Croácia mentalmente mais forte em Lille

A França nunca recuperou de 0-2 numa final da Taça Davis.

Foto
LUSA/YOAN VALAT

Eram poucos os adeptos croatas, mas conseguiram calar os 24 mil fãs franceses que esperavam ver a sua selecção adiantar-se no primeiro dia da final da Taça Davis. Mas o que o público presente no Estádio Pierre-Mauroy, em Lille, viu foi a ausência de argumentos de Jérémy Chardy e Jo-Wilfried Tsonga para suster a forte determinação dos croatas Borna Coric e Marin Cilic, que colocaram a Croácia em vantagem, por 0-2.

“O factor mais impressionante foi a força mental de ambos os meus jogadores. Disse-lhes antes que podiam esquecer todas as estatísticas e registos, porque é uma final e estamos a jogar fora e Coric e Cilic não se deixaram impressionar pela multidão”, disse o capitão croata, Zeljko Krajan, em contraste com o seu homólogo francês, Yannick Noah: “Perdemos contra dois jogadores que foram melhores, estiveram ambos a outro nível. Tentamos sempre até ao último ponto, mas vai ser muito duro.”

Chardy entrou mal no encontro, desperdiçou uma vantagem de 40-0, cometendo vários erros no jogo de abertura (incluindo duas duplas-faltas), culminado no primeiro de quatro breaks, que os 14 ases não evitaram. Coric, que esta época subiu do 48.º para o 12.º lugar do ranking, anulou os dois break-points que enfrentou, com dois primeiros serviços, e cedeu somente 16 pontos nos 15 jogos de serviço, para vencer, por 6-2, 7-5 e 6-4.

Tsonga só conseguiu ganhar mais um jogo e aguentar mais dois minutos que o seu compatriota, ao ceder diante de Cilic: 6-3, 7-5 e 6-4. O veterano francês não aproveitou nenhum dos cinco break-points a seu favor e actuou diminuído no terceiro set, devido a lesão.

Para o encontro de pares de sábado, estão anunciadas duas duplas de especialistas: os franceses Pierre-Hugues Herbert/Nicolas Mahut, recentes finalistas nas ATP Finals, e Ivan Dodig/Mate Pavic. Mas a esperança tricolor é a última a morrer: por quatro vezes na história da Taça Davis, a França conseguiu recuperar de 0-2, embora nunca numa final.