Das Flores à Formosa: a segunda vida do alfarrabista despejado

Até dia 28 de Fevereiro, João Soares tem de empacotar os milhares de livros que há 21 anos acumula na Rua das Flores. A mudança magoa. Mas desistir não é opção. Alfarrabista vai abrir na Rua Formosa.

Foto
João Soares tem um alfarrabista na Rua das Flores há 21 anos Paulo Pimenta

Passa das cinco da tarde, a noite começa a cair na Rua das Flores, e João Soares faz as contas ao negócio. Até àquela hora tinha vendido apenas cinco livros. Um dia normal na vida de um alfarrabista a moldar-se a um negócio em crise na artéria portuense que os turistas adoram. Não será por eles que Soares terá saudades da sua “casa” quando, a 28 de Fevereiro, fechar definitivamente a porta número 40 da sua livraria. Depois de um aviso de cessação do contrato feito há coisa de um ano, o alfarrabista vai mesmo abandonar a rua onde tem loja há 21 anos. Mas não desistirá do negócio: em Março – ou antes, se as mudanças acelerarem –, estará no número 231 da Rua Formosa.

A saga para encontrar um novo espaço no Porto foi longa. João Soares deu de caras com um mercado em estado catatónico, onde descobrir rendas com menos do que quatro dígitos é quase um achado. Na Rua das Flores, diz, o metro quadrado ronda os 70 euros. Noutras zonas apetecíveis para o comércio, está igualmente caro. Até ao aviso de que o prédio seria vendido, tinha um contrato com renda de 85 euros. Por estes dias, paga 750 (e chegou a pagar 850), o mesmo valor que terá de reembolsar na nova casa.

PÚBLICO -
Foto
Alfarrabista tem de sair da Rua das Flores até 28 de Fevereiro Paulo Pimenta

No negócio dos livros, João Soares estima vender hoje “metade do que vendia há dois anos”. E se reconhece nisso uma consequência dos deficitários hábitos de leitura dos portugueses e da concorrência da Internet, a metamorfose da cidade também não pode ser esquecida. “Nesta rua, deve haver uns 20 moradores fixos neste momento”, lamenta. “A clientela já não vem para aqui...”. E as enchentes de turismo na rua pedonal, transformada em abrigo de andaimes e materiais de construção, tantos são os edifícios a reabilitar, pouco ajudam: “Os turistas compram postais e tiram fotografias sem pedir autorização. Comprar livros, nem por isso...”

Na Rua Formosa, o alfarrabista de 73 anos terá uma loja de tamanho semelhante, mas sem armazém. Esse imbróglio está ainda por resolver: “Falta arrendar um outro local para guardar os livros”, diz, “uns cinco ou seis mil”, contas feitas por baixo. Na artéria junto à Rua de Santa Catarina, Soares terá concorrência – a Livraria Lumière, a cafetaria com livros Alambique, o alfarrabista Manuel Ferreira – e isso é factor de ânimo para ele.

Não foi longe dali que o pai o apresentou um dia aos livros, no Centro Literário Marinho, na Rua de Fernandes Tomás. João Soares teria uns dez anos e nunca mais perdeu o encanto. Morador no Bonfim e estudante no Liceu de Alexandre Herculano, passava horas infindas na Biblioteca Pública Municipal do Porto. Pelos 14 anos, já tinha lido metade da obra de Júlio Verne.

O seu primeiro emprego foi numa papelaria na Praça da Batalha, mas foi como bancário, no Banco de Angola, que fez carreira profissional por mais de 30 anos. Sempre com o coração nos livros. “Quando era mais novo, dividia os meus dias em três partes: manhãs, tardes e noites”, conta, sorridente: “Fumava um maço de tabaco por cada parte. Só não fumava a dormir e a ler”. A primeira vez que se pôs a vender foi na feira de Vandoma, recorda: “Estiquei um pano no chão e pus os livros.” Ganhou o gosto. Não parou mais.

Não há palavras capazes de explicar a resistência neste ofício que “não se ensina mas se aprende todos os dias”. João Soares brinca: “É uma pancada que tenho. Não gosto de futebol, não sei jogar cartas, sou um reformado bancário. Ia fazer o quê?”. Do número 40 da Rua das Flores, sairá dentro de dias a última moradora do prédio comprado por investidor chinês. João Soares ficará mais uns meses no rés-do-chão, conformado com o entra-e-sai de gente a analisar a área e a cogitar o futuro da loja. Provavelmente mais um “comes e bebes”, a juntar aos muitos existentes na zona. “É uma tristeza profunda”, deixa sair em surdina, mas não é o fim da história. “Não penso parar. Só mudo de casa...”