Convite de DJ para Bola de Ouro feminina dançar twerk gera polémica

Depois de se tornar a primeira Bola de Ouro feminina, Ada Hegerberg não recebeu de bom grado em directo o convite de Martin Solveig para dançar um twerk. As acusações de sexismo nas redes sociais não tardaram em surgir.

Foto
Ada Hegerberg ficou visivelmente desagradada com Martin Solveig em directo LUSA/YOAN VALAT

Até chegar o momento de se saber oficialmente que Luka Modric iria ser o Bola de Ouro 2018 para a revista France Football, a gala em Paris ficou marcada pela entrega do mesmo galardão à melhor jogadora do ano. Ada Hegerberg, a norueguesa que joga nos franceses do Lyon, foi a primeira mulher a receber esta distinção mas, logo a seguir, chegou a polémica.

Depois de receber o prémio, o apresentador da gala e ex-jogador de futebol David Ginola, levou Hegerberg a outro dos anfitriões da cerimónia, o DJ Martin Solveig. Este já tinha convidado outros premiados da gala como Kylian Mbappé para dançar e com a jogadora teve intenções de fazer o mesmo, mas para que esta fizesse um twerk. A futebolista negou logo essa proposta com um “não” ao mesmo tempo que parecia chocada, mostrando que queria abandonar o palco, e a abanar a cabeça em negação.

O momento partilhado nas redes sociais gerou polémica. O DJ Martin Solveig foi duramente criticado e acusado de assediar sexualmente Ada Hegerberg. O músico mostrou-se "bastante chateado com as proporções que a situação atingiu", diz a jogadora, e pediu-lhe desculpa.

"Eu expliquei a Ada e ela disse ter compreendido que foi apenas uma piada. De qualquer forma, apresento as minhas desculpas a todos os que se sentiram ofendidos. E mais importante, parabéns a Ada", disse o músico nas redes sociais, junto de uma foto a cumprimentar Hegerberg. “Muito feliz” por vencer a primeira Bola de Ouro feminina, a jogadora deixou ainda uma garantia: "Naquele momento, não considerei tratar-se de assédio sexual ou algo do género".