Hamilton fecha temporada com triunfo na despedida de Alonso

Piloto britânico somou o 11.º triunfo da temporada, em 21 corridas.

Foto
Alonso e Hamilton no final da corrida Reuters/HAMAD I MOHAMMED

Lewis Hamilton confirmou, pela 11.ª vez esta temporada, a sua superioridade com a vitória no Grande Prémio de Abu Dhabi, derradeira corrida da temporada de Fórmula 1. Para além do triunfo inglês, o circuito de Yas Marina marcou a última corrida de vários pilotos nas respectivas equipas. Para Fernando Alonso, porém, a prova assinalou o adeus definitivo à Fórmula 1. O histórico piloto espanhol conquistou o bicampeonato pela Renault em 2005-06, merecendo, este domingo, a homenagem de Hamilton e Vettel que, após a bandeira axadrezada, fizeram guarda de honra ao homem da McLaren na recta da meta.

Nas 54 voltas ao circuito de Abu Dhabi, o incidente mais sério verificou-se nos instantes iniciais. Num acidente aparatoso que envolveu Hulkenberg e o piloto da Haas, Roman Grosjean, o Renault saiu projectado após um toque ligeiro na roda dianteira do rival. A viatura acabaria por ficar virada ao contrário, deitando fumo pelo motor. A rápida intervenção dos stewards impediu que o acidente tivesse consequências mais graves.

A intervenção do safety car prolongar-se-ia por quatro voltas, devido à dificuldade em remover piloto e carro da pista. Lewis Hamilton aproveitou a bandeira verde para se afastar dos adversários, deixando Valtteri Bottas, colega de equipa, a dois segundos. Esse progresso seria infrutífero porque, na sétima volta, Kimi Raikkönen teve uma despedida indesejada da Ferrari: os problemas mecânicos trouxeram de volta a bandeira amarela e, com ela, o abrandamento da corrida. O finlandês foi obrigado a desistir, marcando o primeiro abandono da escuderia italiana em dez edições no circuito de Yas Marina.

Hamilton aproveitou a paragem para visitar as boxes e Bottas ascendeu à liderança da corrida. Esse seria o último momento positivo para o finlandês, que terminaria a prova em quinto lugar, ultrapassado por Vettel, Verstappen e Ricciardo. Por sua vez, o britânico não tremeu na liderança, fazendo o percurso de forma exímia e somando a 11.ª vitória da temporada. A época de 2018 confirmou, uma vez mais, o domínio avassalador da Mercedes, que juntou o Mundial de construtores ao de pilotos.

Em 2019, apenas duas equipas manterão o alinhamento, com várias mudanças ainda por definir. A construtora alemã pretende manter a hegemonia, mas a Ferrari, com a contratação de Charles Leclerc, ambiciona voltar a ser uma séria candidata ao título. A Mercedes apostará em Esteban Ocon, piloto que sairá da Force India e que se tornará piloto de reserva da equipa germânica.