Linha do Douro sujeita a dois transbordos e uma hora de atraso

As obras entre Caíde e Marco de Canaveses tiveram início a 26 de Novembro e levaram ao consequente fecho desse troço. A CP reduziu o número de comboios a partir desta última até ao Pocinho.

Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues

O apito dá o sinal de arranque. Os sofás são do início dos anos 60. Algo mudou na Linha do Douro dos Comboios de Portugal (CP). A viagem entre a estação de Porto-Campanhã e a Régua tem, por estes dias, um leve sabor a túnel do tempo. Tudo porque o troço entre Caíde e Marco de Canaveses está cortado desde 26 de Novembro. Desde aí e durante três meses, quem viaja naquela linha terá que fazer dois transbordos e, a partir do Marco de Canaveses, regressar ao passado, uma vez que a automotora que a CP disponibiliza foi concebida ainda nos anos 60 e passou a destinar-se ao transporte turístico — comboio de turismo Miradouro —, mas, devido à necessidade, agora faz a ligação até à Régua e, no início e no fim do dia, até ao Pocinho.

“O primeiro é directo, mas o segundo vai às estações e apeadeiros”, indicava o pessoal responsável a quem seguia viagem e ainda não sabia qual o autocarro onde devia entrar em Caíde. O tal que vai directo nem meia hora demora para chegar ao Marco, mas, aí, os passageiros têm ainda que esperar pelo outro que pára nas estações e apeadeiros para poderem seguir viagem. Entre a estação de Caíde até ao arranque do comboio no Marco de Canaveses soma-se uma hora e dois transbordos.

Uma vez no comboio cujas carruagens pertencem ao turístico Miradouro, ouve-se muita gente surpreendida por “quase voltar atrás no tempo”. “Faz-me lembrar quando fazia a viagem em criança”, “é mais espaçoso”, “isto sim são sofás”, diziam os passageiros que partilhavam esta nova experiência por um troço de linha a que tão bem estão habituados.

Do acostumado que estão ao percurso com vista directa para o Douro e apesar dos atrasos e redução de viagens a que estão sujeitos, alguns deles, como foi o caso de Noelma Gregório, não ponderaram trocar o comboio pelo autocarro — que agiliza o percurso — nas suas deslocações. “A minha linha é esta e já a faço desde criança, na altura com a minha mãe. Fazia a viagem ainda com os antigos comboios e levava muitas mais horas e, desde então, já houve muito progresso”, evidenciou a passageira.

PÚBLICO -
André Rodrigues

A esperança dos que viajam na Linha do Douro é que as obras não levem mais que os três meses previstos e que, depois disso, tudo volte ao normal. António Valente faz muitas vezes a viagem nos dois sentidos nas suas deslocações entre casa — em Mosteirô — e o trabalho, no Porto. “Consegui conciliar os horários porque fiz o turno da noite, mas gasto muito tempo”, explicava o passageiro que diz acabar por perder qualidade de vida por causa das viagens. “Demora mais tempo, há menos comboios e os horários não são muito ajustados às horas de trabalho, vou continuar a fazer a viagem até arranjar outra solução”, rematou.

Já Maria Teresa Cardoso deslocava-se de Ermesinde à Régua sem ter conhecimento do atraso — comparativamente ao horário que estava habituada a ter — de mais de uma hora que a esperava. Apesar de saber que em Caíde teria que trocar para um autocarro e no Marco de Canaveses regressar ao transporte ferroviário, não contava que a sua chegada à Régua ficasse condicionada em uma hora de espera. “Quem me vinha buscar teve que voltar para casa e regressar uma hora depois porque não sabiam da mudança. Isso é um transtorno muito grande para as famílias que trabalham”, explicou. No dia seguinte, Maria Teresa iria regressar ao Porto mas desta feita já com a noção dos condicionamentos da linha e da redução de horários.

Já quem segue viagem a partir da Régua, em direcção ao Pocinho, passa a usufruir apenas de dois horários por dia. “Ainda ontem, vinha uma senhora dos Estados Unidos que queria ir para o Pocinho, mas como cortaram as viagens, ela não conseguiu continuar o percurso”, contava uma passageira. Para viajar entre as duas estações passam a existir quatro opções, no total, das antigas dez: duas na direcção Porto-Campanhã-Pocinho às 9h15 e às 17h15. Já no sentido oposto, o das 07h22 e das 15h22 são as duas opções que os passageiros dispõem.

A actual situação de supressão de um troço da linha e diminuição de horários já gerou contestação por parte das autarquias que a CP abrange com o seu transporte. Numa nota de imprensa enviada pela Junta de Freguesia do Pinhão, a autarquia dá conta do desagrado com a diminuição de horários e “exige a manutenção do número de comboios”. Segundo o documento, a autarquia considera a situação “incompreensível, num momento em que se fala da aposta no interior e que foi anunciada a intenção de prolongar o investimento na linha, pelo menos, até àquela vila”.

As obras foram consignadas em Julho ao consórcio Opway/ DST por 10 milhões de euros e cobrem o troço de 16 quilómetros. A empreitada prevê a modernização da linha, assim como a electrificação dos túneis naquele troço e a renovação integral da via (substituição de carris, travessas e balastro), mas não prevê trabalhos de aumento de velocidade das locomotivas que vão continuar a circular a 80 e 90 quilómetros/hora.