Startups: Porto captou mais investimento do que Lisboa

A capital portuguesa tem sido a preferida dos investidores estrangeiros, mas com a ajuda dos nacionais, o Porto chegou, pela primeira vez, ao topo nas contas totais dos últimos cinco anos.

Foto
Nos escritórios da Veniam, no Porto, acompanha-se veículos que foram transformados em pontos de acesso à Internet fvl Fernando Veludo/NFACTOS

As 25 startups portuguesas com cinco anos de vida e o crescimento mais rápido (e que por isso se designam também scale-ups) angariaram 110,7 milhões de euros de financiamento nacional e estrangeiro entre 2012 e 2017. Em termos internacionais, é um valor irrisório (equivale a 0,21% dos 52,4 mil milhões investidos na Europa em startups em 2017), mas em termos nacionais representa 60% dos 185 milhões de euros angariados pelo ecossistema nacional de startups, composto por 406 empresas. A novidade é que Lisboa é ultrapassada pelo Porto, que assim se destaca como a cidade com mais capital angariado para as startups mais promissoras.

Os números são do relatório Scaleup Portugal 2018, divulgado nesta terça-feira. O primeiro dado a ter em conta é que o levantamento exclui as startups com mais de cinco anos de vida – o que deixa desde logo de fora duas grandes, a Talkdesk (o novo "unicórnio" português) e a Outsystems, por exemplo.

O documento lista as 25 maiores scale-ups portuguesas, escolhendo-as do universo de empresas com menos de cinco de existência e ordenando-as com base no dinheiro angariado, nas receitas totais, no rácio rotação do activo (capital turnover, resultado da divisão das vendas pelo activo) e no número de postos de trabalho criados.

Nesse sentido, a lista é encabeçada pela Unbabel (Lisboa), seguida da Veniam (Porto) e da 360imprimir (Torres Vedras). Em termos sectoriais, cinco das dez primeiras são da área das tecnologias da comunicação e informação, sector que de resto dominou as preferências dos investidores, captando 73 milhões de euros (ou 40% dos 185 milhões investidos em startups nacionais).

A Unbabel é uma plataforma de tradução que combina inteligência artificial com uma comunidade de pessoas. A Veniam, por seu lado, começou por produzir tecnologia que transforma veículos em pontos de acesso à internet e agora já olha para outras inovações como veículos autónomos. A 360imprimir desenvolveu um software que permite reduzir 80% dos custos de produção de material gráfico para comunicação das pequenas e médias empresas.

O relatório confirma tendências que já vinham de 2017 – ano do primeiro relatório Scaleup Portugal – como o facto de os estrangeiros serem os principais investidores no top-25: quase 73% do financiamento veio do exterior, mostrando que os investidores portugueses são mais avessos ao risco, mesmo quando estão em causa startups que estão rapidamente a escalar o negócio.

Mas há um dado novo, quiçá inesperado, no Scaleup Portugal 2018: pela primeira vez, o Porto é a região com mais fundos investidos e mais receitas geradas, ultrapassando Lisboa. A capital portuguesa foi mais atractiva para estrangeiros do que a congénere do Norte, mas os investidores nacionais apostaram mais nas scale-ups do Porto. E no cômputo geral, o empurrão dos portugueses colocou o Porto no topo do investimento total.

Ainda que o tipo de negócio e de indústria seja mais relevante para um investidor do que a origem geográfica dos empreendedores, este dado baralha um pouco o debate nacional, podendo dar-lhe mais densidade. Lisboa concentra centros de decisão; tem a Web Summit e um papel estratégico na política nacional do empreendedorismo; é em Lisboa que se tenta criar um hub de empreendedorismo reconhecido internacionalmente; mas é no Norte que, desta vez, se concentraram as apostas mais atractivas para os investidores nacionais. 

O que pode levantar a questão de se saber como potenciar o interesse dos estrangeiros e, no reverso da medalha, debater por que há apostas tão diferentes entre venture capital português e o estrangeiro, que preferiu apostar em projectos de Lisboa.

E não é sequer uma dicotomia Porto-Lisboa que emerge destes dados: Coimbra é a terceira cidade do ranking, sobretudo graças ao esforço feito pelo Instituto Pedro Nunes e graças às apostas canalizadas pelo Centro 2020, que foi aliás o maior financiador nacional (nove milhões no total).

Analisando a lista das maiores 25 scale-ups (detalhada mais abaixo), conclui-se que as cinco indústrias mais atractivas são (por esta ordem) a Internet das Coisas, a Saúde, o software empresarial, o marketing e a fintech (ou tecnológicas financeiras). Esmiuçando os investimentos por origem geográfica, verifica-se que Portugal é o maior investidor individual (30 milhões), seguido dos EUA, Reino Unido, Bélgica e França. A presença da Bélgica nesta lista explica-se pelo papel importante que a Comissão Europeia tem tido no financiamento do empreendedorismo em Portugal.

O relatório conclui ainda que o sistema português de venture capital "está a amadurecer, mas ainda se encontra na infância". E sustenta essa informação com o facto de o investimento médio dos portugueses em projectos nacionais ser bastante pequeno (1,5 milhões de euros), muito abaixo (menos 121%) do investimento médio feito nos EUA, no Reino Unido ou na Suécia. O valor médio de investimento sobe para 2,5 milhões se se isolar o venture capital português nas scale-ups mais promissoras, mas mesmo esse valor fica longe das médias internacionais. 

Outro dado relevante tem a ver com o emprego: as 25 maiores scale-ups geraram, nestes cinco anos, cerca de 850 postos de trabalho; apenas 1% são part-time; e a presença feminina, ainda que crescente, fica 30% abaixo da presença masculina.

O relatório Sacelup Portugal (pode ser descarregado aqui mediante requisição) resulta de uma colaboração entre a EIT Digital e a BGI e tem uma série de parceiros nacionais e internacionais.