Olivença apaixona-se e zanga-se em português

Perdida no centro de uma extensa planície rodeada de azinheiras e banhada pela albufeira do Alqueva, Olivença tem sido esquecida por sucessivos governos de Portugal. Desde 2014, mais de um milhar de oliventinos já pediu a dupla nacionalidade.

Fotogaleria
Placas de trânsito indicando as direcções para Olivença Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Ponte da Ajuda, destruída em 1709 pelo exército castelhano. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Travessia da nova ponte sobre o rio Guadiana, inaugurada em Setembro do ano 2000, para ligar Elvas a Olivença, de onde se vê a ponte da Ajuda destruída Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Placa informativa que se está a entrar em “España”. Por baixo alguém escreveu, com tinta branca: “Olivença é nossa. É Portugal". Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Placa anunciando a distância para "Olivenza". Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Torre de menagem do castelo, construída por ordem de D. Dinis, no século XIV. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Turistas em Olivença com o mapa da cidade. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
No largo da Constituição, onde se situa a câmara municipal, preservam-se vários testemunhos do gótico manuelino, como a igreja da Madalena. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
As ruas, avenidas e praças indicam os antigos nomes portugueses, uma reivindicação dos oliventinos, satisfeita pelos responsáveis do município em 2010. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
“Chamo-me Afonso Valério Silva e não quero ser espanhol, sinto-me português” Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Igreja de Santa Maria do Castelo. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Turistas a visitar o castelo de Olivença. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Largo da Constituição, onde se situa a câmara municipal. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
As ruas, avenidas e praças indicam os antigos nomes portugueses, uma reivindicação dos oliventinos, satisfeita pelos responsáveis do município em 2010. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Praça com calçada portuguesa Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
O friso das chaminés de S. Jorge de Alor é o que persiste numa qualquer aldeia do interior alentejano Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nunes Pires um dos presentes, respondeu: “Mi madre hablaba português… eu não, mas tenho a dupla nacionalidade.” Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Aldeia de S. Jorge de Alor, junto de Olivença. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Muralhas e castelo de Olivença. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Calçada portuguesa em Olivença Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Igreja de Santa Maria do Castelo. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Torre de menagem do castelo, construída por ordem de D. Dinis, no século XIV. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Vista da cidade a partir da torre de menagem do castelo. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Vista da cidade a partir da torre de menagem do castelo. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Placa à saída de "Olivenza". Nuno Ferreira Santos

No dia 7 de Maio de 1817, a Acta Final do Congresso de Viena confirmava que Olivença é terra portuguesa e exigia à coroa espanhola que restituísse o território que anexou em 1801, decisão que o país ocupante aceitou, mas não cumpriu, até aos dias de hoje. Os sucessivos governos de Portugal têm reagido com o silêncio à ocupação espanhola, alegando sistematicamente não ser “o momento oportuno” para pedir o cumprimento da decisão do Congresso de Viena. Para superar o impasse, a diplomacia portuguesa recorre à subtileza ao considerar Olivença “território português sob administração espanhola”. No entanto, a Constituição da República Portuguesa de 1976 realça que “Portugal abrange o território historicamente definido no continente europeu”. Olivença apresenta uma configuração triangular com 430 quilómetros quadrados de área, onde vivem cerca de 12 mil habitantes.

Na quarta-feira realiza-se, em Valladolid, mais uma cimeira luso-espanhola, para discutir as relações transfronteiriças, nomeadamente a revitalização das localidades do interior de Portugal e de Espanha. Separada de Portugal há 217 anos na Guerra das Laranjas, Olivença, como é óbvio, não consta da agenda. Ali, porém, a língua portuguesa é cada vez mais incentivada e os oliventinos podem usufruir de dupla nacionalidade.

A primeira “afronta” à decisão do Congresso de Viena evidencia-se quando se atravessa a nova ponte sobre o rio Guadiana, inaugurada em Setembro do ano 2000 para ligar Elvas a Olivença. Logo à entrada do território oliventino, as autoridades espanholas colocaram um painel pintado de azul para informar os automobilistas que vão entrar em “Espana”. Por baixo alguém escreveu, com tinta branca: “Olivença é nossa. É Portugal.”

PÚBLICO -
Foto

A cerca de 11 quilómetros do rio Guadiana e no centro de uma planície aparece o casario branco de Olivença com estruturas arquitectónicas à semelhança das localidades alentejanas. No centro da zona histórica sobressai a torre de menagem do castelo construída por ordem de D. Dinis, no século XIV. As ruas, avenidas e praças indicam os antigos nomes portugueses, uma reivindicação dos oliventinos, satisfeita pelos responsáveis do município em 2010.

No Largo da Constituição, onde se situa a câmara municipal, preservam-se vários testemunhos do gótico manuelino, como a Igreja da Madalena. A sua construção, no século XVI, foi impulsionada por frei Henrique de Coimbra, bispo de Ceuta, que celebrou a primeira missa no Brasil e se encontra sepultado no seu interior. Este monumento, que é a segunda igreja mais representativa do estilo manuelino a seguir ao Mosteiro dos Jerónimos, foi classificado, em 2012, como o melhor recanto espanhol.

Dois casais de portugueses, vindos da Figueira da Foz, depois de uma breve passagem por Vila Viçosa, revelam ao PÚBLICO que o objectivo principal da sua viagem era conhecer Olivença. Depois de terem percorrido a cidade, concluíram: “Reclamar esta terra como sendo portuguesa numa altura em que somos todos ibéricos, não faz qualquer sentido.”

