Marcelo adverte para frustração com justiça lenta e pede aos políticos que sejam exemplo

Presidente defendeu que "é essencial que seja normal que quem exerça cargos públicos não saia deles mais rico do que entrou".

Presidente falou aos jornalistas sobre justiça
Fotogaleria
Presidente falou aos jornalistas sobre justiça LUSA/Tiago Petinga
Marcelo foi um dos convidados da sessão de aniversário do CPC
Fotogaleria
Marcelo foi um dos convidados da sessão de aniversário do CPC LUSA/Tiago Petinga
Conselho de Prevenção da Corrupção fez dez anos
Fotogaleria
Conselho de Prevenção da Corrupção fez dez anos LUSA/Tiago Petinga

O Presidente da República advertiu na quarta-feira ao fim da tarde para a frustração dos cidadãos com a lentidão da justiça na punição da corrupção e pediu aos políticos que sejam um exemplo, antes e depois de exercerem funções.

"É essencial que seja normal que quem exerça cargos públicos não saia deles mais rico do que entrou, nem saia para lugares que se prestem a ser pagamento de favores anteriores, nem se rodeie de parentes e próximos", defendeu o chefe de Estado, acrescentando: "Nem permitam a correligionários e amigos condutas em funções que deveriam ser inspiradoras que são intoleráveis para o comum dos mortais.

Numa conferência que assinalou os dez anos do Conselho de Prevenção da Corrupção, na Fundação Champalimaud, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou, por outro lado, que "a legítima impaciência dos portugueses aumenta a ritmo imparável de dia para dia" face à lentidão da justiça.

Segundo o Presidente da República, "essa impaciência é alimentada pelas elevadas expectativas suscitadas quanto à rápida conclusão de investigações criminais abertas e pelas subsequentes frustrações".

"É preciso que a desilusão não esvazie os balões de esperança que o anúncio do arranque de processos conhece quando se percebe que só terminarão uma ou duas gerações mais tarde", defendeu, alertando para os danos que a falta de punição ou a punição tardia provoca na prevenção da corrupção.

Marcelo Rebelo de Sousa referiu que "tem crescido o escrutínio, o controlo público da corrupção" e que "múltiplas instituições a têm eleito como prioridade das suas funções", o Conselho de Prevenção da Corrupção, o Tribunal de Contas, o Ministério Público, a Autoridade Tributária.

Porém, realçou a lentidão da justiça, mencionando que há "processos que ao fim de dez anos não conhecem a última decisão, isto é, transitada em julgado, ou ao fim de cinco anos não conhecem a primeira decisão judicial ou sequer acusação, ou ao fim de dois anos e meio ainda não viram iniciado o respectivo julgamento", sem nomear nenhum caso.

Desafio não é messiânico

No que respeita à acção dos políticos, o chefe de Estado pediu atenção "a episódios específicos que podem dar um sinal errado aos cidadãos acerca da correcção ética no desempenho de poderes sociais", igualmente sem dar nenhum exemplo.

No plano da prevenção, de acordo com Marcelo Rebelo de Sousa exige-se "acção educativa, que comece nos mais jovens dos jovens e envolva todos os protagonistas escolares, profissionais e sociais", para promover "os valores éticos que podem evitar a corrupção".

"Humildade, transparência, isenção, lealdade, honorabilidade e verdade. E não oportunismo, clientelismo, nepotismo, arranjismo, promoção pessoal à custa dos outros, deslumbramento com o poder, arrogância e prepotência", elencou. "É um longo caminho o que falta percorrer".

O Presidente da República concluiu o seu discurso afirmando que este desafio "não é de um messias, de um D. Sebastião, de um grupo restrito de iluminados, nem implica demagogia ou ilusões miríficas", é sim "um combate que tem de ser todos".

À saída, em declarações aos jornalistas, reforçou esta mensagem: "Todos devemos fazer tudo para que se previna a corrupção e, ao mesmo tempo, quando ela existir, seja punida em tempo útil".