Bruno de Carvalho e “Mustafá” saem em liberdade

As medidas de coacção foram conhecidas esta quinta-feira, depois de ambos terem sido ouvidos no Tribunal Criminal do Barreiro. Em causa estão os ataques aos jogadores na Academia de Alcochete a 15 de Maio.

Fotogaleria
Bruno de Carvalho a chegar ao Tribunal do Barreiro na terça-feira LUSA/MIGUEL A. LOPES
Fotogaleria
Apoiantes de Bruno de Carvalho, fotografados esta terça-feira LUSA/RUI MINDERICO
Fotogaleria
LUSA/CARLOS SANTOS

Bruno de Carvalho e Nuno Mendes, líder da claque sportinguista Juventude Leonina mais conhecido como “Mustafá”, saíram esta quinta-feira em liberdade, sujeitos a apresentações diárias às autoridades na zona de residência. Cada um fica com termo de identidade e residência e ainda obrigado ao pagamento de uma caução de 70 mil euros. As medidas de coacção foram conhecidas esta quinta-feira, depois de ambos terem sido ouvidos no Tribunal Criminal do Barreiro pelo juiz de instrução Carlos Delca.

Apenas relativamente ao crime de tráfico de droga, imputado a “Mustafá”, o juiz considerou que “verificam-se fortes os indícios resultantes da prova”. Quanto às outras imputações em causa, o juiz terá considerado que os indícios não são fortes.

À porta do tribunal vários apoiantes de Bruno de Carvalho manifestaram-se assim que ouviram que o ex-presidente do Sporting saía em liberdade. O ex-presidente leonino saiu do tribunal acompanhado pela GNR. Já o líder da claque Juve Leo deixou as instalações num automóvel particular. Nenhum deles prestou declarações.

O ex-presidente do Sporting e “Mustafá” chegaram esta quinta-feira ao Tribunal do Barreiro um minuto depois das 9h, transportados em dois veículos descaracterizados da GNR de Alcochete. A leitura da decisão estava prevista para as 10h, mas foi adiada em mais de uma hora devido à greve parcial dos funcionários judiciais, que já tinha motivado a interrupção do interrogatório aos arguidos na terça-feira.

Num comunicado distribuído aos jornalistas à porta do tribunal, já depois das 12h, o juiz informa que, relativamente a Bruno de Carvalho, “se verificam indícios” da prática de 20 crimes de ameaça agravada, 12 crimes de ofensa à integridade física qualificada, 20 crimes de sequestro, dois crimes de dano com violência, dois crimes de detenção de arma proibida e um crime de terrorismo. No total são 57 crimes.

No caso de “Mustafá”, o tribunal informou que está indiciado “fortemente” pela prática de um crime de tráfico de estupefacientes. O ex-líder da claque é indiciado por um total de 58 crimes, os mesmos 57 de Bruno de Carvalho, mais o de tráfico de droga.

Perigo de fuga

O juiz Carlos Delca afirma existir “em concreto os perigos de fuga, de perturbação do decurso do inquérito, nomeadamente para a aquisição e conservação da veracidade da prova, de continuação da actividade criminosa, bem como de grave perturbação da ordem e tranquilidade públicas”. Considerou até que “a actuação dos arguidos revela um manifesto desprezo pelas consequências gravosas que provocam nas vítimas”.

Apesar destas afirmações, o juiz de instrução criminal não aplicou a medida de coacção mais gravosa, “uma vez que apenas em relação à prática do crime de tráfico de estupefacientes imputado ao arguido Nuno Mendes se verificam fortes os indícios resultantes dos elementos de prova”.

Com Bruno de Carvalho e “Mustafá” em liberdade, continuam a ser 38 os suspeitos em prisão preventiva no âmbito do caso do ataque à Academia de Alcochete, em que um grupo de alegadamente adeptos “leoninos” agrediram membros da equipa principal de futebol do Sporting.

O antigo presidente do Sporting e “Mustafá” foram detidos pela GNR no domingo para interrogatório no âmbito da investigação ao ataque à academia “leonina”, em Alcochete, que se deu a 15 de Maio.

O ex-líder do clube de Alvalade e “Mustafá” foram presentes a tribunal na terça-feira, mas os interrogatórios só terminaram no dia seguinte. A audição de Nuno Mendes terá demorado cerca de uma hora e a de Bruno de Carvalho cerca de duas horas. A última noite foi passada nas instalações da GNR, tal como as anteriores.

Ataque na Academia

A 15 de Maio, a equipa de futebol do Sporting foi atacada por um grupo de cerca de 40 alegados adeptos encapuzados, que agrediram alguns jogadores, membros da equipa técnica e outros funcionários na academia “leonina”.

A GNR deteve no próprio dia 23 pessoas e efectuou, posteriormente, mais detenções, que elevaram para 38 o número de detidos, todos em prisão preventiva, entre os quais está o antigo líder da Juventude Leonina Fernando Mendes.

Do ataque resultou o pedido de rescisão de nove futebolistas, alegando justa causa — alguns dos quais recuaram na decisão — e levou à constituição de quatro dezenas de arguidos, suspeitos da prática de diversos crimes, entre os quais terrorismo, ofensa à integridade física qualificada, ameaça agravada, sequestro e dano com violência.