Opinião

Jordan Peterson veio a Portugal (ai que medo)

A melhor prova de que Peterson é realmente interessante está aqui: não há uma só alma que o ataque sem primeiro adulterar aquilo que ele diz.

Em muito pouco tempo, o professor canadiano Jordan Peterson transformou-se num dos intelectuais mais influentes do planeta. Boa parte da popularidade deve-a à esquerda: a sua oposição veemente às chamadas “políticas de identidade” (Peterson deixou de ser um anónimo professor da Universidade de Toronto quando há dois anos recusou cumprir a lei que exigia o uso de pronomes neutros, como “ze” ou “zir”, para se referir a alunos transexuais), levou a que a esquerda o pintasse como um perigoso radical, um dos líderes espirituais da alt-right americana e, já agora, de toda a extrema-direita nos vários continentes.

Só que há um problema: Peterson não é nada disso, como percebe qualquer pessoa que o escute durante cinco minutos, e sabe defender-se extremamente bem das parvoíces que dizem acerca dele. A solidez da sua formação (é professor de Psicologia mas também um especialista em regimes totalitários), a qualidade dos argumentos e o seu carisma fizeram com que milhões de jovens por esse mundo fora, munidos da necessária honestidade intelectual e fartíssimos de lhes estarem a ensinar o que podem ou não dizer, aderissem aos vídeos e aos livros de Jordan Peterson com um entusiasmo inédito. Isso viu-se mais uma vez esta quinta-feira, em Portugal, quando cerca de nove centenas de pessoas lotaram o maior espaço do novo campus de Carcavelos da Universidade Nova para o escutar, durante o lançamento do seu novo livro, 12 Regras para a Vida – Um antídoto para o caos, editado pela Lua de Papel.

PÚBLICO -
Foto
Daniel Rocha

Dispenso-me de estar aqui a fazer um resumo dos seus argumentos – leiam-no e ouçam-no, que vale muito a pena. Mas já não dispenso analisar aquilo que sobre ele continua a ser escrito e os imensos preconceitos que são revelados por quem insiste em caricaturá-lo. A revista Sábado foi até ao campus de Carcavelos e o título do artigo saiu assim: “A Igreja de Jordan Peterson passou por Lisboa e os crentes aplaudiram de pé.” Todo o texto era uma sucessão de frases empenhadas em transformar um professor universitário com um discurso articulado e cientificamente fundamentado num guru da auto-ajuda radical. Outros excertos do artigo: “Toda a espera parecia demais para as pessoas que, sentadas, ansiavam a vinda deste profeta”; “centenas de pessoas, maioritariamente homens brancos entre os 20 e os 40 [NA: gosto especialmente do “maioritariamente brancos”, porque as conferências em Portugal costumam estar apinhadas de negros, indianos e esquimós], aplaudiram de pé o pensador”; “os crentes levantam-se à pressa e tentam, de qualquer modo, ter lugar na fila da comunhão”.

O paradoxal nisto é que se há alguma Igreja que Jordan Peterson está a querer fundar é a do regresso à valorização do indivíduo, e contra o espírito tribal induzido pelas políticas de identidade e pelos social justice warriors, que nem sequer se apercebem que quando defendem que nada é biológico, e que tudo é uma construção social, estão a utilizar os mesmos argumentos daqueles que ainda hoje acreditam que a homossexualidade pode ser “curada”. Peterson não quer fundar nenhum movimento – o que ele quer é o contrário disso; é que a existência individual não seja esmagada pelas identidades de grupo, essas, sim, cheias de vontade de disseminar capelinhas tão radicais que acabam por deslaçar a sociedade em que vivemos. A melhor prova de que Peterson é realmente interessante está aqui: não há uma só alma que o ataque sem primeiro adulterar aquilo que ele diz.

Sugerir correcção