Falta de motores obriga Autoeuropa a parar em Dezembro e Janeiro

Fábrica de Palmela reduz turnos em dois dias e vai parar totalmente 11 dias. Rápido aumento da procura de motores a gasolina justifica quebras no fornecimento.

Imagem dos carros que a Autoeuropa tem estacionados no porto de Setúbal, à espera de serem expedidos
Foto
Imagem dos carros que a Autoeuropa tem estacionados no porto de Setúbal, à espera de serem expedidos Reuters/Rafael Marchante

A Autoeuropa, em Palmela, vai reduzir a laboração nos dias 9 e 22 de Dezembro, eliminando dois turnos na primeira data e o turno da tarde na segunda, devido à falta de motores. Além disso, entra em paragem colectiva de 23 de Dezembro até 3 de Janeiro de 2019, segundo confirmou fonte da fábrica da Volkswagen ao PÚBLICO nesta segunda-feira.

Os trabalhadores foram informados na sexta-feira da semana passada, 30 de Novembro. Alguns destes períodos de pausa já estavam previstos, disse a mesma fonte, mas foram adicionados mais dias porque os fornecedores de motores às linhas de produção da Autoeuropa não vão conseguir entregar material.

Na base desta quebra está, segundo a mesma fonte da empresa, a falha no fornecimento de componentes necessários para a construção desses motores. A mesma razão já tinha justificado uma paralisação de uma semana, no final de Outubro.

Esses componentes vêm de dois fornecedores europeus, um na Polónia e outro na Alemanha, e não vão chegar a Portugal. Questionado sobre a razão dessa falha estar relacionada com o protesto dos "coletes amarelos" em França – segundo foi noticiado esta tarde pelo Expresso – a mesma fonte negou. E salientou que este problema já se fez sentir noutras unidades de produção do grupo Volkswagen espalhadas pela Europa.

O mesmo é dito por Fausto Dionísio, da Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa. Contactado pelo PÚBLICO, este representante confirma que na semana passada foi necessário anular um turno por causa do impacto do protesto em França, mas explica que "a empresa encontrou rapidamente uma rota alternativa" para fazer chegar o material.

A explicação, segundo a Autoeuropa, é que estes fornecedores europeus de componentes ainda não ajustaram os seus fornecimentos a um aumento da procura por motores a gasolina em detrimento dos motores diesel. Mais uma vez, Fausto Dionísio confirma que a alteração da procura dos consumidores está a ser "muito rápida e profunda" e que tanto as unidades da VW como os fornecedores ainda não se ajustaram ainda à procura por mais motores a gasolina.

O responsável da CT cita o exemplo de uma unidade da VW alemã que vai deixar de produzir meio milhão de encomendas diesel este ano e acrescenta que a Autoeuropa não será a única fábrica do grupo a ter de parar pela falta de motores. "Não há praticamente nenhuma fábrica que não esteja a passar por isto", salienta, dando o exemplo de outra fábrica em Espanha, que também já agendou uma paragem.

Fausto Dionísio anota que o período de paragem foi acertado com os trabalhadores de modo a coincidir com a época festiva do Natal e Ano Novo. "Do mal, o menos."

A mesma fonte da empresa de Palmela também rejeitou, em declarações ao PÚBLICO, a ideia de que o protesto dos estivadores do porto de Setúbal, que está em marcha desde o início de Novembro e afecta o escoamento dos carros montados em Palmela, esteja relacionado com estas paragens.

A Autoeuropa produz 885 carros por dia, a esmagadora maioria do modelo T-Roc, e quase tudo com destino para exportação, via porto de Setúbal, segundo dados da empresa, que vai continuar a utilizar a base aérea do Montijo como parque para a produção à espera de escoamento. A fábrica selou um acordo com aquela base área no Verão, para ali estacionar as viaturas que esperavam pela homologação segundo a nova norma europeia de cálculo de emissões, a Worldwide Harmonized Light Vehicles Test Procedure (WLTP).

Em meados de Novembro, a unidade de Palmela tinha 8000 carros parados à espera para embarcar. Segundo o Expresso, há 20 mil viaturas paradas nesta altura. Questionada pelo PÚBLICO, fonte da empresa recusou-se a dar números ou a confirmar aquele valor.