PP quer governar na Andaluzia e pisca o olho à extrema-direita

Populares perderam votos e deputados nas eleições regionais mas podem destronar o PSOE e voltar ao poder na Andaluzia, liderando uma coligação de direita. Vox pode ser peça chave nas negociações.

Foto
Moreno (PP) garante que se vai apresentar para ser investido presidente da Andaluzia EPA/Jose Manuel Vidal

A derrota eleitoral do Partido Popular (PP) nas eleições regionais da Andaluzia de domingo está em vias de se tornar num triunfo histórico. Os conservadores espanhóis tiveram menos 300 mil votos e perderam sete deputados, em relação a 2015, mas podem vir a beneficiar do pior resultado de sempre do Partido Socialista (PSOE), da entrada inédita do partido de extrema-direita Vox no parlamento autonómico e do boa prestação do Cidadãos para recuperarem o poder na região e porem fim a quase 40 anos de governos socialistas.

Com apenas 27,9% dos votos, equivalente a 33 deputados — menos 14 do que nas últimas eleições —, a candidatura da socialista Susana Díaz fica longe dos 55 necessários para lograr a maioria absoluta e precisa de se coligar para manter o poder. 

Por outro lado, o PP (20,8%, 26 deputados) conseguiu manter-se à frente do Cidadãos (18,3%, 21 deputados) — um dos principais receios do partido para estas eleições, tendo em conta as sondagens dos últimos meses a nível nacional. Se conseguir um pacto com estes e ainda chamar o Vox (11%, 12 deputados) à colação, convidando-os para o governo ou fazendo acordos específicos para receber o seu respaldo no parlamento, pode aspirar a destronar o PSOE.

De fora destas contas do PP está a Adelante Andalucía (16,2%, 17 deputados), a coligação de esquerda composta por Podemos e Esquerda Unida.

Com os populares a assumirem claramente que o seu candidato, Juan Manuel Moreno, se vai apresentar à investidura como presidente da Andaluzia, uma aliança com a extrema-direita — que entra pela primeira vez num parlamento autonómico espanhol — é uma possibilidade forte. “O mandato dos andaluzes foi claro: a Andaluzia quer uma mudança e vai tê-la”, assegurou Moreno.

Mesmo sem referir explicitamente o nome do partido que defende a supressão dos poderes autonómicos, a revogação da lei sobre a violência de género ou a deportação imediata de todos os imigrantes ilegais — e que elegeu 12 deputados sem apresentar uma única proposta para a região andaluz —, o líder do PP, Pablo Casado, anunciou que a “porta das negociações está aberta”. 

PÚBLICO -
Aumentar

E Javier Arenas, ex-ministro e ex-secretário geral do PP, revelou que “vai começar a trabalhar imediatamente com todas as forças e grupos políticos” para “encontrar uma maioria alternativa ao PSOE”. “O monopólio de um só partido acabou”, proclamou.

O El País cita ainda fontes da direcção nacional do PP que sublinham que “o Vox veio para ficar”.

O PP perdeu deputados em Almeria, Málaga, Sevilha e Jaén e só em Huelva é que não foi prejudicado, tendo atingido o segundo pior resultado da sua história em termos de votos. Mas a possibilidade de acabar com quatro décadas de governação socialista é o que marca o estado de espírito dos seus dirigentes, reunidos no domingo na sede nacional: “Estamos eufóricos”.