Uma semana de comédias portuguesas quinhentistas no Chiado lisboeta

O Teatro Maizum volta à Livraria Sá da Costa, em Lisboa, com leituras encenadas de três obras nunca representadas em público. Na Rua Garrett, ao Chiado, desta segunda-feira até 1 de Dezembro.

Foto
Silvina Pereira (ao centro) entre os actores destas leituras DR/TEATRO MAIZUM

Começa esta segunda-feira, na mesma casa que acolheu a edição anterior, a Livraria Sá da Costa, no Chiado lisboeta, a terceira edição dos Clássicos em Cena, promovidos com êxito desde 2016 pelo Teatro Maizum e a colaboração de muitos actores. Em 2016, a “maratona” incluiu leituras de Francisco Sá de Miranda (Os Vilhalpandos), Jorge Ferreira de Vasconcelos (Comedia Ulysippo) e António Ferreira (O Cioso) e em 2107 foi a vez de peças que mostravam o teatro dentro do teatro: o Auto da Natural Invenção, de António Ribeiro Chiado; o Auto dos Sátiros (de autor anónimo); e a Comédia d’El-Rei Seleuco, de Luís Vaz de Camões. Na terceira edição, aquela que agora se inicia, serão lidas “três obras nunca representadas em público”, como as descreve Silvina Pereira, a encenadora e directora do Teatro Maizum, responsável pela iniciativa:

O Auto dos dois irmãos de António Prestes, cujo tema é a astúcia de um velho pai face à ganância filial; o Auto de Florença de João de Escovar, tratando do casamento entre desiguais originando castigo, abuso e traição cujo desfecho inesperado repõe a justiça por via da mulher; e o anónimo Auto de Dom Fernando, expondo a perspectiva feminina sobre a vida de casada, e onde o Amor é retratado através de cenas dramáticas de grande comicidade.” Este projecto singular, diz Silvina Pereira, reposiciona o teatro português do século XVI “como um lugar que devemos revisitar e conhecer” e também como “um património que merece ser estudado, preservado e representado.”

Leituras encenadas e tertúlias

As sessões, com leituras encenadas e conferências, começam esta segunda-feira, dia 26, às 19h, com a leitura encenada do Auto dos dois irmãos, de António Prestes, seguida de uma tertúlia em torno da obra, com a participação de José Camões (da Universidade de Lisboa), Eduardo Frazão, Margarida Rosa Rodrigues e Silvina Pereira. Será às 20h. No dia 28, quarta-feira, à leitura encenada do Auto de Florença, de João de Escovar (19h) segue-se nova tertúlia (20h), com Elizabeth Evenden-Kenyon (da Universidade de Oxford), Júlio Martín e Silvina Pereira. E dia 30, nos mesmo horários, 19h e 20h, haverá a leitura encenada da terceira e última obra, a Auto de Dom Fernando (de autor anónimo) e uma tertúlia com Isabel Almeida (Universidade de Lisboa), Paulo Lages e Silvina Pereira. No dia 1 de Dezembro, encerramento dos Clássicos em Cena, haverá a integral da trilogia. A sessão começa mais cedo, às 17h, com o Auto dos dois irmãos, seguindo-se o Auto de Florença (18h30) e o Auto de Dom Fernando (20h00). Às 21h30, para acabar em festa, a organização preparou um espaço de “convívio e iguarias.”

Com direcção de Silvina Pereira, esta edição dos Clássicos em Cena tem interpretação de Ana Saragoça, Ana Sofia Santos, Augusto Portela, Carla Bolito, Daniela Serra, Eduardo Frazão, Filipa Marcos, Guilherme Barroso, Isabel Fernandes, João Didelet, João Ferrador, Júlio Martín, Lara Mesquita, Manuel Coelho, Manuel Vieira, Marco Mendonça, Margarida Rosa Rodrigues, Maria Ribeiro, Marta Kaufmann, Mauro Hermínio, Miguel Raposo, Miguel Vasques, Paulo Lages, Rui Pedro Cardoso, Silvina Pereira, Susana Sá e Tiago de Almeida. A entrada é livre (sujeita à lotação da sala).