E o grande prémio do Porto/Post/Doc foi… para o Japão

The Kamagasaki Cauldron War, de Leo Sato, é o vencedor da competição do festival.

Foto
The Kamagasaki Cauldron War, de Leo Sato DR

The Kamagasaki Cauldron War, “ficção do real” encenada pelo japonês Leo Sato com os habitantes de um bairro operário de Osaka, é o vencedor da quinta edição do Porto/Post/Doc. O filme foi escolhido de entre os 14 títulos a concurso ao Grande Prémio do festival, por um júri composto pelas programadoras Kim Busch e Laurence Reymond, pelo crítico Javier H. Estrada, pelo distribuidor Pedro Borges e pelo académico Stoffel Debuysere. O mesmo júri deu uma menção honrosa a Fausto, da canadiana Andrea Bussmann, objecto fantasmagórico a partir de histórias contadas à fogueira.

Foram ainda premiados nesta quinta edição Hamada, filmado pelo galego Eloy Domínguez Serén num campo de refugiados saraui (Prémio Companhia das Culturas para melhor realizador emergente da competição internacional), a curta de Inês Alves No Ângulo das Ruas, sobre o confronto entre a Maputo de hoje e a Lourenço Marques dos tempos coloniais (Prémio Cinema Novo, para filmes da escola), e a longa de Aya Koretzky A Volta ao Mundo Quando Tinhas 30 Anos, sobre a viagem à volta do mundo empreendida pelo pai da realizadora (Prémio Teenage, atribuído por um grupo de estudantes de entre o grosso da programação).

The Kamagasaki Cauldron War pode ainda ser visto este domingo, às 21h30, no Grande Auditório do Rivoli, enquanto à mesma hora decorre a cerimónia oficial de encerramento com a exibição do documentário de Steve Loveridge sobre a cantora M.I.A., Matangi/Maya/M.I.A. (Passos Manuel, 22h).