20 anos de Boom, agora em documentário

Começou há mais de 20 anos, numa festa em casa de Pedro Carvalho, um dos fundadores do Boom Festival. Na altura, o trance psicadélico tinha chegado a Portugal através daqueles que viajavam entre Goa e Lisboa e, por isso, foi baptizado de Goa Trance. Apesar de ter saído das quatro paredes em 1994 — para passar para a floresta —, foi só em 1997 que o festival ganhou uma forma semelhante à que tem agora. Desde então, o Boom Festival já deu muito que falar: em 2016, foi eleito pela Rolling Stone como um dos melhores festivais transformacionais do mundo e como um dos dez melhores na Europa pelo The Guardian.

Agora, em jeito de celebração das duas décadas de festival — que se assinalaram em 2017 —, são lançados um documentário e um livro. Boom Festival 20 Anos é o nome do documentário que reúne 12 terabytes de material audiovisual e “resume as origens, as 11 edições do festival e todos os projectos que emergiram da sua evolução ao longo do tempo”, pode ler-se no site do evento.

Mais de uma hora de mandalas, trance psicadélico, filmagens e testemunhos de mais de 130 pessoas que, de algum modo, fizeram parte do festival permitem compreender a evolução e crescimento do festival bienal de Idanha-a-Nova. A dicotomia entre a calma dos cenários e a energia da música, patente durante todo o documentário, levam o espectador a entrar no mundo tribal e livre que caracteriza o Boom Festival. 

O trabalho de pesquisa da história do festival deu também origem a um livro que contém mais de 500 fotografias e mais de 350 páginas com testemunhos de "134 pessoas que tiveram impacto na evolução do festival e cujas vidas foram tocadas pelo Boom", lê-se no site. Boom Festival 20 Years: A Visual and Oral Story pode ser adquirido via email, a partir da página do evento.

Sugerir correcção