Corbyn garante que o Labour pode conseguir um melhor acordo para o "Brexit"

Num texto publicado no Guardian a dias da votação do acordo no Parlamento, líder trabalhista defende eleições antecipadas se May for derrotada.

Foto
Corbyn na reunião dos socialistas europeus em Lisboa MARIO CRUZ/Lusa

O líder da oposição trabalhista britânica, Jeremy Corbyn, defendeu nesta sexta-feira que o acordo sobre o “Brexit” do Governo conservador deve ser rejeitado pois há ainda a possibilidade de conseguir um melhor, que estabeleça uma união alfandegária de longo prazo com a União Europeia. O Labour é o partido que pode conseguir esse acordo, garante.

O Partido Trabalhista vai chumbar o acordo de saída negociado pela primeira-ministra Theresa May, que é votado na terça-feira no Parlamento de Londres. “O acordo que ela fez não é aceitável, não agrada a ninguém”, disse Corbyn nesta sexta-feira na reunião do Partido Socialista Europeu (PSE) em Lisboa e citado pela agência Reuters.

Em Lisboa, Corbyn reiterou o que afirmara num texto publicado nesta sexta-feira no jornal britânico The Guardian e que tem como título O Labour pode conseguir um acordo melhor. Dêem-nos essa oportunidade. Nele defendeu eleições antecipadas caso o documento seja chumbado.

“Uma relação nova e forte com o mercado único, que nos proporcione um comércio sem fricções e a liberdade de reconstruir a nossa economia e expandir os nossos serviços públicos, ao mesmo tempo em que estabeleça políticas de migração que respondam às necessidades da economia, não alimentando a xenofobia com alvos falsos de imigração”, é a proposta de Corbyn para uma renegociação.

“Se o acordo for chumbado, o Governo terá perdido a maioria no tema mais importante que o país enfrenta e terá perdido a capacidade de governar”, disse, citado pela Reuters. “Nesse caso, o melhor é deixar o país decidir o caminho a seguir e a melhor equipa para o fazer. Isso significa eleições”.

Jeremy Corbyn põe a hipótese de o “Brexit” proposto por Theresa May ser chumbado mas não se realizarem as eleições antecipadas. Para estas acontecerem é necessário que surja uma moção de censura à primeira-ministra que seja aprovada e, depois, uma tentativa de formação de um novo Governo por parte do partido com maioria (o Partido Conservador governa com uma maioria assegurada pelos deputados do partido unionista da Irlanda do Norte DUP).

No caso de não haver eleições, escreveu Corbyn, “todas as opções devem estar sobre a mesa”, incluindo a realização de um referendo que quebre o impasse. 

"Este péssimo acordo deve ser derrotado", escreveu o líder trabalhista no Guardian, acrescentando que o seu partido está a “trabalhar com deputados e partidos” na Câmara dos Comuns para garantir o chumbo do acordo – que não está garantido, frisa –, mas também para evitar um “Brexit” sem acordo.

O acordo que vai a votação na terça-feira ao início da noite vai ser chumbado pelo Labour mas também pelos Liberais Democratas, Partido Nacionalista Escocês, partido Verde, parido nacionalista galês Plaid Cymru e DUP. Muitos deputados conservadores vão também votar contra.