Bruno de Carvalho queria dar dinheiro à Juve Leo para ter claque na mão

A revelação foi feita à TVI24 por um antigo vice-presidente do Sporting.

Bruno de Carvalho
Foto
Bruno de Carvalho LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO

A ideia surgiu numa reunião em que Vítor Ferreira, antigo vice-presidente do conselho directivo do Sporting e administrador da sociedade anónima desportiva (SAD) “leonina” no primeiro mandato de Bruno de Carvalho, esteve presente e consistia em dar 15 mil euros por mês à Juventude Leonina para ter a claque na mão.

Bruno de Carvalho pretendia, dessa forma, controlar a Juve Leo, que ficaria assim dependente do financiamento autorizado pelo presidente. Vítor Ferreira discordou da ideia, defendendo que a ajuda às claques fosse feita mediante a apresentação de facturas que justificassem as despesas. O ex-vice-presidente sportinguista sustentava que a SAD pagasse directamente, por exemplo, a compra do material necessário para os espectáculos da claque nos jogos.

A sugestão de Vítor Ferreira foi, contudo, rejeitada por Bruno de Carvalho, que insistiu na entrega de um montante fixo e cuja justificação seria o pagamento de despesas.

A partir desse momento, Vítor Ferreira deixou de ser consultado para qualquer assunto relacionado com as claques. Estes temas ficaram exclusivamente nas mãos de Bruno de Carvalho e André Geraldes, na altura a desempenhar as funções de oficial de ligação aos adeptos.

Vítor Ferreira, que se demitiu do cargo em Abril de 2015, afirmou ainda que desconhece se essa verba foi ou não paga. Mas acrescentou, em declarações à TVI24, que a situação financeira da SAD na altura não era a melhor. “Não havia dinheiro para comprar papel de fotocópias”, afirmou.