Perfil

Von Wong, de engenheiro a “artivista” em busca da próxima história com impacto social

Aos 32 anos, Benjamin Von Wong cria campanhas artísticas virais com impacto social positivo que misturam a fantasia com a realidade. Através de crowdsourcing e em colaboração com pessoas "muito mais interessantes" que ele.

Von Wong tem duas versões para a sua história. Aquela que o engenheiro feito "artivista" “conta ao mundo” e a que merece ser contada e ouvida: “o relato do que realmente aconteceu” desde que, há seis anos, um engenheiro de minas “promissor”, mas “profundamente aborrecido”, comprou uma câmara fotográfica (no rescaldo de um desgosto amoroso).

Esta última é a versão que tropeça em incertezas, projectos falhados e planos alterados mais vezes do que seria desejado — os mesmos que Benjamin se senta a contar ao P3, horas antes de subir ao palco do National Geographic Exodus Aveiro Fest, que decorreu no fim-de-semana de 1 e 2 de Dezembro. O festival reuniu conhecidos fotógrafos e videógrafos de viagem e aventura no Centro de Congressos de Aveiro e ele, o único que “não encaixava em nenhuma das categorias”, sussurra, sentia-se “a pessoa estranha na sala”.

Benjamin Von Wong, 32 anos, desenvolve campanhas artísticas virais com impacto social. "Extravagantes, únicas, partilháveis", enumera, em jeito de mantra. Através de imagens conceptuais e hiper-realistas, em cenários fantasiosos quase retirados da ficção-científica que ele mesmo cria com o que tiver à mão, alerta para o excesso do lixo electrónico, o (ab)uso dos plásticos descartáveis, a contaminação das microfibras sintéticas, a poluição provocada pela indústria da roupa rápida. Tanto os materiais como as dezenas de voluntários, artistas, organizações, associações com que colabora e sofás onde muitas vezes dorme são conseguidos por crowdsourcing, através de apelos nas redes sociais e de comentários da comunidade online que luta por juntar. Exemplo: "Estou em São Francisco, com quem é que devo trabalhar?"

PÚBLICO -
Foto
Benjamin Von Wong, 32 anos, durante a sua apresentação no Exodus, em Aveiro Adriano Miranda

“As pessoas gostam de fazer parte de algo maior que elas. Posso não conhecer ninguém quando chego a uma cidade, mas só é preciso uma pessoa que acredite em ti para que o projecto se alinhe, já que toda a gente conhece sempre alguém”, disse à Adobe, quando o blog da empresa que detém o Photoshop o descreveu como a "personificação de uma nova geração de criativos”. Ficaram impressionados com a energia, entusiasmo e rapidez com que o artista “constrói algo do nada”.

O canadiano nem tão pouco se vê como fotógrafo — antes, considera-se um “criativo” ou "artivista" (alguém que usa a arte como activismo). Mais ainda porque, agora, planeia pousar a câmara e focar-se em instalações artísticas. Deixou de ver a fotografia como a forma "mais eficaz de conseguir criar impacto”, conta. Para o artista, “o problema com a fotografia e com todo o conteúdo digital é a saturação de conteúdos e distribuição algorítmica”. Ou seja: “Não importa o quão bom o teu trabalho é, só vai ser popular durante um dia ou dois. E se tiveres sorte.”

Com as instalações que agora planeia erigir, primeiro no Egipto e em Janeiro no Vietname, recorrendo a cem mil palhinhas, quer “poder construir um só mundo para depois toda a gente com uma câmara poder tirar uma fotografia". E, assim, consigo escalar o impacto. Talvez. Talvez não. "Não sei porque ainda não experimentei”, esquiva-se, entre risos.

Vai andar por estes dias no Egipto, a tentar construir “o armário mais alto do mundo”. Imagina-o com dez metros para que lá dentro se exponha “a quantidade absurda de roupa que usamos durante a vida toda” (Ben usa quase todos os dias as mesmas peças de roupa: umas calças pretas largas e uma camisola com o seu nome e logótipo).

