temáticos – para descobrir que o partilhamos com duas irmãs bailarinas espanholas. Carmen e Lola olham-nos a partir de um grande quadro sobre a cama. Há outras fotos delas nas paredes, um leque de plumas, um corpete e um chapéu a espreitar de gavetas, uma caixa de vidro com cartas de admiradores.

Não há, contudo, motivo para alarme. Elas não irão aparecer, nem sequer para trocar de roupa, durante a nossa estadia. Não são reais, personificam apenas as muitas cantoras e dançarinas espanholas que noutros tempos deixavam o seu país e se aventuravam até Lisboa para tentar a sorte em cabarets como o Maxime. O nosso quarto é o Dressing – noutros andares há outros temas, o Bondage, o Burlesque, o Bar e o Stage, e aí contam-se outras histórias de uma Lisboa que se inspirava nas modas vindas de Paris para animar os seus espaços nocturnos.

Na altura da inauguração do Maxime Dancing (não confundir com o Maxim’s, que existiu nos Restauradores entre 1908 e 1939), a palavra cabaret já tinha sido substituída por outra, também de origem francesa: boite – e o Maxime era “a boite mais chique do país”, com “selecção rigorosa” e, por isso, o espaço ideal para se frequentar “depois de sair do teatro ou do cinema”, sobretudo do Parque Mayer, que fica mesmo ao lado.

Para além das duas orquestras que alternavam e animavam a casa até às cinco da manhã, nessa noite de inauguração brilhava no palco Anita de Montilla, espanhola a quem chamavam a “bailarina dos pés de bronze” e a dupla portuguesa Linda & Constant.

PÚBLICO -
Foto
O bar, que manteve o antigo balcão Nuno Ferreira

Em Dezembro de 1952, o Maxime seria também palco da estreia profissional de Raul Solnado, no espectáculo O Sol da Meia-Noite, mais tarde da primeira apresentação do Miúdo da Bica, de Alfredo Marceneiro, e durante as décadas seguintes receberia artistas como a famosa bailarina espanhola Maria Del Sol, Celeste Rodrigues, “uma voz favorita do fado”, ou a “extraordinária vedeta da canção” Mary Merche, além de António Calvário, Simone de Oliveira, Tony de Matos e até um jovem Julio Iglesias.

Com o passar do tempo, a decadência chegou, inevitavelmente, e a sofisticada boite mudou de estilo e de clientela até acabar por fechar. Mas não era ainda o fim. Em 2006, Manuel João Vieira fez renascer o Maxime porque tinha passado o tempo suficiente para o que fora triste se ter tornado kitsch. Foi nesse novo Maxime que José Cid relançou também a sua carreira e, entre música e humor, o espaço tornou-se uma referência para uma geração mais nova.

Mas também esta fase chegou ao fim, e em 2011, mais uma vez, o Maxime vê-se obrigado a fechar as portas. É então que o grupo Hotéis Real entra em cena e recupera todo o edifício, inaugurando no final deste ano o Maxime Hotel com os seus 75 quartos e restaurante aberto ao público em geral (tal como o pátio, The Boudoir, situado no primeiro andar, e onde se pode tomar uma bebida ou comer um snack).

Da janela do nosso quarto vê-se a Praça da Alegria e, se quisermos, podemos imaginar essa noite, há quase 70 anos, em que os lisboetas fizeram fila para participar nessa “data festiva para a sociedade elegante” e conhecer “a boite mais chique do país”. Da parede, Carmen e Lola olham com nostalgia para a noite lá fora. O Maxime delas não é o nosso – mas o novo Maxime quer celebrar o lugar de onde veio e a história que o trouxe até 2018.

“Irreverência” à mesa com Luca Bordino

Quando foi convidado para ficar à frente da cozinha do Maxime Restaurante Bar, Luca Bordino, nascido em Portugal filho de mãe francesa e pai italiano, sentiu “um peso incrível nos ombros”. Este é um espaço com história e ele queria que isso fizesse também parte da sua cozinha. “Tenho uma vertente muito asiática e italiana, mas não podia deixar de ter aqui os clássicos”, diz. “Há quatro gerações que conheceram o Maxime, apesar de, durante esse tempo, este espaço ter sido muitas coisas diferentes”.

A ligar à memória do passado está, por exemplo, o prego. “O Maxime tinha um prego muito famoso, que era servido às tantas da manhã. Nós mantemos o prego Maxime’s Bon Vivant, mas acrescentámos mais algumas coisas, rúcula, cebola caramelizada, um molho à portuguesa, queijo da Ilha, uma mistura de mostardas.”

O prego faz parte da carta de snacks e pratos leves (Bite Me), servida todos os dias das 12h30 às 18h30 e aos domingos e segundas das 19h30 às 23h, e que tem coisas como Pumpkin Passion (creme de abóbora com tempura de vegetais, 5€), Loudly Crunchy (frango crocante com maionese de sriracha, 7,5€), Are You Peeking At Me, Chicken? (guiosa de frango, gengibre e alho francês, 6€) ou Martini Bijoux (camarões com Martini, malagueta, alho, lima e coentros, 12€) ou ainda tostas e sanduíches e as sobremesas, com propostas como All You Need is Chocolate (demi-cuit de chocolate, merengue de malagueta, gelado artesanal de manjericão e pimenta da Jamaica, 7€), ou Bombe Lisbonne (merengue italiano, mousse de ginja, maracujá, fofo de cacau e morango, 7€).

PÚBLICO -
Foto
Bacalhau à Brás, versão Luca Bordino dr

De terça a quinta, entre as 19h e as 23h, entra em cena a carta de jantar (Taste Me), podendo-se provar, entre outras coisas, um Raw Fetiche (ceviche de peixe branco, beterraba, sour cream e compota de cebola roxa, 12€), um Magret Madness (carpaccio de magret de pato fumado, óleo de pinhão, pistácio caramelizado, maçã Granny Smith e pickle de malagueta verde, 13€). Os pratos principais podem ir de um Hidden Secret (agnolotti recheado com queijo de cabra, molho de cenoura, gema curada, cogumelos e parmesão, 14€) a um Portuguese Wonderland (a versão de bacalhau à Brás de Luca Bordino, 15€).

“Percebi que andavam à procura de uma pessoa com um registo um bocado diferente”, explica Luca, de 29 anos, que trabalhou com Igor Martinho e com Chakall, e passou por Singapura, Indonésia, Filipinas e Nova Zelândia. “Não estamos aqui para repetir o que toda a gente faz. Os nossos clientes gostam de encontrar o que conhecem mas feito de outra maneira. Querem irreverência.”

A Fugas esteve alojada a convite dos Hotéis Real