Parte da cidade construída por Fernando Pimparel
Foto
Parte da cidade construída por Fernando Pimparel Fernando Pimparel

Os maiores coleccionadores de Lego de Bragança construíram uma “cidade Natal”

Foram precisas 400 mil peças de Lego de duas gerações diferentes de coleccionadores para montar uma "cidade Natal", no Mercado Municipal de Bragança. Pode ser vista a partir de 1 de Dezembro, no sábado

A "cidade Natal em Lego", construída com quase 400 mil peças de duas gerações de coleccionadores, é uma das atracções das festividades natalícias de Bragança.

O mundo imaginário está pronto para ser visitado a partir de sábado, 1 de Dezembro, no Mercado Municipal de Bragança. A exposição pode ser vista todos os sábados até aos Reis, integrada no programa do evento Bragança Terra Natal e de Sonhos.

A paixão pelos Legos contagiou em criança Fernando Pimparel, agora com 48 anos, que passou o entusiasmo à filha Maria João, de 12 anos, e que o juntou a Miguel Miranda, que aos dez anos conquistou o título de legoman, tal é a colecção de peças. Miguel já fez uma exposição no Museu Terras de Miranda, em Miranda do Douro. Pimparel já tinha recebido convites para expor as suas construções noutras zonas do país, mas resolveu esperar para se estrear na cidade natal, Bragança, e a oportunidade surgiu este Natal.

Os três foram convidados pela Câmara para mostrar as suas criações e, em duas semanas, instalaram apenas uma amostra do que têm acumulado. Com quase 400 mil peças construíram uma cidade ideal, onde não falta nada: desde a livraria ao hospital, cabeleireiro, cinema, shopping, o comboio que não há em Bragança, avião, espaços verdes, diversões.

Acrescentaram-lhe uma vila Natal com as atracções da quadra, onde sobressai a roda gigante, a preferida de Miguel que levou também réplicas de modelos de carros emblemáticos e dos edifícios mais conhecidos do mundo, desde a Casa Branca à Torre Eiffel. Nas construções não faltam pormenores: desde a mobília nas casas, aos motores nos automóveis ou a lancheira na bagagem para um piquenique.

Os animais e os bonecos "da cabeça quadrada" são os que Maria João mais gosta de construir, além de casas, a preferência também do pai Pimparel, que fotografa moradias reais para replicar em lego. E é um edifício, que também está exposto, o preferido de Pimparel por uma questão sentimental. Construiu com Legos a Casa do Trabalho de Bragança, a instituição para crianças e jovens que acolheu e onde trabalha há 25 anos.

Para quem vê estas construções, tudo parece pequeno, mas é de grandezas que são feitas estas obras daqueles que são os maiores coleccionadores de Legos de Bragança — horas incontáveis de trabalho com este brinquedo "dispendioso", que não conseguem traduzir em investimento.

"Cada pecinha custa dez a 12 cêntimos", contou à Lusa Pimparel, ao mesmo tempo que aponta para alguns exemplares desta exposição. Um comboio ficou em 120 euros, um hospital em 100 euros, o edifício do teatro em 150 euros, um barco 200 euros e numa moradia foram gastos quase 300 euros.

Entre todos, a expectativa é agora ver a reacção da comunidade com quem decidiram partilhar esta paixão, que despertou cedo nos três. Aos seis anos, a mãe ofereceu uma caixa de Legos a Fernando Pimparel e, desde então, brinquedos ou presentes são "sempre Lego, Lego, Lego".

Continua a juntar peças e guarda as que recebeu desde criança "tudo bem cuidadinho", em vitrinas, por causa do pó, num compartimento em casa exclusivamente para ter as peças expostas. As dele e as da filha, que cedo começou a fazer construções com o pai. Não consegue precisar quantos Legos tem: "Sei que tenho cerca de meio milhão de peças, a passar."

Começou a construir seguindo as instruções de manuais e depois passou a transformar as peças naquilo que imagina. "Isso é o que é o interessante do Lego: podermos fazer aquilo que a nossa imaginação nos permitir fazer", sustentou.

"Nunca pensei ter assim tantos Legos com esta idade e espero continuar", diz por sua vez Miguel, agora com dez anos, que fez a primeira construção com dois. Tudo começou numa espera hospitalar por uma cirurgia a que a mãe foi sujeita. Para passar o tempo, o pai comprou um lego num quiosque e o Miguel começou a montar. Achou piada: "É divertido construir e bonito de se ver." Tem muitos Legos em casa, não sabe bem quantos. "São muitos, que eu já perdi a conta", resumiu. "Esta vai ser a minha segunda [exposição], era o meu sonho fazer aqui (em Bragança) uma exposição com o Pimparel, que é o meu amigo", contou à Lusa.

Os Legos são muito mais do que brinquedos, para ele. Para ele são amigos, uma família que espalhada por toda a casa. Além de ajudar "a melhorar o cérebro, a sonhar, os Legos são divertidos", garante.