PÚBLICO -
Foto
O tornado criado com roupa semi-acabada numa fábrica abandonada, no Camboja Benjamin Von Wong/ Clothing the Loop

Já em Abril último, Von Wong chamou a atenção para o mesmo tema com o projecto Clothing The Loop, em colaboração com o movimento global Fashion RevolutionCom a ajuda de 45 voluntários, armados com máscaras, encheu um armazém abandonado no Camboja com os milhares de sacos de roupa inacabada que a fábrica que ali existia deixou para trás, depois de falir. A ideia: resgatar 2500 quilogramas de tecido no qual ninguém tocava há dez anos. A mesma quantidade de roupa que, em média, uma pessoa usa durante a sua vida e que, “muitas vezes, fica esquecida no armário”. Os panos foram pendurados de forma a simular um tornado (para mostrar o quão “destrutiva e poluente é a indústria de moda rápida”), uma cascata (“São precisos 2700 litros de água para fazer uma só t-shirt de algodão.”) e uma árvore (“Sabias que 70 milhões de árvores são cortadas todos os anos para fazer a roupa que usamos?”). Metáforas que ele depois imortalizou numa fotografia.

“Ouvir estas estatísticas é uma coisa, mas ficar cara a cara com elas é outra. É esmagador ficar tão perto da verdade”, comentou, ao ver a instalação, Laura François, a coordenadora da Fashion Revolution em Singapura que encontrou o armazém abandonado depois de Benjamin lhe ter pedido para “procurar o maior monte de roupas que conseguisse”.

Como um esquilo a coleccionar nozes

É este o modus operandi do artista: “Tudo o que faço é andar constantemente à procura de pessoas interessantes para depois lhes dizer ‘Ei, vamos fazer alguma coisa juntos’”. Como se coleccionasse peças de um puzzle. “Falo com muita gente para perceber em que é que estão a trabalhar, o que é que gostam, quem conhecem, com o quê que se preocupam. Colecciono as informações como um esquilo a coleccionar nozes e depois planto-as na esperança que algumas delas cresçam para algo, sendo que a maior parte delas se perdem. Muito do meu trabalho é fazer o melhor com o que tenho.”

PÚBLICO -
Foto
Um dos primeiros vídeos do artista foi uma "sinfonia" cujos sons eram disparos de câmaras fotográficas Adriano Miranda

Enveredou pela Engenharia porque, aos 17 anos, “não tinha nada melhor para fazer”. O pai até era engenheiro e o programa de minas “era o que pagava melhor e tinha as melhores oportunidades de viagens”, mas depois de três anos e meio a trabalhar como consultor numa mina em Nevada, abandonou a área. Apercebeu-se que não se imaginava a fazer o mesmo, dez anos depois. “E que por isso devia começar a pensar no que queria realmente fazer.”

Antes de se despedir da empresa de consultoria, já tirava fotografias depois do trabalho e aos fins-de-semana. Usava a sua primeira máquina, que comprou depois de uma rapariga lhe ter dito que, entre eles, estava tudo acabado (e ele, com menos de 21 anos, “ainda não podia beber para esquecer"). Na altura, “só queria viajar” e arranjou uma forma de o fazer sem gastar muito dinheiro: “Dava um workshop [de fotografia ou produção], tinha um voo grátis, ganhava algum dinheiro, esperava até alguém me convidar para o próximo local e repetia. Porquê parar?”

Estava ainda no capítulo um: “Von Wong, o fotógrafo louco” (que começou por falhar logo ao tentar fotografar o céu estrelado). Como não sabia falar com modelos, retratava-se a si mesmo, cobria eventos, aventurava-se no Photoshop, nos efeitos especiais, no cosplay, levava a câmara para todo o lado, aprendia com tutoriais e versões trial de programas de edição. Por ter “aprendido tanto na Internet” é que partilhar, até os "falhanços", faz parte do seu processo criativo: tem vídeos a explicar, por exemplo, como é que para tirar uma fotografia pegou fogo a uma pessoa, pendurou ciclistas e corredores amadores num arranha-céus para a Nike ou amarrou uma modelo aos destroços de um barco em Bali, 30 metros debaixo de água. 

"Fiz muitas destas coisas por nada mais do que ser criativo, ser reconhecido e pago. Mas depois de perceber como é que podia ser pago como fotógrafo comercial, fartei-me disso." Entramos noutro capítulo: Von Wong, o "artivista" que só procura e aceita projectos com impacto social positivo. E que, a cada um deles, "perde a esperança". "Na vida real acho que estamos lixados, mas tento sempre mostrar um lado mais optimista e encorajador no meu trabalho", confidencia. "Parece fazer mais sentido tentar deixar o mundo melhor, do que simplesmente não tentar de todo. Isto é a base do que faço", ri-se, a medo.