Torne-se perito

As transformações operadas pelo teatro no Prémio Europa

Por estes dias, alguns dos mais importantes criadores teatrais europeus são distinguidos e apresentam a sua obra em São Petersburgo. No arranque, Lev Dodin falou da missão do teatro como aprendizagem da compaixão.

Fotogaleria
Lev Dodin dr
Fotogaleria
Hamlet Maly Drama Theatre

Lev Dodin nasceu para o teatro quando, aos 15 anos, assistiu à encenação de A Tempestade, de William Shakespeare, pelo inglês Peter Brook. Foi a primeira prova concreta que teve – e que lhe ficou gravada na pele – de que os grandes encenadores podem transformar as vidas à sua volta. No caso de Dodin, cada uma das peças dirigidas por Brook a que assistiu voltou a baralhar as suas certezas sobre o teatro e a obrigá-lo a questionar o seu olhar sobre o mundo. “Como o seu teatro muda a toda a hora”, disse esta quarta-feira à assistência que enchia a sala da Dom Aktera (Casa do Actor), em São Petersburgo, que presenciava a sua conferência enquanto um dos vencedores do 15.º Prémio Europa de Teatro – Realidades Teatrais, “por vezes preciso de algum tempo para acertar o passo com as peças de Peter Brook, mas acaba sempre por me encantar e transformar.” A par do encenador russo, desde 1983 à frente do Maly Drama Theater, que Brook elogia como “a melhor companhia teatral europeia”, o Prémio Europa de Teatro distingue este ano Sidi Larbi Cherkaoui, Circus Cirkor, Julien Gosselin, Milo Rau, Andrey Moguchy, Valery Fokin, Nuria Espert e Tiago Rodrigues.

Para alguém que se diz “firmemente convencido de que a grande missão do teatro”, no caso de existir alguma, “é a de ensinar a compaixão e a capacidade de sentir empatia pelo outro”, nunca o mundo esteve tão necessitado dos palcos. Porque, precisamente, Dodin acredita que a (falta de) compaixão se tornou um verdadeiro problema planetário e um bem de escassez absoluta nos tempos que correm. Na sua opinião, as pessoas deixaram de exercitar essa tentativa, mesmo que momentânea, de se transportar para corpos e pensamentos alheios, abdicaram de treinar o gesto virtual de assaltar por momentos a alma dos outros enquanto gesto essencial para perceberem o quanto é espelhado nesse movimento, encurtando drasticamente distância. Talvez por isso, Dodin, um dos maiores encenadores russos em actividade, comece por confessar-se pessimista: “A sociedade está a deixar de gostar de nós e o teatro está a tornar-se cada vez menos popular.”

Confesso herdeiro de Peter Brook, Lev Dodin afirma-se desconfortável e desconfiado do “teatro moderno”, que o confunde naquilo que considera ser a soberba dos autores em relação às suas personagens. Com Dostoievski e Shakespeare, disse ainda, aprendemos a “ter de crescer para sermos dignos de qualquer pequeno papel”. “Dostoievski não humilha as suas personagens, ele está presente em cada uma delas.” E Dodin tem-nas perscrutado até ao osso, através de peças como The Possessed (1994), cujas sete horas e meia de duração não foram obstáculo para que sobre ela chovessem os mais rasgados elogios quanto viajou para lá do território russo e conquistou a Europa.

Se Dostoievksi está em todas as suas personagens, também Dodin garante que, egoisticamente, os seus espectáculos são acima de tudo acerca de si mesmo, através da dimensão compassiva de que fala – procurando e descobrindo-se em cada vida que desperta em palco. De tal forma que, admite, não se importaria de se dedicar a eternos ensaios dos dois autores que cita, para não deixar de habitar em permanência esses textos e essas personagens.

Percebe-se, portanto, que a escolha para o programa oficial do Prémio Europeu de Teatro tenha recaído sobre a sua versão de Hamlet, apresentada terça-feira no Maly Drama Theatre. Uma versão escorreita, emagrecida para duas horas, colocando o motor de vingança do príncipe dinamarquês a carburar sobre um cemitério de valas abertas, à espera que os corpos nelas vão caindo para logo depois serem cobertos. Como se a marcha imparável da História engolisse todas as histórias de crueldade e vingança, logo as triturando para não mais as lembrarmos, caminhando depois sobre elas. Ainda que, confessa à sua audiência, veja no príncipe Hamlet o humanismo que sempre procura no teatro: o homem que, movido pela vingança do assassínio do seu pai, se dedica a varrer as figuras “do mal” que continuam o seu mundo.

PÚBLICO -
Foto
Hamlet Maly Drama Theatre

Liberdade e tolerância

Questionado repetidas vezes sobre o teatro pós-dramático, numa insistência que pretendia obter de Lev Dodin uma condenação, havia de manifestar pouca empatia pela obra fundamental do investigador alemão Hans-Thies Lehmann, Teatro Pós-Dramático, que na mesma sala da Dom Aktera recebeu, horas antes, o Prémio Thalia. Lehmann foi alvo da grande ovação na manhã de quarta-feira, com programação a cargo da Associação Internacional de Críticos de Teatro, focada na liberdade e (in)tolerância nas artes performativas.

E aqui, com várias intervenções vindas de outras tantas geografias, não demorou a perceber-se o quanto a produção teatral em países asiáticos como Hong Kong ou Japão incide, com frequência, em narrativas relacionadas com as limitações à liberdade de imprensa, com muitos autores – Candace Chong Mui Ngam, com Wild Boar foi um dos exemplos – a passarem para o palco denúncias das manipulações constantes da informação, da dificuldade de manter uma ética impoluta no jornalismo, da relação com uma censura constante e da luta continuada com hierarquias ao serviço do poder político.

Desafios distintos (por agora) daqueles que assolam o continente asiático foram antes feitos pelo caso, largamente exposto, do canadiano Robert Lepage, autor de espectáculos como Slav e Canada, cujas criações acerca da História canadiana têm estado sob severo ataque com acusações de racismo, apropriação cultural e sub-representação das comunidades que leva e retrata em palco (indígenas e negras). Dados os cancelamentos forçados pelas manifestações populares que explodiram com as produções das suas peças, a questão encaminha-se para um braço-de-ferro entre a liberdade artística e a obrigação de obedecer a uma representação justa dos verdadeiros protagonistas das histórias tratadas em palco.

E é também aí que o teatro pode continuar a ter um protagonismo poderoso: mesmo se não conseguir transformar o mundo, pode manter a pressão sobre as mudanças necessárias ao mundo.

O PÚBLICO viajou a convite do Teatro Nacional D. Maria II e do Prémio Europa de Teatro

Sugerir correcção