Administradora da Huawei ouvida esta sexta em tribunal

Autoridades canadianas vão decidir sobre pedido de extradição feito pelos Estados Unidos.

Meng Wanzhou, administradora financeira da Huawei
Foto
Meng Wanzhou, administradora financeira da Huawei Reuters/STRINGER

A administradora financeira da Huawei que no passado sábado foi detida pelas autoridades do Canadá deverá ser ouvida esta sexta-feira em tribunal no processo em que será decidida a sua possível extradição para os Estados Unidos.

Meng Wanzhou, para além de ocupar um dos cargos mais relevantes da empresa, é também a filha do fundador da Huawei, uma das maiores fabricantes mundiais de telemóveis e a empresa símbolo da estratégia da presidência Xi Jinping de fazer da China uma potência mundial no sector tecnológico.

A sua detenção pelas autoridades canadianas, a pedido dos EUA, lançou dúvidas nos mercados em relação ao rumo que irão tomar as tensas relações entre os EUA e a China, precisamente quando se está no início do período de 90 dias estabelecido pelos dois países para chegarem a um acordo comercial.

À margem da última cimeira do G20, no passado fim-de-semana, Donald Trump e Xi Jinping, presidentes dos EUA e da China, assinaram uma trégua que evita, durante os próximos 90 dias, uma escalada do conflito comercial em que têm estado envolvidos os dois países. A administração Trump, cumprindo aquilo que tinha sido prometido em campanha eleitoral, aplicou taxas alfandegárias mais altas a vários produtos importados da China e mantém a ameaça de ira ainda mais longe, numa tentativa de eliminar o enorme défice comercial que os EUA têm com a China. Pequim, por sua vez, tem retaliado também com subidas das taxas alfandegárias.

Na quinta-feira, as bolsas mundiais registaram quedas acentuadas, cuja principal justificação foi o receio de que, a ronda negocial entre os EUA e China possa não ser bem-sucedidas, regressando o ambiente de guerra comercial assim que a trégua de 90 dias chegar ao fim. A detenção de Meng Wanzhou é, neste cenário, mais uma prova de que o ambiente entre os dois países tem tudo para continuar a ser muito tenso.