Matosinhos vence prémio europeu para iniciativas ecológicas

Fruto da parceria entre a câmara municipal e o centro de engenharia CEiiA e co-financiado pelo Fundo Ambiental, o projecto Matosinhos Linving Lab Carbono Zero acaba de ser distinguido na Áustria, vencendo aos concorrentes holandês e eslovaco

Foto
Projecto português visa promover a descarbonização da cidade de Matosinhos Paulo Pimenta

O projecto Matosinhos Living Lab Carbono Zero juntou-se a uma longa lista de vencedores portugueses dos prémios europeus de promoção do empreendedorismo e conquistou esta terça-feira a categoria “Apoio ao desenvolvimento do mercado ecológico e à eficiência dos recursos “.

Numa cerimónia que teve lugar em Graz, na Áustria, o projecto de Matosinhos impôs-se a dois finalistas provenientes da Holanda e da Eslováquia - o primeiro, o HAS Food dedicado ao aproveitamento de recursos alimentares e o segundo à criação de uma rede de partilha de bicicletas em cidades eslovacas.

A ideia do Living Lab passa pela definição de um bairro piloto da cidade, entre as ruas de Goa e do Conde Alto Mearim, em Matosinhos, onde serão aplicadas no horizonte de três anos “soluções tecnológicas, organizacionais e sociais” que combinam a mobilidade inteligente e sustentável, a energia, o ambiente e a conectividade. Todas essas soluções têm o objectivo de promover a descarbonização da cidade.

Financiado em 500 mil euros pelo Fundo Ambiental e no mesmo valor pela autarquia, o projecto resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Matosinhos e o CEiiA, um centro de engenharia avançada, com sede na cidade. No seu desenvolvimento participam ainda 18 entidades, desde a Efacec à Universidade do Porto, empresas públicas de transportes como a Metro do Porto e startups.

No bairro que deu lugar ao laboratório vivo para a descarbonização foram ou vão ser aplicadas medidas que reduzem a emissão de CO2. E essa redução será monitorizada e incentivada. As compras locais, por exemplo, dão direito a descontos no estacionamento.

O projecto prevê ainda pavimentos que tendem a reduzir a velocidade dos veículos, a partilha de bicicletas entre pontos nevrálgicos da rede de transportes públicos, a instalação de pontos de carregamento rápido de carros eléctricos, uma casa com telhado feito de painéis solares que acompanham o movimento do sol e candeeiros que ajustam a intensidade da luz ao movimento na rua.

Luísa Salgueiro, presidente da câmara de Matosinhos, confessa que estava à espera da distinção. O Living Lab é na sua opinião a prova de que "é possível construir novas formas de viver em comunidade" e quer que seja “um exemplo para o mundo”. E depois de agradecer a distinção não perdeu a oportunidade de sublinhar outro dos mais importantes activos da sua cidade: “Matosinhos tem o melhor peixe do mundo”.

O jornalista viajou a convite da Comissão Europeia