Presidente fez visita-relâmpago a Borba

O Presidente da República visitou esta terça-feira o local onde ruiu a estrada municipal 255, no concelho de Borba.

O Presidente esperou quase 24 horas antes de visitar Borba
Foto
O Presidente esperou quase 24 horas antes de visitar Borba Nuno Ferreira Santos

Marcelo Rebelo de Sousa fez hoje uma "visita relâmpago" ao local onde ruiu a estrada municipal 255, no concelho de Borba, um acidente já com dois mortos confirmados e quatro desaparecidos. O Presidente chegou ao local às 13h30 e saiu 15 minutos e preferiu não prestar declarações aos jornalistas.

A Lusa cita fontes locais para avançar que Marcelo Rebelo de Sousa visitou o "teatro de operações" na pedreira e o posto de comando e regressou a Lisboa.

Na tarde de segunda-feira, uma estrada abateu e o deslizamento de terras para uma pedreira provocou, pelos menos, dois mortos, e vários desaparecidos. Segundo o comandante distrital de operações de socorro de Évora, José Ribeiro, estão confirmados dois mortos, operários da empresa que explora a pedreira. As autoridades procuram ainda um número indeterminado de vítimas, cujas viaturas em que seguiam terão sido arrastadas para o interior da pedreira. As autoridades de socorro destacaram a "complexidade" das operações em curso, sublinhando que vão ser "morosas e difíceis".

O Ministério Público instaurou, entretanto, "um inquérito para apurar as circunstâncias que rodearam a ocorrência", referiu a Procuradoria-geral da República, em resposta enviada à agência Lusa.

A visita de Marcelo Rebelo de Sousa é uma linha de actuação que lhe é característica desde que foi eleito Presidente da República, e que já lhe mereceu reparos oficiais, nomeadamente no caso dos incêndios de Pedrógão, em que a sua deslocação ao local na mesma noite da tragédia mereceu uma observação crítica no relatório da Comissão Técnica Independente. 

Desta vez, o chefe de Estado esperou cerca de 24 horas antes de visitar o local.