André procura Abandonados e fotografa-os. O Blog do Ano é dele

André Ramalho pegou em duas paixões — a fotografia e os edifícios desocupados — e juntou-as num blogue, Abandonados, que abre portas há muito fechadas e desvenda histórias esquecidas. Foi eleito o Blog do Ano .

Fotogaleria
André Ramalho
Fotogaleria
André Ramalho
Fotogaleria
André Ramalho
Fotogaleria
André Ramalho
Fotogaleria
André Ramalho
Fotogaleria
André Ramalho
Fotogaleria
André Ramalho
Fotogaleria
André Ramalho

Foi numa noite de saída com amigos, nas Caldas da Rainha, que um grupo decidiu visitar uma discoteca abandonada e ver o que lá se passava. Entre eles, em 2014, estava André Ramalho, vencedor do prémio final do Blog do Ano da Media Capital, que ficou fascinado com o edifício e decidiu voltar no dia seguinte, dessa vez já com máquina fotográfica em punho. A partir daí “apanhou-lhe o gosto” e começou a procurar mais “abandonados” e a arquivá-los num blogue com esse mesmo nome, nascido em 2017.

Ao telefone com o P3, André, designer de interfaces de 28 anos, explica que a ideia era “divulgar as histórias e imagens dos sítios”, contar o que ia descobrindo. Começou, então, “pelos locais mais fáceis” — as fábricas e edifícios que encontrava na zona onde morava —, mas depois foi procurando “coisas melhores”. Agora, viaja com a namorada, que partilha a mesma paixão, e juntos tiram “um dia para explorar as cidades que visitamos e outro para fotografar abandonados”, conta.

Foto
André Ramalho tem 28 anos e vive nas Caldas da Rainha.

Encontrar e fotografar abandonados “depende da sorte”. “Às vezes vejo dez sítios bons e só consigo tirar fotos a um ou dois; outras vezes consigo tirar a sete.” E, além da sorte, é preciso cuidado. O fotógrafo conta que recentemente sofreu uma lesão, ao trespassar o muro de um palácio em Lisboa, e relembra a importância de não partir para a descoberta dos abandonados sozinho: “Não é só por ter que saltar muros, ou janelas, mas porque muitos dos edifícios têm telhados a cair, o chão pode ceder, entre outras coisas.”

Foto
André Ramalho

Mas como é que se descobre estes sítios esquecidos e que encerram em si tanta história? “Uma das formas é o Google, andar pelo Google Maps à procura de edifícios que pareçam abandonados. Depois tenho de ir ao sítio confirmar se realmente estão. Outra opção é através de grupos no Facebook ou de pessoas que fazem isto e trocar informações”, explica. André aproveita o tempo livre para vasculhar o país e é na zona Norte, mais concretamente no Porto, que tem encontrado mais abandonados.

Foi precisamente no Norte do país que encontrou uma das casas que mais gostou de descobrir — a Casa Azul, como lhe chamou, “porque o interior é maioritariamente azul”. “Dentro da casa tinha um piano, um altar, toda a mobília, muitas molduras. Eu entrei lá e pensei: ‘Isto é brutal!’. Foi a primeira casa que visitei que estivesse em tão bom estado, era mesmo muito bonita.”

Foto
André Ramalho

Um ano e meio depois do início da aventura, “Abandonados” valeu-lhe o prémio Blog do Ano atribuído pela Media Capital, que à terceira edição adoptou o mote “irreverência”. Para o fotógrafo, foi precisamente o conceito do blogue que lhe deu a vitória: “Julgo que o prémio se deveu ao facto de eu ter um blogue diferente na edição em que procuravam algo irreverente". "Acabei por não ganhar na categoria viagens, que era a que tinha concorrido, mas ganhei o prémio final e não estava nada à espera, porque o meu blogue é muito pequeno em comparação com outros que estavam [nomeados]”, refere. “O meu blogue tem umas 40 publicações em um ano e meio. Mas demoro muito tempo a escrever os textos, a editar fotos e a despender de fins-de-semana para viajar a esses locais”, lamenta.

“Estou a pensar lançar um canal no YouTube com a minha namorada, para tentar divulgar estes locais. As pessoas normalmente vêem o resultado final da exploração, que são as fotografias, mas com vídeo talvez seja mais fácil fazer com que sintam o momento em que estamos a explorar, a descobrir e a mexer nas coisas.”