PÚBLICO -
Foto

Um homem de baixa estatura que, a pouca distância, ouvia com a atenção o diálogo, não é de modas: “Os espanhóis roubaram-nos isto.” E repetiu a afirmação fazendo um gesto com a cabeça na direcção da Igreja da Madalena, apontando de seguida as várias construções manuelinas que se concentram a pouca distância umas das outras. “Chamo-me Afonso Valério Silva e não quero ser espanhol, sinto-me português”, acentua. Conta que nasceu em Olivença, mas que a sua avó era filha de um português. Diz que foram os pais que lhe ensinaram a língua lusa, que hoje domina com bastante clareza. “Quando vejo portugueses, só quero falar com eles.” E está feliz por saber que “até mais moços que [ele, que tem 86 anos] já falam” português.  

Ficou patente nos diálogos que o PÚBLICO manteve com oliventinos que estes recorrem com frequência à palavra “saudade”. Alguns levavam a mão ao peito, quando a pronunciavam, e um desabafou: “A minha saudade vem do fundo do coração.” O processo de aculturização que a ditadura de Franco impôs em Olivença foi muito intenso e um retrocesso para a cultura portuguesa, sistematicamente arredada da vivência comunitária ao longo de 200 anos de domínio da cultura e língua castelhanas. Tudo foi feito para apagar a língua portuguesa, mas a resistência manteve-a no seio da família, em clandestinidade. 

Margarida estará na casa dos 40 anos. O PÚBLICO solicita-lhe, em português, informações para visitar determinadas partes da cidade de Olivença. A senhora sorri, enquanto abre o mapa de Olivença e num português quase irrepreensível explica os passos que tínhamos de dar e qual a distância mais curta. Perguntámos como é que aprendeu a falar português. Resposta pronta: “Aprendi a falar português como aprendi a andar. Os oliventinos deixaram de ter medo em assumir a sua língua materna.”

O território de Olivença é também terra de azinheiras. Preenchem o horizonte que o PÚBLICO percorreu para chegar a São Jorge de Alor, pequena povoação com poucas centenas de habitantes, situada a cerca de cinco quilómetros da sede do concelho.

Se Olivença mantém traços muito fortes da presença portuguesa, então o friso das chaminés de São Jorge de Alor é o que persiste numa qualquer aldeia do interior alentejano, assim como o silêncio. É a hora da sesta como em qualquer aldeia da raia no Alentejo. A limpeza das ruas, tal como em Olivença, é irrepreensível, assim como o branco que cobre as casas com telha de canudo e os barrões que embelezam as suas fachadas de cor amarela, azul ou cinzenta.

Na Cafetaria S. Jorge, o PÚBLICO causou um misto de surpresa e alegria, porque chegava gente de Portugal. À saudação em português, Nunes Pires um dos presentes, respondeu: “Mi madre hablaba português, eu não, mas tenho a dupla nacionalidade.” E para o comprovar exibe o cartão de cidadão português. Foi dos primeiros a obtê-lo.

A algaraviada instala-se, numa mistura de espanhol, português oliventino e português de Portugal. João Santos, outro residente em São Jorge lamenta que Portugal os tenha esquecido. “Fomos trocados por Campo Maior. É o que se conta por aí”, argumenta.

Com efeito, a versão que corre em Olivença refere que Portugal trocou Olivença por Campo Maior. No domínio da língua, os avanços são significativos, mas a história dos 500 anos da presença portuguesa é desconhecida por boa parte dos oliventinos.

PÚBLICO -
Foto

“O português é a língua que se fala quando as emoções ou os afectos tomam conta de nós. Quando dizemos à namorada ou à mulher, ‘meu amor’ ou ‘amo-te muito’”, diz Nunes Pires. Mas também são as palavras lusas que destravam a língua à força de expressões verrinosas, quando ocorrem zangas entre vizinhos.

O futuro parece-lhes promissor. “As crianças já começaram a aprender o português no jardim infantil”, refere Nunes Pires. O PÚBLICO pergunta a uma criança com 8 anos se fala português. “Non”, foi a resposta acompanhado de um abanar da cabeça. Contudo, depois de correr uns metros, grita: “Obrigado por virem cá.” E desaparece.

Joaquín Fuentes Becerra, presidente da Associação Além-Guadiana (AAG), fundada em 2008, para promover a língua e a cultura portuguesas, garantiu ao PÚBLICO que “há um esforço sincero da parte dos autarcas locais e da Universidade Popular” para disseminar a aprendizagem do português em Olivença. É o primeiro e mais importante passo para “preservar e cultura e as raízes da comunidade”, salienta o dirigente da AAG.  

Cerca de um milhar de oliventinos já solicitaram a obtenção da dupla nacionalidade e mais de 500 já ostentam, “com orgulho”, o seu cartão de cidadão português. O processo da dupla nacionalidade, que se iniciou em 2014, tem sido transversal a todas as classes sociais. “Há um facto que é incontornável: a maior parte dos oliventinos descende de portugueses”, observa Fuentes. E acrescenta: “Olivença é duas coisas, é bicultural. Estamos também a recuperar a cultura imaterial da comunidade oliventina.” Já se dança o corridinho, as saias ou os viras. O português está presente na toponímia de mais de 70 ruas, praças e avenidas de Olivença.  

Mesmo assim, as autoridades portuguesas “não têm acarinhado ideias, projectos e objectivos para que sejam construídas novas pontes” com as comunidades além Guadiana. Portugal “deve fazer um esforço no sentido de um melhor entendimento da realidade que é Olivença”, advoga Joaquín Fuentes, frisando que “cerca 1500 pessoas já falam o português”.

Ele próprio, enquanto oliventino e dirigente da AAG, desconhece se o Estado português “alguma vez se manifestou” em relação à cultura portuguesa em Olivença.