Presidente chinês é “dono disto tudo”. Comentário de chefe de divisão no MNE é “lamentável”, diz ministro

Paulo Chaves chamou ao presidente chinês "DDT" , sigla corrente para “dono disto tudo”. Gabinete do ministro pediu averiguações para saber se foi cometida alguma infracção.

Foto
Augusto Santos Silva pediu averiguações para ver se foi cometida alguma infracção Sebastiao Almeida

O chefe de divisão de informação e imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, o diplomata Paulo Chaves, não escondeu o seu contentamento com a chegada do Presidente chinês a Portugal. "The dragon has landed", escreveu num post do seu Facebook privado com fotografias de Xi Jinping a aterrar em Lisboa. Depois, num comentário a esse post, em que era perguntado se "já estão todos de cócoras e prontos para beijar a barra do casaco?", Paulo Chaves referiu-se ao presidente chinês como "DDT", a sigla utilizada para significar "dono disto tudo".

O comentário de Paulo Chaves no seu Facebook privado correu entre alguns diplomatas que manifestaram desagrado por verem outro diplomata e chefe de divisão do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) a comentar a chegada do Presidente chinês Xi Jinping daquela forma. Sobretudo porque Chaves não é um diplomata qualquer, é um dos responsáveis pela missão para a presidência portuguesa da União Europeia em 2021 e o chefe de informação e imprensa, que lhe dá o pelouro também das redes sociais. E o incómodo acontece numa altura em que se debate o papel de Portugal na estratégia chinesa e no equilíbrio necessário entre os interesses portugueses e da União Europeia.

PÚBLICO -
Foto
PÚBLICO -
Foto

Esta conduta de Paulo Chaves será alvo de averiguações. O gabinete de Augusto Santos Silva respondeu ao PÚBLICO que, "logo que soube deste episódio lamentável" através das perguntas endereçadas, "o ministro determinou ao organismo competente que averiguasse se foi aqui cometida alguma infracção".

Para o MNE este tipo de comentário não é "de todo" adequado, "mesmo que em contexto de conversa privada ou em registo irónico", até porque os diplomatas estão obrigados a algumas regras de conduta nos seus comportamentos em público e, no caso de Chaves, acresce o facto de ser o responsável pela informação e imprensa do ministério. 

De acordo com as regras do MNE, quem trabalhe no ministério tem de seguir regras e princípios, mesmo em contas pessoais, porque, diz o gabinete de Santos Silva, "tudo o que possa fazer, dizer ou partilhar nessa rede social será potencialmente visto em função dessa associação", uma vez que "nenhuma conta numa rede social é verdadeiramente privada, na medida em que toda a informação é inerentemente partilhada com terceiros". E por isso, acrescenta o MNE, "a partilha de qualquer tipo de informação, opinião ou escolha presente ou passada poderá ter consequências futuras imprevisíveis”.

Aliás, no post de Paulo Chaves há um diplomata que questiona se houve alguém que "perdeu a noção" pelo facto de estar na fila de honra para receber o Presidente chinês e tirar fotografias ao mesmo tempo.

Nas respostas enviadas ao PÚBLICO, o gabinete de Santos Silva recusa que esta visão do diplomata seja de algum modo compatível com a forma como o Governo português vê o Presidente da China. "Evidentemente que não" reflecte a posição do Governo, "quem reflecte a opinião do Governo em matéria de política externa é o próprio ministro dos Negócios Estrangeiros, ou os respectivos secretários de Estado", como sucedeu com a entrevista de Santos Silva ao Sol no passado sábado.

Paulo Chaves tem uma longa carreira na diplomacia e ligações à China. De acordo com o currículo publicado no Diário da República aquando da sua nomeação, em Outubro de 2018, para o cargo que actualmente ocupa, é dito que esteve na "base principal da delegação do grupo de ligação conjunto luso-chinês e da delegação ao grupo terras luso-chinês" entre 1996 e 1999. Depois disso, esteve nas embaixadas portuguesas de Santiago do Chile, Tóquio e Nova Deli.

Nota: Título corrigido às 22h50. O diplomata Paulo Chaves é chefe de divisão de informação e imprensa do MNE e não "porta-voz", como era inicialmente referido.